POLÍTICA
08/07/2019 13:25 -03 | Atualizado 08/07/2019 14:35 -03

Em meio à crise da 'Vaza Jato', Moro sairá de licença para tratar de assuntos particulares

O ministro passará 5 dias “com a família” e retorna ao posto dia 22, segunda-feira.

Adriano Machado / Reuters
Moro recebeu a autorização do presidente Jair Bolsonaro para tirar uma licença não remunerada durante cinco dias. 

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, irá se afastar do cargo por uma semana, entre os dias 15 e 19 deste mês, em uma licença não remunerada, informou a assessoria da pasta, para “tratar de assuntos particulares”. Neste período, assume o comando da pasta o secretário executivo Luiz Pontel.

Sem ter direito à férias remuneradas porque começou a trabalhar no cargo apenas em janeiro deste ano, Moro recebeu a autorização do presidente Jair Bolsonaro para tirar uma licença não remunerada durante o período. Segundo sua assessoria, o ministro passará esses dias “com a família” e retorna ao posto dia 22, segunda-feira. 

O afastamento do ministro se dá em meio à crise gerada pela publicação de supostas conversas e trocas de mensagens de Moro com a força-tarefa de procuradores da operação Lava Jato, mostrando que o ministro teria chegado a orientar a atuação dos procuradores em algumas situações.

Uma fonte informou ao Estadão, no entanto, que a licença já estava prevista antes de o ministro assumir o cargo e não tem a ver com a crise. 

Os textos, revelados inicialmente pelo site Intercept Brasil e atualmente divididos também pelo jornal Folha de S.Paulo e pela revista Veja, estão sendo chamados de “Vaza Jato” e tem levado a questionamentos sobre a atuação do ex-juiz nos casos.

Tanto o ministro quanto a força-tarefa da Lava Jato alegam que não têm como verificar a autenticidade das mensagens divulgadas pelas reportagens. Além disso, Moro tem dito que, apesar de não reconhecer a autenticidade de suas supostas declarações, não vê nelas irregularidades.