MULHERES
01/04/2020 17:05 -03

Manu Gavassi escreve 'carta às princesas' da infância que deturparam a imagem do amor

Participante do BBB20, nas redes sociais, ainda agradeceu a chegada de histórias de personagens como ‘Meridas’ e ‘Moanas’.

Manu Gavassi, 27, de longe, é a participante do Big Brother Brasil 20 que, mesmo confinada, consegue manter uma vida ativa nas redes sociais. Em um dos vídeos publicados nesta semana, ela faz uma carta aberta - e sem homenagens -  às princesas da Disney que mais gostava na infância.

Com ironia e sarcasmo, Manu passa pelos principais contos de fadas popularizados pela Disney nos anos 1990, explorando as problemáticas das protagonistas de A Bela e a Fera, A Pequena Sereia, A Branca de Neve e mais. A cantora, claro, aproveita para agradecer à chegada de ‘Meridas’ e ‘Moanas’ - dos filmes respectivos Valente (2012) e Moana, um mar de aventuras (2018).

 “Muito tempo em isolamento, muito tempo para pensar, muito tempo para entender todas as perturbações sombrias e comportamentos disfuncionais que cabem dentro de mim”, diz a cantora no início do vídeo. “Então, essa é uma uma carta para as princesas da minha infância”. Assista ao video abaixo:

No último domingo (29), a Disney, inclusive, foi um dos temas que atravessou Manu no reality. Felipe Prior - eliminado nesta terça (31), com quase 57% dos votos -, ao indicá-la ao Paredão, disse: “Às vezes eu tenho dúvida se ela está aqui para jogar ou se acha que está na Disney, mas aqui é o ‘Big Brother’”. O episódio rendeu desabafo de Manu no programa e memes nas redes sociais.

A jovem critica o que estas histórias infantis, que foram consumidas por muitas meninas durante a infância, ensinam sobre o amor e busca incondicional por um parceiro masculino durante a vida. Manu começa por Bela, sua personagem preferida e aponta que ela não viveu um romance mas, sim, um sequestro. 

“Bela, querida Bela, minha princesa favorita. Sempre com um livro embaixo do braço e querendo muito mais do que a vida no interior. Você começa essa história sendo promissora, mas aí a gente cresce e entende que o que você viveu não foi um romance, e sim um sequestro”, diz, no vídeo. 

Depois, Ariel. A princesa dos mares renuncia a tudo por um homem “que nem era tudo isso” para “virar uma humana mediana, por conta de um cara nada de mais que você viu de longe na praia. Obrigado por isso, Ariel”, diz Manu. 

Em seguida, é a vez de Branca de Neve. Para Manu, ela exerce o trabalho doméstico e serve de graça a “sete machos”, além de ter sido beijada por um homem desconhecido enquanto dormia. “Branca de Neve: trabalho doméstico para sete machos de graça, beijo de amor verdadeiro de um boy que você nunca nem viu, enquanto você dormia”, diz. 

Mas deu uma chance à Cinderella. “Não preciso mais continuar... Cinderela... A Cinderela tá de boa, porque ela foi escravizada pela própria família”, diz. “Eu também ia tentar fugir para a balada, torcer para alguém achar algum pertence meu perdido e fazer algum tipo de contato e entender que minha situação não estava fácil: envolve exploração, problemas sanitários (com ratos)”. 

Ao final do vídeo, Manu afirma que espera ter sido a última geração de mulheres que foi criada sob um conceito de amor que considera inadequado, e fez elogios à nova geração de “princesas”, como Merida, Moana, Elsa e Anna.

“Bom, depois disso, eu só posso agradecer por Meridas, Moanas, Annas e Elsas, e chegar à conclusão de que pelo menos eu fui a última geração sem amor-próprio e com uma imagem deturpada do amor.”

Leia a carta completa:

Bela, querida Bela, minha princesa favorita. Sempre com um livro embaixo do braço e querendo muito mais do que a vida no interior. Você começa sua história sendo promissora, mas aí a gente cresce e entende que o que você viveu não foi um romance, e sim um sequestros. E lutar tanto pelo afeto de uma pessoa que te trata com tanta grosseria e grunhidos, e que queria matar seu próprio pai, pode parecer amor se você nasceu antes do ano 2000. Mas é só síndrome de Estocolmo. De qualquer maneira eu desejo melhora a você e à Fera.

Ariel, você me mostrou que peixes são fofos, caranguejos são controladores, garfos podem ser usados para pentear os cabelos em emergências, que vale a pena desistir de ser a criatura mais graciosa, mística, bela e poderosa de todos os contos de fadas, para virar uma humana mediana, por conta de um cara nada de mais que você viu uma vez de longe na praia. Obrigado por isso, Ariel.

Branca de Neve. Trabalho doméstico para sete machos de graça, beijo de amor verdadeiro de um boy que você nunca nem viu, enquanto dormia. Eu não preciso mais continuar.

Cinderela. Não, a Cinderela está de boa, porque ela foi escravizada pela própria família. Eu também ia tentar fugir para a balada, torcer para alguém achar algum pertence meu perdido e fazer algum tipo de contato e entender que minha situação não estava fácil: envolve exploração, problemas sanitários (com ratos)... Enfim, Cindy, toda a força aí e admiração pro seu corre.

Bom, depois disso, eu só posso agradecer por Meridas, Moanas, Annas e Elsas, e chegar à conclusão de que pelo menos eu fui a última geração sem amor-próprio e com uma imagem deturpada do amor.