LGBT
25/06/2020 21:47 -03 | Atualizado 06/07/2020 18:38 -03

Bancos de sangue do RJ realizam 'mutirão' para receber doadores LGBT

STF derrubou restrição a doadores em maio. Campanha estadual acontecerá entre os dias 29 de junho e 3 de julho.

Após o STF (Supremo Tribunal Federal) derrubar restrições a homens gays no momento da doação de sangue, a SEDSODH (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos), do Rio de Janeiro, realiza campanha para coletar sangue da população LGBT durante a pandemia.

A iniciativa tem como intenção marcar o Dia Mundial do Orgulho LGBT, comemorado no próximo domingo (28), e estimular a doação de sangue mesmo em meio ao surto do novo coronavírus no País, que deixou os bancos de sangue com estoques baixos e escassez de doadores devido ao isolamento.

Doadores poderão participar da ação entre os dias 29 de junho e 3 de julho. Bancos de sangue de hospitais públicos de três cidades estão entre os participantes: Rio de Janeiro, Barra Mansa e Volta Redonda.

Segundo a secretaria, a campanha de doação de sangue seguirá todas as recomendações de segurança da OMS (Organização Mundial da Saúde) para evitar riscos de infecção. Serão aceitas apenas 20 doações por dia, que devem ser marcadas com antecedência. Atendimentos acontecerão até às 15h.

Números da covid-19 no País até agora

 

A epidemia do novo coronavírus no Brasil segue avançando, com 1.228.114 casos confirmados, de acordo com levantamento divulgado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), com dados compilados até às 18h desta quinta-feira (25). São 39.483 a mais em 24 horas.

 

Os óbitos, por sua vez, somam 54.971, segundo o Conass. São 1.141 a mais em relação ao balanço de quarta (24). Em números absolutos, o estado de São Paulo lidera o ranking de vítimas fatais da pandemia, com 13.759 mortes, seguido pelo Rio de Janeiro (9.450), Ceará (5.875), Pará (4.748) e Pernambuco (4.488).

Mutirão marca o início da Semana Mundial do Orgulho LGBTI, organizada pelo “Programa Rio Sem Homofobia”, ligado à SEDSODH. Nesta sexta-feira (26) a bandeira com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade, será hasteada em frente à Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), das 13 às 18h. 

Fernanda Titonel, secretária de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos afirma, em comunicado, que a iniciativa marca o mês de junho não só pela possibilidade de LGBTs doarem, mas também porque neste mês é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue, no dia 14 de junho.

“Nada mais simbólico que aliar as duas datas para a realizar uma grande campanha de doação de sangue. Fiquem atentos aos impedimentos para doação e também às orientações para participação. Estejam conosco neste importante momento para todo o estado”, disse.  

As orientações gerais, segundo o Hemorio, para doadores de sangue são: levar documento original com foto, ter entre 16 e 69 anos. Menores de 18 anos devem levar autorização e documento do responsável. Doador deve ter peso mínimo de 50kg, não estar em jejum, evitar alimentos gordurosos três horas antes, ter dormido pelo menos seis horas. 

Com a crise provocada pelo surto do novo coronavírus, os hemocentros de todo País estão fazendo campanhas para receberem doações de sangue. Especialistas ouvidos pelo HuffPost, estimam que a decisão do STF pode chegar a abastecer hemocentros do País com até 1,5 milhão de litros de sangue por mês. No momento, eles operam com 40% da capacidade.

O que o STF decidiu sobre doação de sangue por homens gays

MIGUEL SCHINCARIOL via Getty Images
Supremo decidiu na no dia 8 de maio que restringir doação de sangue por homens gays no País é inconstitucional.

Homens que fazem sexo com homens podem doar sangue no Brasil. Por 7 votos a 4, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que considerar este grupo inapto a doar sangue ou impor restrições por um período de tempo é inconstitucional. O julgamento, considerado histórico, foi iniciado em 2017 e chegou ao fim no dia 8 de maio, em sessão realizada no Plenário Virtual. 

Em seu texto, a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 5543, que foi analisada pela corte, diz que as regras dão “absurdo tratamento discriminatório por parte do Poder Público em função da orientação sexual, o que ofende a dignidade dos envolvidos e retira-lhes a possibilidade de exercer a solidariedade humana com a doação sanguínea”.

Veja página especial do HuffPost Brasil: ‘Orgulho Reinventado’

O ministro Edson Fachin, relator do processo, em seu voto, já havia afirmado que as cláusulas existentes nos documentos colocam em xeque “direitos fundamentais de um determinado grupo social”.

Para Fachin, estas restrições são baseadas em orientação sexual e no gênero do candidato, enquanto o mais adequado é utilizar o conceito de “práticas de risco” dos indivíduos - que podem atingir toda a população, não apenas homens gays. Ele foi acompanhado por 7 dos 11 ministros da corte.

A decisão é considerada histórica porque, partir da decisão do STF, o governo brasileiro terá que tratar homens gays e bissexuais da mesma forma que homens heterossexuais ao doar sangue - assim como mulheres trans e travestis, que são tratadas pelo gênero masculino no momento da doação.

 

Veja quais são os locais para doação na campanha no Rio:

Rio de Janeiro

Data: 29 de junho a 3 de julho

Horário: 8 às 15 horas*

Local: Banco de Sangue Herbert de Souza - Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE)

Endereço: Boulevard Vinte e Oito de Setembro 109 - Vila Isabel - Rio de Janeiro

*Por conta do isolamento social, as doações serão realizadas mediante agendamento pelo telefone (21) 2868 8134.

 

Barra Mansa

Data: 29 de junho

Horário: 7 às 11 horas*

Local: Banco de Sangue da Santa Casa de Barra Mansa

Endereço: Rua Pinto Ribeiro 205 (anexo à Santa Casa)

*Por conta do isolamento social, as doações serão realizadas mediante agendamento pelo telefone (24) 3323-1918

 

Volta Redonda

Data: 30 de junho a 3 de julho

Horário: 7 às 13 horas

Local: Hospital São João Batista

Endereço: Rua Nossa Senhora das Graças 235 - Colina

*Por conta do isolamento social, as doações serão realizadas mediante agendamento pelo telefone (24) 3339-4242.

*Devido à grande adesão, a campanha foi estendida no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE) até o fim do mês de julho.