POLÍTICA
18/01/2019 10:25 -02

Os memes que desafiam a decisão do STF de suspender a investigação de Queiroz

“Com licença STF, vocês poderiam parar a investigação do meu amigo Queiroz?”

Filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) teve o pedido para suspender a investigação do caso que envolve seu ex-assessor, Fabrício Queiroz, aceito pelo STF (Supremo Tribunal Federal). A decisão acendeu os motores da indústria brasileira de memes que criou algumas pérolas para deixar claro a surpresa que a liminar causou.

A decisão é controversa por esbarrar no precedente que o próprio STF definiu para casos como esse. Flávio argumenta que, por ter foro privilegiado, o Supremo deveria avaliar em qual instância a investigação deve ocorrer. A corte, entretanto, estabeleceu no ano passado que o foro vale apenas para crimes cometidos no mandato e em razão do exercício do cargo — o que não é o caso.

A investigação que cita Flávio é referente a movimentação financeira suspeita ocorrida entre 20016 e 2017. De acordo com o Coaf, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão, valor incompatível com a sua renda na época.

O caso está suspenso até o retorno do recesso do Judiciário, em 1º de fevereiro, e está nas mãos do ministro Marco Aurélio Mello. Ao G1, o ministro Luiz Fux, autor da liminar que paralisou o processo, afirmou que as provas poderiam ser consideradas ilegais se ele não tivesse tomado a decisão de enviar o caso para a mesa do relator. Flávio alega que foi citado depois que de ter sido diplomado senador e, neste caso, caberia ao STF definir os rumos da apuração sobre a suspeita de crime.

A justificativa, entretanto, não colou para a indústria de memes. Claro que a estrela do momento foi escalada para participar dessa produção.

Estaríamos diante um novo filme?

Os produtores questionam se seria essa uma nova releitura de Birdbox, da Netflix.

Outro ingrediente que fomentou o trabalho dos produtores de memes foi um vídeo publicado por Jair Bolsonaro e o filho Flávio com declarações contra a prerrogativa de foro.

Eu não quero essa porcaria de foro privilegiadoJair Bolsonaro, ao lado do filho Flávio

Mas pera aí…

Para completar, foi lembrado que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também já tinha se pronunciado contra a imunidade. 

No Twitter, ficou a pergunta: