POLÍTICA
23/04/2019 12:30 -03

Vem Pra Rua e Nas Ruas lançam mapa para pressionar parlamentares pela reforma da Previdência

Movimentos sociais de direita repetem estratégia do impeachment com Mapa da Previdência.

Adriano Machado / Reuters
Parlamentares em audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Há 400 deputados indecisos em relação à reforma da Previdência e 81 declaradamente contrários, de acordo com o Mapa da Previdência, lançado nesta terça-feira (23). A iniciativa dos movimentos sociais de direita Vem Pra Rua e Nas Ruas tem o objetivo de virar esses votos com a mesma estratégia que foi usada no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff: a pressão popular.

O mapa traz o perfil dos parlamentares que são contrários, favoráveis e indecisos em relação ao texto na Câmara e na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), onde a proposta tramita no momento. De acordo com a Adelaide Oliveira, uma das coordenadoras do Vem Pra Rua, o mapa acompanhará cada fase da votação. “Passando essa [da CCJ], vamos para a comissão especial e assim por diante”, diz. “Estamos empenhadíssimos”, acrescenta.

Nas informações dos parlamentares constam, entre outros, telefone do gabinete e e-mail para que a população entre em contato com o político e pressione pelo voto. “O Mapa traz todos os contatos e as redes sociais de cada parlamentar, para que o cidadão possa se comunicar diretamente com o parlamentar, levando a ele o sentimento do eleitor, seja apoiando-o, seja criticando sua posição”, diz trecho do texto de lançamento da ferramenta.

Os organizadores explicam que a ideia também é se tornar um instrumento de transparência. “Um site de consulta permanente, traz os dados básicos de cada um, os eventuais processos que estejam sofrendo no STF, com seu status e tramitação, e sua evolução patrimonial; caso o parlamentar já tenha ocupado ou se candidatado a outros cargos públicos, o Mapa mostra também os bens declarados e a votação em cada cidade que o elegeu.”

A reforma da Previdência foi uma das principais bandeiras da campanha de Jair Bolsonaro à Presidência. O texto, entretanto, tem encontrado resistência no Congresso. O governo prevê economia de R$ 1 trilhão com a reforma, mas não explica como chegou a este número.

O mapa destaca que “aprovar uma Nova Previdência é uma questão de justiça. O sistema precisa ser alterado para que as mesmas regras valham para todos”.