NOTÍCIAS
11/02/2019 14:12 -02 | Atualizado 11/02/2019 17:41 -02

Morre Ricardo Boechat, aos 66 anos, em queda de helicóptero em São Paulo

“Infelizmente, essa é a notícia. (...) É uma dor tão profunda que é difícil de explicar em palavras”, lamentou José Datena.

Galeria de Fotos Ricardo Boechat morre aos 66 anos, em acidente de helicóptero Veja Fotos

Morreu nesta segunda-feira (11) o jornalista Ricardo Boechat, aos 66 anos. Ele estava no helicóptero que caiu no Rodoanel em São Paulo no fim da manhã.

De acordo com o apresentador José Luiz Datena, o colega tinha ido para uma palestra em Campinas, mas a aeronave se desestabilizou e atingiu um caminhão quando ele retornava para a sede da Band. Também morreu o piloto Ronaldo Quattrucci.

“Infelizmente, essa é a notícia. Infelizmente, nós vamos tomar conhecimento de tudo que aconteceu no decorrer do dia”, afirmou Datena, na Band.

Emocionado, o apresentador destacou o profissionalismo de Boechat e o carinho que as pessoas nutriam por ele. “Ele não era benquisto só por vocês que acompanham o jornalismo da Band, era amado pelas pessoas aqui internamente. Eu, que não sou de fazer muitas amizades, admirava a forma como ele tratava as pessoas e era tratado.”

Datena continuou:

“Confio muito nos desígnios de Deus, mas em um momento como esse a gente se pergunta se essa é a forma, porque pessoas como ele não morrem jamais, deixam sua obra, sua independência, amizade.”

Com a voz embargada, o apresentador lamentou o ocorrido. “É muito triste dar essa notícia, infelizmente. Que ele descanse em paz.”

No Twitter, a Rádio BandNews confirmou a morte do âncora “com profunda tristeza e consternação”.

Após o anúncio da morte do jornalista, o site da Band e a Band News FM ficaram fora do ar. Em nota, a rádio afirmou que voltaria ao ar às 15h, “em respeito à memória do próprio Boechat”. “Temos a obrigação, emocional e jornalística, de reportar o falecimento do nosso amigo.”

Acidente

Em uma tentativa de pouso no Rodoanel, o helicóptero chocou com um caminhão, que tinha acabado de passar pelo pedágio e estava em baixa velocidade. O motorista do caminhão, João Francisco Tomanckeves, teve ferimentos leves. À polícia, de acordo com o Estadão, ele relatou que quando viu a aeronave não teve tempo para frear ou desviar.

O helicóptero era um modelo Bell Jet Ranger, prefixo PT-HPG, de 1975. O piloto, que morreu no acidente, era sócio-proprietário da empresa à qual o Bell Jet está registrado. Em nota, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) informou que o helicóptero estava em situação regular, com os documentos válidos. O Certificado de Aeronavegabilidade (CA) é válido até maio de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) até maio de 2019.

As investigações estão sob responsabilidade do  4º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica. Ainda não se sabe o que levou ao pouso forçado.

Homenagens

A esposa do jornalista, Veruska Boechat resumiu a dor: “Pior dia da minha vida”.

Visualizar esta foto no Instagram.

Pior dia da minha vida.💔

Uma publicação compartilhada por Veruska Seibel Boechat (@doceveruska) em

 Amigo de Boechat, José Simão que costumava se divertir com o jornalista nas manhãs também homenageou o parceiro.

Em nota, a Presidência da República expressou “pesar e condolências”. “O País perde um dos principais profissionais da imprensa brasileira. Sentiremos a falta de seu destacado trabalho na informação da população, tendo exercido sua atividade por mais de quatro décadas com dedicação e zelo.”

No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro prestou solidariedade à família. 

As redes sociais encheram de carinho por Boechat, com mensagens de autoridades, políticos, jornalistas, além de ouvintes e telespectadores.

Em nota, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, também lamentou a morte do jornalista. “A imprensa e a sociedade brasileira estão em luto pela perda desse excelente profissional que com dinamismo e versatilidade levava a notícia aos públicos mais diversos, seja para quem o lia na coluna da revista IstoÉ, seja para quem o ouvia na rádio ou o assistia nos telejornais da Band.”

Assista ao último programa apresentado por Boechat.