LGBT
25/04/2019 21:19 -03

Comercial 'Meu primeiro sutiã' inspira campanha com protagonista transexual

Iniciativa da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) visa conscientizar sobre preconceito e violência.

Reprodução/Vimeo
Para recriar a perspectiva, a Antra, junto com a Madre Mia, se baseou na história real de sua protagonista: Ludmilla Galvan, que ganhou seu 1º sutiã aos 12 anos.

Em 1987, o publicitário Washington Olivetto criou o comercial “Meu Primeiro Sutiã”, para a marca de lingerie Valisère. Com o slogan “o primeiro Valisére a gente nunca esquece”, o comercial que retratava a percepção de uma adolescente sobre as mudanças em seu corpo fez história na publicidade.

32 anos depois, o comercial se transformou em campanha que não só faz uma menção direta ao clássico ― que ganhou Leão de Ouro no Festival de Cannes à época ― mas expõe o cenário de violência e exclusão a que crianças e jovens transexuais são submetidas na escola e dentro da própria casa.

Produzida pela Madre Mia Filmes, a campanha, protagonizada pela argentina Ludmilla Galvan, que é uma menina trans, foi encomendada pela Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais), que desenvolve estudos e pesquisas sobre número de assassinatos de pessoas transexuais no Brasil.

Assista ao vídeo abaixo:

 

Para recriar a perspectiva, a Antra, junto com a Madre Mia, se baseou na história real de sua protagonista. Inicialmente identificada como Hugo Calvan, aos dez anos de idade ela conquistou o direito de alterar seu nome de batismo para Ludmila em seus documentos e, aos 12, ganhou seu primeiro sutiã.

Segundo a associação, a campanha tem a intenção de “conscientizar sobre a violência e preconceito contra as pessoas trans. Especialmente contra crianças e adolescentes em seus ambientes intrafamiliares”. Até o momento, o vídeo será veiculado na internet e TV, segundo o Meio e Mensagem.

Reprodução/Vimeo
Campanha expõe o cenário de violência e exclusão a que crianças e jovens transexuais são submetidas na escola e dentro da própria casa.

De acordo com dados do levantamento mais recente da Antra, feito em conjunto com o IBTE (Instituto Brasileiro Trans de Educação), 163 pessoas trans foram assassinadas no Brasil em 2018. Com a ausência de dados oficiais e políticas públicas, o relatório se apoia em denúncias e notícias de jornais.

No vídeo, a história de Ludmilla é guiada pela dificuldade de seu pai, que é viúvo, compreender seu universo. Enquanto isso ela, uma jovem transexual, está se conhecendo como mulher e sofre preconceito dentro da escola.

Reprodução/YouTube
Cena do comercial da Valisère, protagonizado pela atriz Patrícia Lucchesi, em 1987 e dirigido por Washington Olivetto.

Ao final do vídeo, a Ludmilla “real” aparece ao lado de sua mãe, e diz: “Sejam o que quiserem ser. Sejam livres. Não se escondam. Se gosta de ser algo, seja”. A protagonista, na vida real, é filha de pais separados e mora com a mãe.

Também no HuffPost Brasil:
Galeria de Fotos 10 momentos históricos da luta LGBT Veja Fotos