NOTÍCIAS
01/02/2020 14:43 -03

Onyx Lorenzoni diz que fica no cargo e afirma que Santini é 'página virada'

"Hoje nós conversamos sobre a rotina normal, fica tudo igual, não mudou nada”, garantiu o ministro da Casa Civil na saída do encontro com Bolsonaro neste sábado.

Em meio a rumores de que poderia deixar o cargo, o ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Onyx Lorenzoni, disse hoje (1º), em Brasília, que não tratou dessa possibilidade com o presidente Jair Bolsonaro, com quem esteve reunido por pouco mais de uma hora, neste sábado, no Palácio da Alvorada.

“Nós nem conversamos sobre isso. Conversamos sobre as tarefas do ministro da Casa Civil a partir do meu retorno das férias. Na verdade, eu chegaria [dos Estados Unidos] hoje, consegui antecipar e hoje nós conversamos sobre a rotina normal, fica tudo igual, não mudou nada”, garantiu a jornalistas na saída do encontro.

O ministro acrescentou ainda que teve hoje uma reunião de trabalho com Bolsonaro, que já lhe deu “uma série de determinações”. “As coisas vão continuar a seguir o seu rumo normal”, ressaltou.

Sobre a exoneração de Vicente Santini, considerado o número dois da Casa Civil, durante as férias de Onyx, na última semana, o ministro garantiu que o assunto é “página virada”.

O secretário executivo foi exonerado depois de usar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para ir de Davos, na Suíça, onde participou do Fórum Econômico Mundial, para Nova Delhi, durante visita de Bolsonaro à Índia.

“Conversamos sobre isso, mas isso é página virada, está resolvido e ponto final. O presidente tomou suas decisões. O presidente é o meu líder. A decisão que ele toma é a que deve ser acatada”, afirmou.

Coronavírus

Outro assunto tratado entre o presidente e o ministro foi o coronavírus. Segundo o chefe da Casa Civil, uma reunião do grupo interministerial criado por decreto para tratar de ações do governo brasileiro para enfrentar a doença está convocada para às 10h de segunda-feira (3), no Palácio do Planalto.

Congresso

Na segunda-feira, Onyx será o representante do presidente Jair Bolsonaro na sessão de abertura dos trabalhos do Congresso. O ministro levará ao Parlamento a mensagem presidencial, que foi revisada por Bolsonaro hoje.

Onyx adiantou que, além de ressaltar a importância das reformas administrativa e tributária, a mensagem trata ainda do combate à criminalidade e à corrupção e do fortalecimento da imagem do país no exterior.

“Nós recuperamos no primeiro ano [de governo] a confiança interna no Brasil e recuperamos a confiança externa no Brasil. Hoje, onde quer que a gente vá, os países olham para o Brasil com certeza e que aqui tem presente e tem bom futuro, quer para o investidor externo, quer para o investidor brasileiro e quer para a sociedade brasileira”, disse.

Para 2020, Onyx disse que a articulação política não muda, continuará sob o comando do general Luiz Eduardo Ramos, chefe da secretaria de Governo. Ele avaliou que as dificuldades entre Executivo e Legislativo são normais em todo governo pelos muitos interesses envolvidos.

“Este é um governo que vem fazendo uma série de reformas, fizemos a maior reforma previdenciária que um país ocidental fez em uma única vez. Estamos trabalhando com a reforma do pacto federativo”, lembrou.

Segundo Onyx, durante décadas, prefeitos e governadores vieram a Brasília “apenas de pires na mão” em busca de uma fatia no Orçamento federal. “Nós mandamos ainda no ano passado uma reforma do Estado brasileiro que vai permitir a reformulação do pacto federativo, onde estados e municípios terão ferramentas para combater crises fiscais”, afirmou.

Regina Duarte

No início da manhã, quem também esteve no Palácio da Alvorada com o presidente da República foi a atriz Regina Duarte, que será a nova secretária especial de Cultura. O encontro durou cerca de 50 minutos.