NOTÍCIAS
05/05/2020 21:54 -03 | Atualizado 05/05/2020 21:58 -03

Horas após reconduzir Mantovani à Funarte, Casa Civil anula nomeação

Maestro havia sido nomeado sem consentimento da secretária especial da Cultura, Regina Duarte.

Reprodução/Twitter
Dante Montavani havia sido demitido da presidência da Funarte em março pela secretária Regina Duarte. 

No mesmo dia em que reconduziu o maestro Dante Mantovani para a presidência da Funarte, o governo federal voltou atrás e tornou sem efeito a nomeação. Mantovani, que havia sido demitido pela secretária especial da Cultura, Regina Duarte, em março, chegou a comemorar o retorno ao posto.

Ele publicou o ato de nomeação no Twitter e emendou: “A verdade é que os projetos que desenvolvi - e que agora continuarei a desenvolver na Funarte - são maravilhosos”. Até o momento, ele ainda não se manifestou sobre a demissão.

De acordo com o G1, fontes do Planalto afirmaram que Regina Duarte ligou no início da tarde para o ministro da Casa Civil, Braga Netto, responsável pela nomeação de Mantovani, e pediu uma audiência com o presidente. Ela também teria reclamado da nomeação sem seu consentimento. A previsão é que a secretária almoce com o presidente nesta quarta (6).

Bolsonaro já tornou pública a insatisfação com a secretária. Ele criticou o distanciamento dela, que, em meio à pandemia do coronavírus, estava trabalhando de sua casa, em São Paulo. O presidente também afirmou que a subordinada tem “dificuldade” em lidar com o quadro do antigo ministério que, segundo Bolsonaro, tem “muita gente de esquerda”.

“Infelizmente a Regina está trabalhando pela internet ali e eu quero que ela esteja mais próxima. Uma excelente pessoa, um bom quadro, é também uma secretaria que era ministério, muita gente de esquerda, pregando ideologia de gênero, essas coisas todas que a sociedade, a massa da população não admite e ela tem dificuldade nesse sentido”, disse o presidente.

Ele, contudo, negou que a secretária estaria de saída. “Quem falou que ela sai? Você acredita na imprensa? Eu não acredito”, disse. “Eu queria que ela estivesse em Brasília para conversar mais com ela. Só isso. Mais nada. Eu sou também apaixonado pela namoradinha do Brasil.”

Nesta semana, Regina desembarcou em Brasília. Segundo trechos de conversas obtidas pela revista Crusoé, ao saber da nomeação de Mantovani, a secretária afirmou: “Que loucura isso, que loucura. Eu acho que ele [Bolsonaro] está me dispensando”.

Rock e satanismo

Na manhã desta terça, o maestro reclamou no Twitter que quando foi nomeado pela primeira vez distorceram sua fala em que relaciona o rock ao aborto e ao satanismo. Quando assumiu pela primeira vez a Funarte, em dezembro de 2019, viralizou um vídeo em seu canal no YouTube em que ele, ao falar sobre o festival de Woodstock, disse que “o rock ativa a droga que ativa o sexo que ativa a indústria do aborto”.

“A indústria do aborto por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que ele fez um pacto com o diabo, com o satanás para ter fama, sucesso”, afirmou.

À Folha de S.Paulo, ele afirmou que tentou inúmeras vezes se explicar para Regina Duarte, dizer que suas declarações foram tiradas de contexto. Segundo Mantovani, no vídeo em que liga o rock ao satanismo, ele estava dando aula e expunha para seus meus alunos o pensamento de outros autores, de três livros diferentes. “Não é o que eu penso. Eu fazia uma reflexão histórica sobre o que outros autores falavam”, disse.