Comida

De onde veio a tradição de servir peru no Natal? Esta e outras origens da sua ceia de fim de ano

A ceia de Natal brasileira é uma grande herança de nossos antepassados ― coisa que pouca gente sabe até os dias de hoje.

Já parou para pensar por que você come peru, castanhas e frutas secas no final de ano? E por que, só nesta época do ano, você saboreia um delicioso panettone?

Ao longo de séculos, o Brasil vem colecionando e adaptando tradições de diversos povos, principalmente imigrantes e colonizadores. O resultado disso é uma rica mistura de culturas gastronômicas ― e isso fica muito claro em épocas comemorativas, como o Natal.

De fato, a ceia de Natal brasileira é uma grande herança de nossos antepassados ― coisa que pouca gente sabe até os dias de hoje. Veja abaixo a origem de 8 pratos típicos natalinos:

Peru de Natal

A tradição de comer peru no Natal é importada dos Estados Unidos. O peru é uma ave natural da América do Norte e é o principal prato do Dia de Ação de Graças. A ave era consumida pelos índios e, com o tempo, os colonos americanos passaram a consumi-la em grandes banquetes, por causa de seu tamanho.

Chester

O frango com abundante peito e coxas foi desenvolvido no final da década de 70 pela Perdigão, em uma missão para criar uma alternativa ao tradicional peru de Natal da então concorrente Sadia. A empresa enviou técnicos aos EUA para encontrar linhagens de galinhas que preenchessem os requisitos genéticos. As “escolhidas” vieram para uma granja em Tangará, em Santa Catarina.

Em 1982, após três anos de desenvolvimento, surgiu no mercado o Chester, nome derivado de “chest”, “peito” em português.

Panettone

A tradição de se comer panettones nas festas de fim de ano veio da Itália. Já a origem do pão com frutas secas é inusitada: reza a lenda que o famoso panettone italiano nasceu de um erro na cozinha. Segundo a Ansa, na véspera de Natal, um funcionário na corte de Ludovico teria queimado a sobremesa, que se tornara incomestível. Um ajudante de cozinha chamado Toni improvisou um doce com farinha, ovos e manteiga. Com base de pão (pane, em italiano), a iguaria teria recebido o nome de “pane di Toni”.

Rabanada

A rabanada tem origem portuguesa. O tradicional doce feito com sobras de pão polvilhadas com açúcar e canela é prato típico na Europa e, ao que tudo indica, veio para o Brasil com os imigrantes. Diz a lenda que era tradição na Europa servir rabanada para mulheres que davam à luz.

Salpicão

Apesar de parecer 100% brasileiro, o famoso salpicão tem origem francesa e também mexicana, derivado de “salpicón”, referência ao preparo que leva ingredientes crus e molho. Por aqui, a receita leva frango cozido e desfiado, batatas, cenouras, batata palha e, nessa época, até uvas passas e nozes.

Nozes e avelãs

Comer nozes, castanhas, avelãs e frutos secos no Natal é uma tradição de países nórdicos. Além de ter produção nesta época do ano, histórias natalinas como a do “quebra-nozes” ajudaram a popularizar a deliciosa tradição.

Bacalhau

O hábito de comer bacalhau no Natal também é uma herança portuguesa. Como um país cristão, Portugal segue a orientação da Igreja Católica de fazer jejum de carne vermelha durante festas cristãs, seja Natal ou Páscoa.

Farofa

Agora sim, um prato típico brasileiro. Tal iguaria ― que no Natal recebe uva passa ― está diretamente ligada às raízes indígenas, uma vez que a farinha da mandioca é o elemento base de sua alimentação.