COMPORTAMENTO
12/11/2019 17:27 -03

Investimento que vira medalhas: o primeiro ano da BV no esporte

No esporte, às vezes, uma única temporada é suficiente para mudar a sorte de um time ou de um atleta. No caso da BV, um ano foi o suficiente para transformar milhares de vidas.

Galeria de Fotos Investimento que vira medalhas: o primeiro ano da BV no esporte Veja Fotos

Em apenas um ano, a BV já ajudou na criação ou ampliação de seis iniciativas que promovem inclusão social por meio do esporte. A participação varia de patrocínios até ao apoio em todos os estágios de desenvolvimento das iniciativas. Confira alguns dos resultados:

Novas iniciativas surgem para transformar vidas

Tirar um projeto do papel não é tarefa fácil. Por isso, o ídolo do vôlei Serginho Escadinha contou com a assessoria da BV para planejar, construir e administrar o Instituto Serginho 10. Inaugurado em maio em Guarulhos, na Grande São Paulo, o projeto já atende a 325 alunos, que têm de 7 a mais de 50 anos.

Segundo Marlon Santos, filho de Serginho e seu braço direito, já está prevista uma ampliação — que vai dobrar a carga horária oferecida. Além disso, a renovação trará benefícios para além das quadras. “Vamos colocar semanalmente aulas de matemática, português e reforço escolar em uma nova sala de estudos”, adianta Marlon.

Outro exemplo que nasceu com o apoio da BV em 2019 é o M4 nas Escolas, projeto do astro da seleção brasileira de basquete, Marcelinho Machado. Desde que se aposentou, Marcelinho decidiu continuar se dedicando ao esporte, mas, dessa vez, usando-o como forma de transformação social.

As aulas começaram em fevereiro em duas escolas públicas cariocas e já contam com 118 alunos — número que vai aumentar em 2020. Por meio do projeto, os jovens aprendem os fundamentos do basquete e também participam de aulas psicossociais toda semana. O objetivo é formar cidadãos conscientes e que podem sonhar com um futuro melhor.

Casos de sucesso ganham ainda mais força

Comandado pelo ex-técnico da seleção brasileira de tênis, Mauro Menezes, o Instituto Próxima Geração nasceu em 2018 com a missão de usar o esporte como forma de abrir portas para que jovens carentes pudessem ter uma vida melhor.

Apoiado pela BV desde o início, o projeto começou com 69 alunos. O sucesso foi tamanho que hoje já são 110 crianças participando das aulas, além dos cursos de capacitação para uma carreira no esporte, preparação física, acompanhamento e reforço nutricional, acompanhamento escolar e psicológico, fisioterapia e até aulas de inglês. A meta agora é levar toda essa qualidade de vida para até 200 crianças.

Ao todo, foram 2.330 ações realizadas com a garotada, e tanto esforço está rendendo inúmeros benefícios. No início do programa, 55% dos alunos tinham um índice de massa corporal fora da faixa ideal. Hoje, essa taxa caiu para 21%.

Já na escola, 70% das turmas melhoraram as notas e demonstraram melhor comportamento. Nas quadras, foram 224 jogos disputados em 68 torneios — e 52 títulos conquistados. E as chances de outras boas notícias só aumentam, como conta o coordenador Douglas Santana. “Atualmente, temos três atletas liderando o ranking paulista nas suas respectivas categorias e ainda temos um atleta convocado para defender o Brasil no encontro internacional de tênis, em dezembro”, comemora.

Outro exemplo de projeto que usou o apoio da BV para ampliar fronteiras é o Instituto Reação. Idealizado pelo ex-judoca e medalhista olímpico Flávio Canto, o Reação abriu seu primeiro polo fora do Rio de Janeiro com ajuda da BV. A chegada em Cuiabá foi uma parceria com o projeto do campeão pan-americano David Moura. Agora, são nove polos, atendendo a 1.887 alunos.

A BV ainda está colaborando para a construção de novas instalações, como lembra David. “A gente está construindo uma grande estrutura para atender à criançada e, graças à BV, isso está sendo possível. Somos muito gratos e acho que uma empresa tão bem-sucedida dar esse exemplo pode influenciar outras grandes empresas a fazer isso em outros lugares”, elogia.

Além das aulas para as crianças das comunidades carentes cariocas e cuiabanas, o Reação oferece oficinas pedagógicas e reforço escolar, inclusive com bolsas de estudo em colégios particulares. As famílias fazem meditação e as mães dos alunos recebem cursos de empoderamento feminino. Como antecipa a coordenadora de comunicação, Alice Pereira, um novo programa voltado à empregabilidade deve ser lançado.

Outro destaque do projeto, que é mantido com ajuda da BV, é o Reação Olímpico, que treina judocas de alto rendimento para conquistar medalhas. Em 2019, atletas do Reação conquistaram 446 medalhas em 15 competições nacionais e 22 internacionais.

Expandindo fronteiras

Em um país continental como o Brasil, levar oportunidades para o maior número possível de localidades é essencial para transformar a realidade social por meio do esporte.

Com o apoio da BV, a lenda do skate Bob Burnquist criou o projeto Burnkits. A iniciativa reformou cinco pistas de skate pelo país: quatro da modalidade street em Sapiranga (RS), Rio de Janeiro (RJ), Lauro de Freitas (BA) e Belo Horizonte (MG), e uma da modalidade park em Florianópolis (SC). Inspiradas nas melhores estruturas internacionais, as pistas foram usadas posteriormente como palco das etapas do campeonato STU e hoje são abertas a todos.

Outro projeto de alcance nacional é o Instituto Esporte & Educação, da ex-jogadora da seleção de vôlei, Ana Moser. Com 18 núcleos esportivos socioeducativos em São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco, o IEE já percorreu o Brasil em seus 18 anos de história, atendendo a mais de 3 milhões de crianças e jovens. O apoio da BV permitiu que dois destes núcleos fossem mantidos em São Paulo, oferecendo atividades esportivas a 952 alunos entre 4 e 18 anos.

Investindo nos grandes talentos

Só há resultado no esporte de alta performance se os atletas puderem se dedicar exclusivamente aos treinos e competições. No skate, a BV é um dos principais apoiadores dos jovens atletas—e os resultados vieram rápido.

Kelvin Hoefler, ídolo da seleção brasileira de skate, categoria street, participou de 10 eventos neste ano e chegou à final em todos. Só em 2019, foram duas medalhas de prata, uma de bronze e a quarta colocação do ranking mundial. Já Murilo Peres, outra estrela apoiada pela BV, levou o campeonato brasileiro de park em 2019, vencendo as três etapas que disputou e chegando o 13º lugar no ranking mundial, já de olho em uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Quem também está voando nas pistas é Rayssa Leal. A menina, que despontou no mundo do skate aos sete anos, se tornou a mais jovem campeã da Street League Skateboarding (SLS), a liga mundial da modalidade de skate street, vencendo a etapa de Los Angeles, além do quarto lugar na edição de Minneapolis dos X-Games. Sua colega de seleção, Yndiara Asp, também fez bonito em São Paulo e Montreal, conquistando as etapas locais do Circuito Internacional de Park.

Outras modalidades

Davi Moura, além de colaborar com o sucesso do Instituto Reação, levou para casa 7 medalhas em 6 campeonatos disputados neste ano! E o 5º colocado do ranking olímpico quer mais, afinal, em 2020 ele poderá brigar pelo lugar mais alto do pódio no Japão

Por fim, Bia Haddad, promessa do tênis, também fez bonito em 12 torneios do circuito e dois confrontos da Fed Cup. Foram dois títulos ao lado da parceira Luisa Stefani nos torneios ITF de Ilkley e Cagnes-Sur-Mer.