ENTRETENIMENTO
13/06/2019 07:27 -03

Instituto Moreira Salles apresenta retrospectiva do 'Hitchcock francês'

Mostra exibe clássicos de Henri-Georges Clouzot e filmes sobre o cineasta durante o mês de junho em São Paulo e no Rio de Janeiro.

HuffPost Brasil
Cena de O Salário do Medo, filme que ganhou a Palma de Ouro de Cannes e o Urso de Ouro do festival de Berlim em 1953.

Apelidado de “Hitchcock francês”, o cineasta Henri-Georges Clouzot (1907-1977) será homenageado com uma mostra nas sedes do Instituto Moreira Salles (IMS) de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na capital paulista, a retrospectiva acontece de 13 a 21 de junho, e no Rio, entre os dias 20 e 26 de junho.

A seleção inclui 5 filmes do diretor, em cópias restauradas, como: O Assassino Mora no 21 (1942), O Salário do Medo (1953), As Diabólicas (1954), O Mistério de Picasso (1955) e A Verdade (1960). Também serão projetados dois filmes sobre a obra do cineasta: O Escândalo Clouzot (2017), de Pierre-Henri Gibert, e O Inferno de Henri-Georges Clouzot (2009), de Serge Bromberg e Ruxandra Medrea. 

“Premiado em diversos festivais e responsável por alguns dos maiores sucessos de bilheteria da França, ele era um cineasta que trabalhava quase exclusivamente dentro dos estreitos limites colocados pelo thriller”, diz o escritor Ismar Tirelli Neto em texto publicado na edição de junho da revista de cinema do IMS.

Entre os títulos exibidos, destaque para dois dos maiores clássicos do cinema mundial: O Salário do medo e As Diabólicas. No primeiro, Clouzot cria uma atmosfera de constante tensão ao narrar a jornada de quatro imigrantes europeus que precisam transportar dois caminhões carregados de nitroglicerina em um vilarejo da América Central. O longa venceu nada mais, nada menos que a Palma de Outro de Cannes e o Urso de Ouro do festival de Berlim, ambos em 1953.

Já o segundo é reconhecidamente um dos maiores (e mais influentes) thrillers já feitos. Nele, uma mulher não aguenta mais seu marido sádico, e pede ajuda para a amante dele para matá-lo. Uma curiosidade é o recado que o próprio Clouzot dá ao final do filme, já naquela época preocupado com spoilers: “Não sejam diabólicos, não destruam o interesse que seus amigos possam ter neste filme”. As Diabólicas venceu o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro do Sindicato dos Críticos de Nova York em 1955.

Além dos filmes de Clouzot, a mostra exibe dois filmes que analisam aspectos da obra do cineasta francês. O Escândalo Clouzot aborda a controversa trajetória do artista, incluindo seu envolvimento, no começo de sua carreira, com a produtora Continental, chefiada por oficiais nazistas durante a Ocupação da França.

Já em O Inferno de Henri-Georges Clouzot, os diretores Serge Bromberg e Ruxandra Medrea recuperam os materiais filmados de L´enfer, projeto original de grande orçamento, que o cineasta nunca finalizou.

Veja a programação completa da mostra no site do IMS Paulista e IMS Rio.

Serviço

Os filmes de Henri-Georges Clouzot

Local: IMS Paulista (Av. Paulista, 2424, Consolação).
Data: 13 a 21 de junho.
Ingressos: R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).

Local: IMS Rio (R. Marquês de São Vicente, 476, Gávea)
Data: 20 a 26 de junho
Ingressos: R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).