NOTÍCIAS
23/05/2020 02:00 -03

Lockdown no Brasil: Por que essa medida pode ser necessária contra pandemia do coronavírus

Também chamada de bloqueio total, a estratégia é o “nível mais alto de segurança”.

Com o agravamento da crise sanitária por causa do aumento dos casos e mortes por covid-19 no País, governadores e prefeitos já adotaram ou cogitam o lockdown — uma medida mais restritiva de isolamento social. Mas o que esse bloqueio total significa na prática? E por que pode ser necessário?

Boletim Epidemiológico 7, do Ministério da Saúde, divulgado em 6 de abril, define o lockdown, também chamado de bloqueio total, como o “nível mais alto de segurança”. “Durante o bloqueio total, TODAS as entradas do perímetro são bloqueadas por profissionais de segurança e NINGUÉM tem permissão para entrar ou sair do perímetro isolado”, afirma o documento com os grifos em caixa alta.

Em São Luís (MA), por exemplo, onde o lockdown foi adotado por uma medida judicial, as pessoas só podem sair de casa para serviços essenciais, como ir ao mercado, farmácia e hospital. E quem decide sair de casa deve carregar consigo documento de identidade. O desrespeito ao bloqueio é punido com medidas administrativas para os estabelecimentos que estiverem funcionando, como advertência e multa. Para o cidadão comum, ainda não há clareza sobre a punição.

No caso de lockdown, quem trabalha em uma atividade considerada essencial precisa de um documento emitido pela empresa que comprove o vínculo. Cidadão comum, que vai ao médico por exemplo, deve apresentar comprovante ou atestado nos casos em que ele exista. Quando não tiver, como uma ida ao mercado, basta explicar verbalmente às autoridades de segurança.

Em São Luís, fazem parte das atividades essenciais: supermercados, feiras, delivery de alimentos, venda de produtos de limpeza e de higiene pessoal; hospitais, clínicas e laboratórios; farmácias; clínicas veterinárias para casos urgentes; postos de combustíveis; abastecimento de água e luz; coleta de lixo; imprensa; serviços funerários; telecomunicações; segurança privada; serviços de manutenção, segurança, conservação, cuidado e limpeza em ambientes privados; oficinas e borracharias; pontos de apoio para caminhoneiros nas estradas, como restaurantes e pontos de parada; serviços de lavanderia; comércio de álcool em gel; indústrias do setor de alimentos, bebidas e produtos de higiene e limpeza.

Além da capital do Maranhão, já foi decretado lockdown em cidades de outros 9 estados. São eles: Amapá, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.

Distanciamento social amplo

O lockdown é um passo além do distanciamento social ampliado, que é o tipo de isolamento que tem sido recomendado pelo Ministério da Saúde. Em resumo, a medida restringe ao máximo o contato entre as pessoas.

De acordo com o boletim do ministério, é uma “estratégia não limitada a grupos específicos, exigindo que todos os setores da sociedade permaneçam na residência durante a vigência da decretação da medida pelos gestores locais”.

Segundo o ministério, a medida “é essencial para evitar uma aceleração descontrolada da doença, o que pode provocar um colapso no sistema de saúde e também causaria prejuízo econômico”. “Essa medida não está focada na covid-19, mas em todas as situações de concorrência por leitos e respiradores”, ressalta.

A desvantagem, segundo o documento, é que a manutenção prolongada dessa estratégia pode causar impactos significativos à economia.

Amanda Perobelli / Reuters
Lockdown limita ao máximo a movimentação de pessoas pela cidade.

Por que o lockdown pode ser necessário?

Segundo o boletim epidemiológico, o lockdown pode ser necessário em situação de grave ameaça ao sistema de saúde. O objetivo é interromper qualquer atividade por um curto período de tempo.

A vantagem, segundo o documento, é que “é eficaz para redução de casos e dar tempo para reorganização do sistema em situação de aceleração descontrolada de casos e óbitos”. “Os países que implementaram conseguiram sair mais rápido do momento mais crítico”, diz o texto.

Secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula afirmou em entrevista ao HuffPost que o lockdown precisou ser adotado como uma medida profilática. “Ele visa a evitar o colapso [do SUS] que podia acontecer nas próximas semanas. A medida está sendo adotada para evitar esse colapso no sistema de saúde, para a gente conseguir diminuir o contágio da doença.”

Desvantagem e o caso de São Paulo

A principal desvantagem da medida, segundo o documento, é o alto custo. E é esse o principal motivo que tem emperrado a adoção da medida em estados como São Paulo. Embora seja o local do País com mais casos e óbitos da doença, o governador João Doria resiste em adotar a medida por temer impacto ainda maior na economia.

O governador tem sido pressionado por um plano de saída do isolamento. O presidente Jair Bolsonaro é um dos que têm cobrado que o comércio reabra no estado. Em videoconferência, ele pediu a empresários que “joguem duro” com o governador. O estado tem maior PIB do País. Só a capital tem 10% de participação na economia nacional.

Apesar da pressão, a medida não está descartada. “Se nós não tivermos solidariedade, os índices crescerem ainda mais e colocarmos em risco a vida das pessoas, seremos obrigados a adotar o lockdown”, afirmou o governador na quarta-feira (20). Caso o bloqueio seja adotado em São Paulo, não deverá ser em todo estado. Uma das propostas em estudo compreende a região metropolitana de São Paulo.