COMPORTAMENTO
13/01/2020 03:00 -03 | Atualizado 13/01/2020 15:33 -03

6 coisas que você deveria deixar para trás se ser quiser mais feliz

Os pensamentos e comportamentos tóxicos que você deveria deixar de lado – e como fazê-lo.

A maioria das pessoas começa um novo ano com várias resoluções que têm a ver com hábitos novos e saudáveis (mas isso nem sempre funciona). Às vezes é melhor deixar certas coisas para trás, e não adicionar algo novo em nossas vidas.

“O ano novo é sempre uma oportunidade de mudanças, mas o peso do passado muitas vezes nos impede de agir”, diz Olecia Christie, coach e dona da Optix Communications. Ela afirma que é importante identificar e livrar-se das coisas que não nos ajudam a crescer e a ser mais felizes.

Com isso em mente, eis algumas coisas que você pode deixar para trás no ano que está começando, segundo Christie e outros especialistas:

Comparar sua vida com a dos outros no Instagram

Carlina Teteris via Getty Images

Nesta era das redes sociais, parece que todo mundo leva a vida perfeita – menos você. Ibiny Osibodu-Onyali, terapeuta de casais da Zinnia Practice, diz que temos de nos lembrar constantemente que as redes sociais são feitas de “melhores momentos”. Comparar sua vida cotidiana com uma única foto, que captura um momento perfeito, não faz sentido.

Em vez disso, sugere Osibodu-Onyali, tente se conectar com as pessoas que você admira.

“Em vez de passar tantas horas por semana rolando a timeline do Instagram, tente se conectar com as pessoas que você admira. Mande uma mensagem direta, peça conselhos, mentoria”, afirma ela. “Você vai ficar surpreso com a quantidade de amigos que vai fazer só por tentar esses tipo de contato, em vez de ficar olhando com inveja [para a vida dos outros].”

Deixar que o medo te impeça de fazer as coisas

Anthony Freire, diretor clínico e fundador do The Soho Center for Mental Health Counseling, diz que é preciso jogar os holofotes no medo, na vergonha e na culpa para podermos nos livrar deles.

“Quando estiver no leito de morte você não vai querer se arrepender de não ter feito tudo o que gostaria, especialmente se o motivo for medo, vergonha ou culpa”, diz Freire. “São sentimentos problemáticos, porque foi você mesmo que disse que deveria sentir-se assim.”

Preocupar-se com coisas além do seu controle

Westend61 via Getty Images

Imaginar uma vida sem preocupações ou estresse não é nada realista – esses sentimentos são parte da vida. Mas dá para tentar se concentrar nos pontos que estão ao seu alcance.

“Foque sua energia nas coisas que você pode mudar. Quando tiver uma lista de preocupações, escreva o que está a seu alcance e o que está fora do seu controle. Não é fácil aprender a fazer isso, mas, quando você tiver prática, vai perceber que suas preocupações diminuirão muito”, explica Osibodu-Onyali.

Falar é fácil, claro. Se você não consegue controlar a preocupação excessiva – especialmente em relação às coisas fora do seu controle, talvez seja o caso de buscar ajuda profissional. Pode ser sinal de transtorno de ansiedade, um dos problemas mais comuns quando se fala de saúde mental.

Guardar rancores e ressentimentos

Pesquisas apontam que guardar rancores ou ressentimentos por mais tempo que o necessário pode ser tóxico para sua saúde mental e física. Este é o momento perfeito para livrar-se daquela “bagagem”, seja lidando com relacionamentos que desandaram ou abrindo mão daqueles que simplesmente não têm mais salvação, afirma Osibodu-Onyali.

Isso não se aplica às pessoas que te magoaram demais, mas pode ser útil no caso de pessoas das quais você se afastou por não considerá-las parte de uma vida saudável. Você pode decidir se quer tentar reatar os laços ou simplesmente deixá-las para trás. 

“Dizer adeus a um relacionamento pode ser difícil, mas também pode ser muito libertador”, afirma Osibodu-Onyali.

Preocupar-se com o que os outros pensam de você

Thomas Barwick via Getty Images

O que as outras pessoas pensam de você não é da sua conta. O  importante é saber quais são seus valores e basear-se neles, para que você não seja influenciado pelos pensamentos dos outros. Osibodu-Onyali diz que muitas vezes provoca seus clientes, perguntando: “E daí se eles não gostam de você? O que isso quer dizer? O que vai acontecer?” Em geral, afirma ela, a resposta é: “nada”.

“A verdade é que o mundo não vai acabar. Você não precisa ser amado por todos”, diz Osibodu-Onyali. “Mantenha-se próximo das pessoas que te apoiam, que te amam e te respeitam. Não perca tempo se preocupando com as pessoas que não te entendem. E tudo bem. Não dá para fazer parte de todos os grupos.”

Querer estar certo em todos os conflitos

Todo mundo se esforça para ganhar discussões, mas às vezes o estresse não compensa. Freire afirma que abandonar essa necessidade de vencer libera “uma energia enorme, porque as pessoas tendem a querer estar certas”.

“Quantas vezes brigamos só porque queremos estar certos?”, afirma Freire. “Dizemos coisas que não podemos voltar atrás, depois pedimos desculpas, pensando ‘passei da conta’ ou ‘brigamos por algo tão idiota’. Às vezes nem sequer nos lembramos por que começou a briga. As coisas triviais que nos incomodam muitas vezes são apenas manifestações de problemas subjacentes maiores.”

Essas interações geralmente podem levar a “um diálogo interior negativo, pois analisamos demais a situação e nos estressamos com o impacto da interação”, afirma a assistente social Elise Hall. 

Em vez disso, tente encarar as discussões como um problema a ser resolvido (especialistas dizem que uma frase é especialmente útil nas discussões com parceiros). Isso pode ajudá-lo a deixar de lado a necessidade de estar certo e a concentrar-se na solução.

Tudo isso pode ser complicado ― mas também valer a pena – se sua vida ficar só um pouquinho mais feliz.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.