NOTÍCIAS
24/06/2020 22:23 -03 | Atualizado 25/06/2020 08:28 -03

É pouco provável no momento que nuvem de gafanhotos atinja o Brasil, diz governo

Ministério da Agricultura declara, porém, estado de emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, pelo risco de chegada dos insetos.

REUTERS

Dados meteorológicos sobre a região Sul do Brasil indicam que “é pouco provável até o presente momento” que a nuvem de gafanhotos que avança em território argentino alcance áreas no país, disse o Ministério da Agricultura nesta quarta-feira (24), com base em informações do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa). Porém, o Ministério da Agricultura declarou estado de emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina pelo risco de chegada dos insetos. A portaria foi publicada na madrugada desta quinta-feira (25).

A nuvem está seguindo para o sul da Argentina, em direção ao Uruguai, conforme a previsão inicial, acrescentou a pasta em comunicado.

Um grupo de trabalho do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas (DSV) da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura permanece em situação de alerta e mobilização, em conjunto com as equipes técnicas das Superintendências Federais, segundo a pasta.

O alerta também está mantido nos órgãos estaduais de defesa agropecuária no Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, assim como nas unidades de vigilância agropecuária do ministério localizadas na fronteira com o Rio Grande do Sul, região de maior risco.

“Com base neste cenário, estão sendo trabalhadas estratégias passíveis de adoção para um eventual surto da praga no Brasil, caso ocorram alterações climáticas favoráveis ao deslocamento da nuvem de gafanhotos para o nosso país.”

Desde 2015, a formação de nuvens desses insetos tem ocorrido de forma relativamente frequente nos países vizinhos da Bolívia, Paraguai e Argentina, ainda de acordo com o ministério.

Da espécie Schistocerca cancellata, que compõe a nuvem presente na Argentina neste momento, foram várias infestações nos anos de 1938, 1942 e 1946, de focos originários da Argentina que ingressaram pela região Sul do Brasil, alcançando os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais.

Com isso, o ministério está, entre outras medidas, trabalhando na elaboração de um manual de orientações com ações de controle da praga, direcionado aos produtores rurais e aos órgãos estaduais de defesa agropecuária e de extensão rural.

A pasta informou na terça-feira que estava monitorando a nuvem de gafanhotos na Argentina.

Veja aqui algumas imagens que viralizaram no Twitter: