COMPORTAMENTO
28/03/2019 01:00 -03

A tradição dos nascimentos na realeza britânica - e como eles mudaram ao longo do tempo

Quem não ama um bebê real?

Desde 1950, multidões se aglomeram para receber notícias do nascimento dos membros da realiza. Foi assim com a Princesa Anne e também será com Meghan Markle e Príncipe Harry, que, aliás, devem receber o seu primeiro filho nas próximas semanas. 

Príncipes e princesas despertam curiosidade. Mas você sabe quais são as tradições para os nascimentos na realeza?

Os bebês originalmente nasciam em residências reais - como os ávidos espectadores de The Crown saberão.

A Rainha Elizabeth II, por exemplo, nasceu na casa de seus avós maternos em Mayfair - e quando ela estava pronta para começar uma família, os seus filhos nasceram no Palácio de Buckingham.

Pode-se dizer que a regra era um parto em casa, mas com todos os detalhes pensados para servir uma rainha. 

PA Images via Getty Images
Rainha Elizabeth

As mamães da realeza tinham ajuda de médicos e doulas durante o nascimento, e verdadeiras enfermarias de maternidade eram improvisadas no palácio.

A rainha Elizabeth deu à luz os Príncipes Charles, Andrew e Edward na chamada Suíte Belga, de acordo com o Telegraph, que havia sido “especialmente convertido em uma maternidade temporária com esse propósito”.

Antes de o Príncipe Charles nascer em 1948, os nascimentos reais costumavam exigir uma testemunha - assim, um secretário do parlamento britânico comparecia para “verificar” o evento. Esta tradição foi abandonada quando a Rainha solicitou maior privacidade para as mulheres que estavam em trabalho de parto.

Já o nascimento de seu segundo filho, a princesa Anne, aconteceu na Clarence House, onde a família real viveu entre 1949 e 1953, enquanto o Palácio de Buckingham era reformado após sofrer danos durante a Segunda Guerra Mundial. 

Nessa época, o interesse público pelos nascimentos era enorme - em 12 de agosto de 1950, os simpatizantes da realeza faziam filas do lado de fora da Clarence House, em Londres, para aguardar a notícia.

Keystone via Getty Images

Os nascimentos reais eram anunciados através de um aviso público exposto fora do Palácio de Buckingham ou da residência real em que a criança nasceu. 

De tempos em tempos, o quadro era atualizado com informações sobre a mãe e o bebê. A placa registrada na foto abaixo, publicada depois que o príncipe Charles nasceu, diz: “Sua Alteza Real, a princesa Elizabeth, teve uma boa noite e está fazendo um progresso satisfatório. A criança continua bem.”

PA Images via Getty Images

Foi a princesa Anne que quebrou a tradição.

Anne foi a primeira da realeza a dar à luz no Hospital St Mary em Londres. Foi nessa maternidade que seus filhos nasceram: Peter, em 1977, e Zara, em 1981.

Após a presença da família real, a maternidade do hospital privado agora custa cerca de £ 5.000 por noite, e é considerada uma das mais exclusivas maternidades do Reino Unido. Essa mudança de tradição trouxe um novo momento-chave nos nascimentos reais: o momento em que o bebê é apresentado às multidões nas escadarias do hospital.

Então, por que houve a mudança?

De acordo com o especialista na família real Richard Fitzwilliams, os palácios carregavam uma ideia de afastamento.

Ele disse que os nascimentos reais também passaram a ser organizados pensando na “oportunidade fotográfica”, que espalharia a notícia por todo o mundo.

“Não há dúvida de que a maternidade do St Mary é o cenário perfeito para uma oportunidade fotográfica do bebê com seus pais”, diz ele ao HuffPost UK.

“Quando uma mulher da realeza dá à luz, isso é um evento global”.

PA Images via Getty Images

O momento em que um membro da realeza aparecia com o novo bebê se tornou um momento de celebração - e criou algumas imagens icônicas.

Na década de 1970, a doula que ajudou a princesa Anne, Delphine Stephens, levou o pequeno Peter Phillips de apenas 2 dias em seu colo quando deixaram o hospital. Essa foi a primeira aparição do príncipe. 

PA Images via Getty Images

Quatro anos depois, em 1981, a princesa Anne carregou Zara, de três dias de idade, após sair da maternidade.

PA Images via Getty Images

Uma das fotos mais famosas é a de 22 de junho de 1982, quando a princesa Diana surgiu com o pequeno príncipe William, que estava envolto em um cobertor branco e sendo segurado por seu pai, o príncipe Charles.

David Levenson via Getty Images

Dois anos depois, em 15 de setembro, o príncipe Harry nasceu na mesma maternidade, e o momento também foi registrado.

A princesa Diana aparecia com um cabelo perfeito e vestindo um terno vermelho, que depois foi reproduzido por Kate Middleton.

John Shelley Collection/Avalon via Getty Images

Nos últimos anos, a duquesa de Cambridge também ficou de pé naqueles mesmos degraus para marcar a chegada do príncipe George, da princesa Charlotte e do príncipe Louis - o bebê sempre estava envolto em um cobertor branco, a multidão aplaudia e um carro estava aguardando que eles entrassem.

Zak Hussein via Getty Images

Apesar de agora a realeza viver na era das mídias sociais - o anúncio de que Charlotte nasceu foi feito via Twitter - , mas o especialista Fitzwilliams diz que a tradição de postar notícias sobre o novo bebê real em um cavalete no pátio do Palácio de Buckingham foi continuada.

KGC-22/STAR MAX/IPx

A pergunta é se Meghan Markle vai seguir a tradição. A equipe da maternidade do St. Mary informou que ninguém poderia tirar férias durante os próximos dias, segundo o Telegraph, e isso provocou rumores de que Markle planeja ter seu bebê lá.

“Eles foram solicitados a não tirar férias no mês de abril”, disse uma fonte à publicação. “Todo mundo acha que tem algo a ver com o bebê real, mas nada está confirmado.”

No entanto, Meghan e Harry estão prestes a se mudar para sua nova casa, a Frogmore Cottage, em Windsor, que fica a cerca de 32 quilômetros do Palácio de Kensington. E, de acordo com alguns relatos, isso torna improvável que Meghan viaje de volta a Londres só para dar à luz.

Por isso, circularam rumores de que a duquesa de Sussex vai dar à luz no Hospital Frimley Park, em Surrey. 

Karwai Tang via Getty Images

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês