ENTRETENIMENTO
22/07/2019 18:22 -03 | Atualizado 23/07/2019 16:43 -03

Mostra com centenas de imagens clicadas por Claudia Andujar chega ao IMS do Rio

Exposição narra a história da luta da fotógrafa de origem suíça para proteger os índios Yanomami.

Divulgação
“Estou ligada ao índio, à terra, à luta primária", diz a fotógrafa Claudia Andujar no belo catálogo da exposição.

Após uma temporada no Instituto Moreira Salles (IMS) de São Paulo, a mostra Claudia Andujar – A luta Yanomami chega à unidade do Rio de Janeiro. A exposição reúne centenas de fotografias, desenhos, uma instalação audiovisual, além de livros e documentos da fotógrafa nascida na Suíça que se transformou em uma das vozes mais ativas na luta pelos direitos dos povos indígenas no Brasil.

Com curadoria de Thyago Nogueira, a exposição traz centenas de fotografias, desenhos, uma instalação audiovisual, livros e documentos que traçam um panorama da dedicação de Andujar aos Yanomami.

Claudia Andujar (1931) cresceu na região da Transilvânia, de onde escapou para a Suíça durante a Segunda Guerra Mundial. Sua família paterna, de origem judaica, foi morta nos campos de concentração de Auschwitz e Dachau.

Ela emigrou da Suíça para os Estados Unidos e depois para o Brasil, em 1955. Aqui, começou a fotografar. Em 1971, aos 40 anos, registrou os Yanomami pela primeira vez para a revista Realidade. O encontro mudou a vida dela, que voltou inúmeras vezes ao território da tribo para documentar aquela cultura ainda desconhecida de boa parte dos brasileiros.

“Estou ligada ao índio, à terra, à luta primária. Tudo isso me comove profundamente. Tudo parece essencial. Talvez sempre procurei a resposta à razão da vida nessa essencialidade. E fui levada para lá, na mata amazônica, por isso. Foi instintivo. À procura de me encontrar”, conta a artista em texto publicado no catálogo da mostra.

Em dezembro, a exposição segue para a Fundação Cartier de Arte Contemporânea, em Paris.

Serviço

Claudia Andujar – A luta Yanomami

Local: IMS Rio (R. Marquês de São Vicente, 476, Gávea).
Data: De 20 de julho a 10 de novembro.
Horário: De terça a domingo e feriados, das 11h às 20h.
Ingressos: Entrada gratuita.