ENTRETENIMENTO
24/11/2019 03:00 -03

'Queria reencarnar como uma orca', diz Nicolas Cage sobre seu novo filme, 'Primal'

Ator fala sobre animais míticos, seu amor por gatos e dos planos de escrever um livro sobre o ponto de vista de uma baleia.

Tasos Katopodis/GUILLAUME SOUVANT/AFP/VALERY HACHE/AFP/Getty/Illustration HuffPost
Nicolas Cage está solto e selvagem como nunca.

Nicolas Cage está saindo da jaula. E está ótimo.

O ator premiado com o Oscar abraçou o absurdo plenamente com sua leva mais recente de trabalhos, que incluem títulos como Wally’s Wonderland, em que ele combate brinquedos de parques de diversão que ganham vida. E Cage descreveu o ainda inédito Prisoners of the Ghostland como “o filme mais selvagem que já fiz”.

Nós do HuffPost pedimos licença para discordar dessa avaliação. “Selvagem” é exatamente o adjetivo que vem à mente quando pensamos na premissa do filme mais recente de Cage, Primal. Nele o ator encarna um caçador de grandes animais e contrabandista que acaba de fisgar a maior presa de sua vida: uma onça branca, um animal mítico. Mas então, oops! Ele acaba encurralado num navio com um terrorista (Kevin Durand) que solta todos os animais!

O ator gostou da oportunidade de uma nova parceria com o diretor Nick Powell, especialmente porque os dois ficaram decepcionados com o que aconteceu com sua colaboração prévia, O Imperador, “que acabou sendo feito de refém”, disse Cage.

Em entrevista exclusiva ao HuffPost, Cage falou em soltar sua onça interior para fazer o papel, o que ele realmente pensa de Pé Grande e a ideia de reencarnar como uma orca.

HuffPost: Por que você se interessou em enfrentar uma onça em Primal, filme que é uma espécie de versão moderna, de ação, da Arca de Noé?

Nicolas Cage: Adoro essa analogia.

Obrigado.

A situação é muito absurda. É uma situação maluca, e eu me divirto em circunstâncias como essas. O objetivo é que o filme nos entretenha, que seja um pouco imprevisível. Eles estão cercados por animais selvagens e enfrentam o animal mais perigoso de todos, que é um homem, o personagem que Kevin encarna com tanto brilho. Ele é um homem que tem duas vezes o meu tamanho. É um cara muito querido. Kevin é uma das melhores pessoas que já conheci na vida. Ele é cuidadoso, mas a verdade é que ele é grandão. A gente fazia nossas cenas de luta e pensava “como vou fazer esta cena parecer verossímil? Para que acreditem que eu conseguiria sequer estar num ringue com um cara como esse.”

O que você fez?

[O diretor] Nick Powell me ajudou com isso. Pensei, ok, tenho que trazer para fora minha onça interior e fazer ela parecer selvagem, e quem sabe isso consiga convencer um pouquinho.

Falando em onças, como você se preparou para a cena em que você luta com a onça branca? 

Não é segredo – não existem onças brancas com as quais contracenar. O animal foi gerado por computador, então eu tive que usar minha imaginação. Me lembrei de ter sido atacado por um gato de rua certa vez, quando eu tinha 8 anos de idade. Lembrei daquele dia, ele voltou para minha memória. Simplesmente tentei aplicar isso ao filme.

Estamos falando de uma onça mítica. Tenho aqui uma lista de criptídeos, eu queria saber o que você pensa deles.

Que ótimo, pergunta divertida! 

Primeiro criptídeo. O que você acha do Pé Grande?
Por mais que eu goste da ideia do Pé Grande, acho que ele não existe. Um primata que anda em pé na floresta – não acredito muito. Embora eles tenham existido no passado – no passado distante houve primatas de aparência semelhante à que Pé Grande teria – acho que se o Pé Grande existisse de fato já teríamos alguma prova disso.

E o chupacabra?
Deve ser um cachorro doente, que perdeu os pelos. Sinto pena desse criptídeo. Se ele existe, deve ser um cachorro com raiva.

E o monstro de Loch Ness?
Provavelmente uma enguia gigante. O lago Ness é conhecido por sua população de enguias. Se o monstro fosse um plesiossauro, ele viria à superfície para respirar muito mais frequentemente. Acho que essas pessoas não estão inventando coisas. Imagino que tenham visto uma enguia. Talvez haja alguns exames de DNA nesse sentido vindo à tona.

E em último lugar, o Ieti.
Acho que falou-se um pouco desse. Geralmente é um urso. As amostras de DNA colhidas geralmente são de urso, então também não acredito que o ieti exista. Sinto muito dizer isso. Adoro a ideia dessas criaturas maravilhosas. Vale lembrar que pensava-se originalmente que o gorila fosse um mito, mas depois descobriram que era um animal real. O celacanto era um peixe pré-histórico, mas ainda vive hoje. Mas o único animal que é provavelmente o criptídeo que acho que deve ser verídico é o oceano. Ainda não conhecemos tudo que existe no oceano, então pode ser que haja alguma coisa ali.

Qual é seu animal favorito?

Sempre tive um fraco por gatos. Tive relacionamentos com gatos desde que eu era criança. Os gatos foram meus melhores amigos. Eles são limpos, são afetuosos, eles ronronam. Por isso, quando descobri que eu faria um filme com uma onça branca, adorei a ideia de poder colocar minha imaginação para funcionar com isso como conceito. Os gatos acho que são os animais mais lindos. Os felinos grandes são deslumbrantes. 

Em “Harry Potter” todo o mundo tem um Patrono, um animal que vem proteger você quando você lança um feitiço especial. Você diria que os gatos são o seu Patrono?

Você está falando de um animal de poder, e isso pode mudar. Ao longo da vida, em um momento um felino grande pode ser seu animal de poder, depois a serpente pode ser seu animal de poder, depois a baleia cinzenta da Califórnia pode ser seu animal de poder. Acho que é um pouco como as estações do ano. Em diferentes estações você tem diferentes animais de poder. Eu não saberia identificar um só que me orientou ao longo de toda minha vida.

Bem, qual seria seu animal de poder hoje?

Adoro orcas. Adoro a baleia assassina. Se eu pudesse reencarnar algum dia como animal, seria como uma orca. Acho as orcas uma espécie fantástica pelo jeito que tratam suas crias. É uma sociedade matriarcal, e mãe alimenta toda sua prole primeiro. As orcas formam uma comunidade que teria muito a nos ensinar. Para mim, elas têm grande valor. Acho que a baleia assassina é a melhor.

Ah sim, as baleias assassinas são o máximo.

E acho horrível o que nós, humanos, fazemos com elas, colocando-as nesses lugares para ficar observando, tirando-as de perto de sua família. É péssimo.

Com certeza. Estou pensando naquele filme Blackfish – Fúria Animal.

Putz, aquele filme me deixou arrasado. Fiquei pensando – eu queria ser Jack London e escrever um romance em que a narradora é uma baleia assassina. Pensei: “Qual seria a língua? Como eu poderia colocar isso em inglês?” Mas o que ele fez com o cão foi tão incrível em Caninos Brancos. Eu adoraria ver um livro do tipo de Caninos Brancos, mas sobre uma baleia assassina.

Você deveria escrever esse livro. Isso é algo que eu leria.

É um sonho. É uma coisa em que ando pensando.

Então como você trouxe para fora sua onça interior?

Como o título do filme é Primal (primitivo), meu instinto foi pensar que meu animal de poder neste filme é a onça branca. Se você pegar qualquer pessoa, o homem ou a mulher mais mediano, se você raspar a superfície dessa pessoa por tempo suficiente, vai acabar chegando a sua onça interior. Então foi questão disso. A mente dominando o corpo. Traga aquela força interior para fora. Traga aquela raiva para fora, aquela ferocidade, as qualidades ferinas da onça, coloque tudo isso na sua atuação.

Você já enfrentou animais diferentes em seus filmes. O que é pior: enfrentar abelhas ou uma onça?

Abelhas não! [risos]. Confesso que o pior é o homem. O homem é o problema. Não os animais. Precisamos deixar os animais em paz. Este filme, este roteiro realmente destaca isso. Não são os animais que são o problema. São as pessoas, o que elas fazem umas às outras, o que elas fazem aos animais, o que fizeram à Terra, especialmente aqui e agora. Não que este seja um filme que tenha o objetivo de transmitir uma mensagem. O objetivo do filme é ser divertido, é ser um entretenimento, uma aventura, ser um pouco engraçado e absurdo. Mas se há alguma mensagem, é que o problema somos nós. Não os animais.

Also on HuffPost