OPINIÃO
02/08/2019 12:16 -03 | Atualizado 03/08/2019 13:25 -03

'Nunca existiu democracia para a população indígena', diz líder munduruku

Líder indígena munduruku, Alessandra Korap critica o fato de a população indígena não ser consultada sobre decisões que impactam em seus territórios.

Christian Parente/Um Brasil

A luta pela demarcação de terras indígenas é tão antiga como a própria história do Brasil, e o desfecho dessa situação parece estar longe de acontecer. A líder indígena munduruku Alessandra Korap conversa com o UM BRASIL sobre os problemas enfrentados nas aldeias e afirma que o crescente confronto com garimpeiros, madeireiros e grileiros nos últimos anos é resultado da falta de democracia da qual seu povo é vítima.

“Democracia é quando você é consultado sobre o que vai impactar sua terra. A construção de usinas hidrelétricas como Belo Monte [no Pará] e Teles Pires [na fronteira dos Estados do Pará e Mato Grosso] passou por cima de todos os povos indígenas”, critica a moradora da aldeia Praia do Índio, no município de Itaituba, no Pará.

Então existe democracia? Não existe, nunca existiu para nós.Alessandra Korap, líder indígena munduruku

Em entrevista a Renato Galeno, Alessandra destaca que a demarcação de terra indígena, embora esteja prevista no artigo 231 da Constituição Federal, não é cumprida, o que prejudica a população munduruku, calculada em aproximadamente 14 mil pessoas somente no Alto Tapajós.

Impactos

Segundo a indígena, apenas na bacia do Tapajós, que abrange a região oeste do Pará e norte do Mato Grosso, já foram construídas quatro usinas: Sinop, Colíder, Teles Pires e São Manoel. A construção de cada unidade afeta a rotina dos indígenas, que, muitas vezes, são impedidos de atravessar os rios e de pescar em determinadas áreas por causa das barragens. O impacto ambiental também é alto com a contaminação de peixes e o desmatamento.

“A Amazônia está doente e pedindo por socorro. O rio contaminado pelo mercúrio; as nascentes sendo exploradas pelo garimpo; plantações de soja e milho; portos, ferrovias, hidrelétricas. A Amazônia não aguenta isso”, questiona a líder.

Que desenvolvimento é esse que nos deixa sem terras, sem água, sem território? Para quem vou recorrer se hoje não somos ouvidos?

A falta de demarcação de terra causa a remoção de comunidades inteiras, que são obrigadas a deixar suas casas. “É o mesmo que você ser expulso de uma casa que está há muito tempo na sua família. Somos considerados invasores nas nossas próprias terras. Aí eu pergunto: você ficaria quieto e deixaria que levassem sua casa? Temos a obrigação de defender o que é nosso, defender o rio, a floresta. Nós, defensores da floresta, não estamos brigando só por nós, estamos brigando pelos animais, pela vida.”

Este artigo é de autoria de articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Assine nossa newsletter e acompanhe por e-mail os melhores conteúdos de nosso site.