MULHERES
01/08/2019 22:40 -03 | Atualizado 01/08/2019 22:40 -03

Os desdobramentos do 'Caso Neymar', mesmo após fim do inquérito policial

Em maio, a modelo Najila Trindade acusou o atleta de estupro e agressão. Polícia de SP encerrou investigação e não indiciou jogador.

ASSOCIATED PRESS
Neymar em saída de delegacia na Zona Sul de São Paulo, após prestar depoimento sobre acusação de estupro, em maio.

A Polícia Civil de São Paulo, na última segunda-feira (29), concluiu o inquérito do “Caso Neymar” e decidiu não indiciar o jogador por crime de estupro e agressão, como acusou a modelo Najila Trindade de Souza, em maio. Mas apesar do encerramento da investigação, outros fatos movimentaram o caso.

Ministério Público pode apresentar nova denúncia 

A delegada Juliana Lopes Bussacos, titular da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, em coletiva de imprensa, afirmou que a investigação não encontrou elementos suficientes para indiciar o jogador, mas pontuou que ainda há a possibilidade do Ministério Público de São Paulo apresentar nova denúncia.

 “Eu não indiciei [Neymar] por achar que não tenho elementos suficientes. O inquérito policial foi concluído, e não vi indícios suficientes de autoria. Mas nada obsta [impede] que o titular da ação penal, que é o Ministério Público de São Paulo dê continuidade à denúncia”, afirmou Bussacos.

A partir do fim do inquérito, promotoras do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid), do Ministério Público de São Paulo, que estão envolvidas no caso, tem o prazo de 15 dias para apresentar nova denúncia, pedir o arquivamento do processo ou novas diligências. 

As duas acusações contra Najila

A investigação agora se concentra em dois processos contra Najila, autora da acusação: um deles apura a veracidade do arrombamento relatado pela modelo em seu apartamento; outro diz respeito a uma representação feita por Neymar e seu pai contra ela por extorsão e denunciação caluniosa.

Neymar cometeu crime virtual?

A Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, no Rio, ainda investiga se Neymar teria cometido crime ao divulgar imagens íntimas de Najila Trindade. A delegacia aguarda o depoimento da modelo.

Para se defender da acusação de estupro, o jogador publicou um vídeo de 7 minutos no seu perfil oficial do Instagram em que mostra a troca de mensagens por WhatsApp com Najila - incluindo imagens íntimas. Neymar borrou o rosto, as partes íntimas e o nome da jovem ao divulgar o vídeo. 

Duas especialistas ouvidas pelo HuffPost Brasil defendem que o vídeo poderia ser o suficiente para garantir que ele cometeu um crime. Para elas, Neymar violou o artigo 218-C do Código Penal (CP) brasileiro que, desde 2018, criminaliza a divulgação de cenas de nudez, sexo ou pornografia sem o consentimento da pessoa. A pena para o crime é de 1 a 5 anos de reclusão.

As reclamações do advogado de acusação

A investigação foi concluída pela delegada Juliana, nesta segunda, antes mesmo de chegarem ao Brasil as imagens do hotel onde Najila e Neymar se encontraram, em Paris, em 14 de maio. 

Ao UOL, Cosme Araújo Santos, atual advogado da modelo, criticou a atitude da delegada de encerrar o inquérito sem as imagens no local.

“A defesa encara como um absurdo o que está vendo porque, de maneira inusitada tendo a delegada pedido prorrogação para concluir o inquérito policial, resolve [encerrar a investigação], sem as diligências citadas, a exemplo da ausência do vídeo que, segundo informações, estaria por vir de Paris.”

Ele alega que uma eventual gravação do circuito interno no hotel em Paris poderia mostrar se o atleta estava com sinais de embriaguês ou se chegou a discutir com alguém no estabelecimento, demonstrando comportamento violento. Para ele, sem esse dado, o inquérito que foi fechado é “inconclusivo”. 

Um possível acordo entre Neymar e Najila

O advogado Danilo Garcia de Andrade, que é ex-representante da modelo que acusa Neymar, entregou uma petição à delegada da 11ª Delegacia de Polícia de São Paulo, Monique Patrícia de Lima, que investiga o sumiço do tablet em que estaria o conteúdo do vídeo probatório contra o jogador, segundo o UOL.

No documento, que o site teve acesso, o advogado diz acreditar que a modelo e Neymar “possam ter se entendido fora dos autos”, mas disse não diz não ter provas de qualquer possível acordo entre as partes fora da investigação.

Ainda de acordo com o site, no documento, o advogado também questiona a postura da ex-cliente. Ele afirma que ela se negou a entregar provas que dizia ter contra Neymar e cita o caso do vídeo que estava no tablet que foi roubado.

Danilo deixou o caso após as provas não serem entregues em prazo prometido à polícia. Cosme Araújo, novo advogado de Najila, desconsiderou a postura do e o desafiou a provar suas suspeitas.

Pai de Neymar processa advogado da modelo

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o pai do atacante Neymar foi à Justiça contra José Edgard da Cunha Bueno, ex-advogado de Najila.

Pouco antes do caso ganhar visibilidade, Bueno tentou um acordo com pai do atacante antes da jovem procurar a Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo. No dia 31 de maio, ela registrou a acusação em boletim de ocorrência.

Representante da família do atleta, Davi Tangerino, afirmou à Folha que “os caminhos estão abertos” para pedir indenização mas que não irão comentar estratégias ou próximos passos neste momento.

 

  

Relembre o caso Neymar e a acusação de estupro

Reprodução/SBT
Najila Trindade em entrevista para o repórter Roberto Cabrini, do SBT.

 

Às vésperas do início da Copa América no Brasil, um escândalo envolvendo uma das estrelas da equipe brasileira se tornou um dos principais assuntos de discussão nas redes sociais e na imprensa. Neymar Junior foi acusado de estupro e agressão pela modelo Najila Trindade.

As investigações do caso começaram em 31 de maio, quando a modelo fez o boletim de ocorrência na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, no bairro de Santo Amaro, em São Paulo. Em seguida, ela realizou exames de corpo e delito no hospital Perola Byington.

De acordo com depoimento à polícia, ela e o atacante do Paris Saint Germain trocaram mensagens pela internet e, em 15 de maio, se encontraram pessoalmente, em Paris. Um assistente do atacante teria enviado a ela passagens de avião e reservas em um hotel.

No dia do encontro, segundo a jovem, eles teriam trocado carícias mas Neymar, que segundo ela estava embriagado, teria ficado agressivo e, mediante violência, praticado ato sexual sem seu consentimento e sem camisinha. Segundo Najila, a discussão entre os dois teria começado por este motivo.

Para se defender das acusações, Neymar publicou um vídeo em sua conta no Instagram em que diz ser vítima de extorsão e mostra as conversas com a jovem, que incluem imagens de nudez.

Imagens do corpo de Najila com hematomas circularam nas redes sociais e foram publicadas pela imprensa. Em seu depoimento, Neymar disse que a modelo foi culpada pelas lesões porque “pedia mais”. Najila nega.

Em seu depoimento, o atacante rebata acusações da modelo e afirma ter usado preservativo e jogado no vaso sanitário na sequência. No dia seguinte, eles se encontraram novamente. A modelo gravou o encontro com a intenção de ter uma prova, mas o vídeo completo não chegou a ser entregue à polícia.

Nas imagens, que viralizaram durante o período de investigação, ela aparece questionando e dando tapas em Neymar. A jovem diz que a gravação seria uma forma de fazer ele confessar que a agrediu na véspera.