LGBT
14/05/2020 16:55 -03 | Atualizado 21/05/2020 16:49 -03

Parada do Orgulho LGBT de São Paulo terá 1ª edição online devido ao surto de coronavírus

Organização responsável pelo evento diz que, por enquanto, a Parada presencial adiada para o dia 29 novembro, está mantida.

Devido ao isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo realizará sua primeira edição online. O evento, que leva cerca de 3 milhões de pessoas à Avenida Paulista anualmente será transmitido pelo YouTube no dia 14 de junho, data inicial do evento.

Porém, o adiamento do evento presencial continua mantido para o dia 29 de novembro*, diz a organização. Com este evento, a Parada de São Paulo se junta a outras organizações pelo mundo que uniram forças para, mesmo diante do surto de covid-19, não deixar de comemorar o orgulho LGBT pelo mundo.

Em comunicado, a organização afirma que “todos são conscientes sobre as restrições que vivemos, a mobilidade urbana, o confinamento social” e estes fatores não poderiam deixar “a data de celebrar nosso Orgulho” de lado.

MIGUEL SCHINCARIOL via Getty Images
Em 2019, Parada LGBT teve como tema os "50 anos das revoltas de Stonewall".

O evento será realizado pela ONG APOGLBT, em parceria com o Dia Estúdio - e transmitido pelo YouTube oficial da ONG e plataformas de parceiros - que ainda não foram anunciados. Segundo a organização, o evento será realizado das 10h às 18h e terá sua programação completa divulgada nos próximos dias.

A APOGLBT afirma que esta também é uma oportunidade de coletar doações para o projeto “Rede Parada Pela Solidariedade” que, no atual momento, tem apoiado uma parcela da população LGBT em situação de vulnerabilidade. 

“Nosso objetivo [com o evento] é ajudar e dar visibilidade para a comunidade LGBT como parte da estratégia da ONG de manter as pessoas seguras em suas casas e conectadas com o movimento”, diz comunicado da ONG.

NurPhoto via Getty Images
Anualmente, evento reúne cerca de 3 milhões de pessoas na Avenida Paulista.

Em 2019, a Parada ocorreu sob o governo Bolsonaro pela primeira vez e, por isso, a expectativa sobre como os participantes se posicionariam em relação ao presidente, conhecido por histórico de declarações homofóbicas, era grande.

Mas a grande maioria dos participantes, e na maior parte do percurso da Parada, preferiu não fazer de Bolsonaro o centro do movimento. O recado geral dos LGBT foi claro: o protagonismo é deles, e não há volta para o “armário”.

Ano passado, as revoltas de Stonewall - que deram pontapé para manifestações LGBTs em todo o mundo - completaram 50 anos e a Parada se tornou uma grande celebração dos movimentos por reivindicação de direitos.

Segundo levantamento feito pela Secretaria Municipal de Turismo, por meio do Observatório da Secretaria de Turismo, o evento realizado na Avenida Paulista reuniu cerca de 3 milhões de pessoas e movimentou R$ 403 milhões. 

Ainda conforme a pesquisa, a Parada registrou aumento de 78% no número de visitantes em relação à 2017, último ano em que o estudo foi realizado. Nesses dois anos, o número de não residentes que participaram do evento na cidade subiu de 24,3% para 43,4%.

Para 2020, o tema escolhido foi “Democracia”. E o slogan do evento escolhido foi “Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossa Democracia”. Mesmo com a alteração da data, o tema se mantém, segundo os organizadores.

“Estamos em um momento que exige por parte da sociedade organizada uma ação coletiva. A APOGLBTSP, organizadora da maior manifestação social e por direitos humanos de rua e que luta por igualdade, diversidade, direitos humanos e por democracia no Brasil vem a público conclamar todas as organizações que têm apreço pelo regime democrático e aos princípios fundamentais a unir forças”, diz texto do manifesto dos organizadores.

*Inicialmente o evento estava marcado para acontecer no dia 22 de novembro. Mas foi alterada para o dia 29 “em função das alterações dos próximos feriados de julho e novembro pelo governo do estado de São Paulo”, diz comunicado.