ENTRETENIMENTO
20/08/2020 09:53 -03 | Atualizado 20/08/2020 10:09 -03

Trump é uma das inspirações do vilão de 'Mulher Maravilha 1984', diz diretora

Patty Jenkins conta que Maxwell Lord é um pastiche de empresários inescrupulosos dos anos 1980.

Normalmente, uma sequência de filme tenta tornar seus vilões maiores e mais malvados. Então, para onde vai Mulher Maravilha depois de Ares, também conhecido como o Deus da Guerra? Aparentemente, ao ex-astro do reality show e atual presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

Jornalistas usaram seus próprios lassos da verdade durante visitas ao set de Mulher Maravilha 1984, relatando que Trump é de fato uma inspiração para o vilão e empresário gorduroso de Pedro Pascal, Maxwell Lord.

De acordo com o Collider, você pode esperar “paralelos” entre Trump e Lord, que é descrito pela produtora associada Anna Obropta como um “empresário desesperado, obcecado por si mesmo e fraudulento que dirige um negócio que vende o sonho americano”.

Warner Bros. and MANDEL NGAN/AFP via Getty Images
Pedro Pascal vs. Donald Trump: Quem se veste melhor?

A figurinista Lindy Hemming supostamente discutiu Trump enquanto explicava os esboços das roupas de negócios de Lord, dizendo: “Há algo sobre o período de Donald Trump e ser um homem de negócios, de ser um pouco desleixado, e um pouco pateta.”

Embora a diretora Patty Jenkins tenha confirmado que, sim, Trump é uma inspiração para o personagem de Pascal, ele é um entre muitos. Ela também fez questão de observar que o filme não está fazendo uma declaração política:

Eu não quero ser política, não é sobre [ser] político. Na verdade, uma grande influência desse filme também foi [o fraudador condenado Bernie] Madoff. O que eu estava olhando era... a história do jovem Madoff me fascina, porque eu fico tipo, ‘Como você acaba sendo Bernie Madoff?’ E quando você realmente começa a rastrear essa história, é como se tudo começou em uma maneira que fazia sentido. E então, é como se você se tornasse um cara malvado quando nem mesmo percebe o que está acontecendo.

O objetivo do personagem é vender excesso, explicou a diretora.

“Então, sim, Trump é definitivamente uma das pessoas que olhamos, mas é qualquer um daqueles tipos de sucesso empresarial que foi grande nos anos 80 [e] que passaram a ser grandes jogadores em nosso mundo de outras maneiras potencialmente questionáveis”, Disse Jenkins.

A ex-Mulher Maravilha Lynda Carter tocou Trump na vida real. O tempo dirá como a Mulher Maravilha de Gal Gadot lida com ele no filme.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost