NOTÍCIAS
31/01/2020 13:54 -03

'Lutei muito' para que o Bolsonaro estivesse onde ele está, diz Onyx

Ministro da Casa Civil retornou das férias antes para conversar com presidente; Interlocutores dizem que “saída honrosa” seria substituir Weintraub na Educação.

Adriano Machado / Reuters
“Eu tenho tranquilidade que eu venho fazendo todas as missões que me foram atribuídas", disse Onyx, a chegar a Brasília.

Mais enfraquecido do que nunca, o ministro da Casa Civil,Onyx Lorenzoni, deixou claro na manhã desta sexta-feira (31) que não pretende deixar o governo. “Eu lutei muito para que ele [presidente Jair Bolsonaro] estivesse onde ele está”, disse Onyx ao chegar ao aeroporto de Brasília, na volta antecipada das férias.

A intenção do ministro vai de encontro ao que têm defendido desde quinta-feira (30) aliados dele, após Bolsonaro ter anunciado pelo Twitter a transferência do Programa de Parcerias de Investimento de sua pasta para o Ministério da Economia - o que esvaziou ainda mais a Casa Civil.

Interlocutores destacam que Onyx quer seguir no governo, porque deseja “um palanque”. Sua intenção é disputar, em 2022, o governo do Rio Grande do Sul.

Do lado do presidente, apesar de Bolsonaro ter submetido o ministro a um desgaste público, diz-se que ele vem afirmando ter “uma dívida de gratidão com Onyx”. A avaliação é que o aliado foi o primeiro a apostar em Bolsonaro presidente, ainda quando ambos estavam na Câmara como deputados, em um período também anterior à campanha.

Embora a transferência do PPI para o Ministério da Economia tenha sido confirmada nesta sexta no DOU (Diário Oficial da União), Onyx afirmou estar tranquilo sobre seu desempenho na Casa Civil. “Eu tenho tranquilidade que eu venho fazendo todas as missões que me foram atribuídas e tenho certeza de que nós vamos continuar trabalhando pra mudar nosso País”, afirmou no aeroporto.

O esvaziamento da pasta teve início em junho do ano passado, quando Bolsonaro passou a articulação política para a Secretaria de Governo, do ministro Luiz Ramos, e a Subchefia para Assuntos Jurídicos para o ministro Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral da Presidência.

Onyx só voltaria de férias na segunda (3), mas antecipou o retorno para conversar com o presidente. Até o início da tarde, eles ainda não haviam se encontrado pessoalmente. Bolsonaro passou por uma vasectomia, segundo o Estadão, que já estava programada, na noite de quinta, e não há informações se o encontro dos dois ocorrerá ainda hoje.

Há inúmeras especulações nos bastidores sobre o futuro do ministro. Interlocutores afirmam que “uma saída honrosa” seria ele substituir Abraham Weintraub no Ministério da Educação. Assim, Onyx seguiria no governo como quer e Bolsonaro resolveria os problemas com o MEC.

Uma outra possibilidade é o ministro reassumir sua cadeira na Câmara e pegar uma liderança do governo, trabalhando em prol do governo. Essa possibilidade, contudo, não agrada Onyx.