LGBT
10/01/2020 15:34 -03 | Atualizado 10/01/2020 15:50 -03

Este ativista sintetizou, em um tweet, o que é crescer como LGBT em um mundo hostil

Para Alexander Leon, escritor e ativista, compreender a própria identidade -- e não o que fazem dela -- é desafio para pessoas LGBT.

“Pessoas LGBTs não crescem sendo elas mesmas. Crescem sacrificando e limitando sua espontaneidade pra evitar humilhações e preconceitos”. Desta forma, Alexander Leon, escritor e ativista LGBT, que é australiano, refletiu no Twitter sobre sua vivência enquanto homem gay e representou muita gente.

Para ele, o maior desafio na vida adulta de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e de pessoas que se identificam com identidades que estão fora do que é considerado “normal”, ”é perceber quais partes de nós são o que somos de verdade e quais inventamos para nos proteger do mundo.”

O texto, publicado em uma thread na rede social, até o momento, já chegou a mais de 50 mil retweets e quase 200 mil curtidas ― e foi replicado por membros da comunidade LGBT não só em países de língua inglesa, como a austrália, onde Leon mora atualmente, mas também no Brasil. 

O também ativista e criador do canal no YouTube “Põe na Roda”, Pedro HMC, foi um dos que compartilhou o Tweet de Leon. 

O cantor Filipe Catto também comentou a publicação de Pedro. 

"É massivo, existencial e difícil. Mas eu estou convencido de que ser confrontado com a necessidade de uma autodescoberta profunda de forma tão explícita (e frequentemente no início da vida) é um presente disfarçado. Nós saímos disso com mais sabedoria e verdade para com nós mesmos. Algumas pessoas héteros e cisgêneras [que se identificam com o gênero designado no nascimento] nunca chegam nesse lugar”, escreveu Leon.

Devido à repercussão, em seguida, Leon revelou que as reflexões publicadas no Twitter fizeram parte de um texto que ele escreveu em seu perfil no Medium, uma plataforma em que autores independentes podem publicar textos.

“Fiquei tão inspirado com as respostas que recebi e decidi publicar o ensaio original do qual meus tweets recentes foram adaptados. Estou um pouco nervoso por publicar algo tão pessoal, mas espero que ele fale com alguém por aí”, escreveu Leon. 

No texto publicado no Medium, que ganhou o título de “Saindo do armário e adentrando na fogueira: Como parei de performar algo e lutei para ser quem sou”, e Leon dá continuidade à seus argumentos publicados no Twitter.

Ele começa seu texto dizendo que, quando era mais jovem, se identificou muito ao assistir o filme Show de Truman (1998), protagonizado por Jim Carrey, em que seu personagem, Truman, vive uma vida perfeita mas que, na verdade, tudo faz parte de um reality show exibido para todo o país. Quando ele descobre a farsa, sente-se finalmente livre para descobrir quem é de verdade.

“O filme falou diretamente com uma sensação que eu tinha (...); a sensação de que eu era exatamente como Truman, um personagem inconsciente de uma produção elaborada”, escreve. “Eu estava totalmente convencido de que minha vida não era real. A coisa toda foi uma montagem. Eu nasci no maior teatro do mundo”, ele continua. 

No Twitter, Leon afirmou que sua intenção ao compartilhar os tweets e depois, o texto, foi apenas para dizer às pessoas “serem gentis com si mesmas”. 

“Descobrir quem você realmente é é uma tarefa enorme. Isso não acontece da noite para o dia, nem acontece sem alguns soluços ao longo do caminho. Seja paciente, tenha compaixão, seja vulnerável e exista em voz alta. E acima de tudo, tenha orgulho!”