MUNDO
07/06/2020 15:03 -03 | Atualizado 07/06/2020 16:28 -03

Manifestantes derrubam estátua de comerciante de escravos no Reino Unido

Participantes do protesto Black Lives Matter na cidade de Bristol derrubaram e jogaram no rio a estátua do comerciante de Edward Colston.

Manifestantes que saíram às ruas na cidade de Bristol, no Reino Unido, para participar de protesto do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) derrubaram uma estátua de um comerciante de escravos.

Em seguida, eles empurraram a estátua pela cidade até o rio Avon, enquanto milhares de pessoas marchavam em protesto contra a brutalidade policial após a morte de George Floyd. Veja no vídeo acima, registrado pelo HuffPost UK.

O memorial em homenagem a Edward Colston, que fez sua fortuna no comércio de escravos nos anos 1600, permanecia na cidade desde 1895. Nos últimos anos a estátua tinha sido objeto de várias petições - a mais recente das quais recebeu mais de 10.000 assinaturas. 

Neste domingo, os manifestantes resolveram o assunto com suas próprias mãos, amarrando uma corda em volta da cabeça da estátua - que antes havia sido coberta por um pano preto para a marcha - e puxando-a para o chão.

HuffPost UK
Manifestantes derrubam estátua de comerciante de escravos no Reino Unido

O monumento foi retirado do centro da cidade e despejado sem cerimônia no porto de Bristol - quase exatamente no ponto em que os navios de Edward Colston teriam partido para a África Ocidental.

O superintendente da polícia local anunciou que vai realizar uma investigação para identificar o pequeno grupo de pessoas “que cometeram claramente um ato de ato criminoso”.

O tuíte abaixo diz que o local da estátua foi atualizado no Google Maps, no meio do rio.

A história de Bristol está intimamente ligada ao comércio de escravos e, no século 18, a cidade era um dos maiores portos de escravos do Reino Unido.

O ponto em que a estátua foi jogada na água é diretamente ao lado da ponte de Pero, que foi nomeada em homenagem a Pero Jones, que veio morar em Bristol como escrava.

Um dos homens que ajudou a empurrar a estátua água abaixo disse ao HuffPost UK: ”É o que ele merece. Eu estive esperando minha vida inteira por esse momento. É uma sensação incrível, parece o fim de um capítulo. É o que todos nós precisamos.”

 

 

Questionado sobre o que esse momento significava para ele, o homem - que pediu para não ter seu nome revelado - disse: “Eu não acho que o racismo jamais estará morto, mas acho que o que precisamos no futuro é ter uma maior conseqüência por más ações e mais pessoas para ajudar um ao outro. Se vemos desigualdade em qualquer raça, sexualidade ou religião, temos que nos unir.”

Os tuítes abaixo mostram o momento exato em que a estátua foi tirada de seu monumento: 

O legado de Colston é extremamente controverso, já que seu dinheiro veio em grande parte do comércio de escravos, mas parte de sua fortuna foi usada para fundações de caridade, algumas das quais sobrevivem até hoje.

HuffPost UK

Antes, o manifestante John McAllister, 71, derrubou sacos de lixo pretos usados ​​para esconder a estátua e denunciá-la na frente de outros manifestantes.

Ele disse à agência de notícias da AP: “O homem era comerciante de escravos. Ele foi generoso com Bristol, mas foi atrás da escravidão e é absolutamente desprezível. É um insulto ao povo de Bristol. ”

A polícia disse que 10.000 pessoas participaram da manifestação do movimento Black Lives Matter em Bristol e a maioria participou pacificamente.

HuffPost UK

Muitos manifestantes usavam máscaras e luvas, mas o grande número de participantes tornou impossível o distanciamento social em alguns momentos.

Falando do pedestal em que as estátuas de Colston costumavam ficar, um manifestante disse à multidão: “Está tudo muito bem a cada dois ou três anos, gritando ‘Black Lives Matter’, mas como você realmente vai mudar o que está acontecendo no planeta Terra?”

“Temos que começar educando a nós mesmos e a nossos filhos, educação é poder. A violência nunca mudará nada. Precisamos ensinar nossos filhos pequenos para o futuro.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.