LGBT
12/11/2019 02:00 -03

Este filme mostra por que bares e locais para lésbicas e trans estão fechando nos EUA

Em "All We've Got", Alexis Clements visita locais espalhados pelos EUA para descobrir quais deles podem ser considerados seguros para mulheres da comunidade LGBT.

A dramaturga nova-iorquina Alexis Clements diz que estava apenas buscando uma maneira diferente de encenar seu drama mais recente quando teve a inspiração para seu primeiro documentário.

Seus trabalhos foram exibidos recentemente em outras duas cidades diferentes dos EUA. Sua peça Unknown (Desconhecido, em tradução livre) está em cartaz em em Miami, e seu filme, All We’ve Got (Tudo o que temos, em tradução livre), teve sua première mundial no festival de cinema LGBTQ de Nova York, o NewFest.

O HuffPost assistiu com exclusividade ao trailer acima de All We’ve Got, antes da première. O documentário conta quais são os desafios enfrentados pelos estabelecimentos em que mulheres queer nos Estados Unidos – numa época em que esses espaços talvez sejam mais necessários do que nunca.

Clements disse ao HuffPost que teve a ideia de fazer o documentário quando estava procurando maneiras diferentes de encenar sua peça Unknown, inspirada na “Lesbian Herstory Archives”, biblioteca que tem a maior coleção mundial de materiais dedicados às mulheres lésbicas. À época, ela optou por fazer leituras intimistas de sua dramaturgia em bares e livrarias como a Archives, mas então descobriu que há cada vez menos lugares como este.

Clements começou então a documentar sua trajetória, na qual visitou centros sociais de mulheres  ― não só lésbicas, mas de todas as letrinhas da sigla LGBT ― em todo o país, incluindo o WOW Café Theater em Nova York e o bar Alibis em Oklahoma City, famosos por ser acolhedores para LGBTs.

Historicamente, sempre houve menos estabelecimentos para mulheres lésbicas e trans, por exemplo, do que espaços para homens gays, e o processo de gentrificação vem fazendo essa disparidade aumentar nos últimos anos.

Segundo a pesquisa de Clements, desde 2010, mais de 100 espaços nos Estados Unidos dedicados às mulheres lésbicas e trans fecharam suas portas. Mesmo os espaços mais queridos não são imunes às pressões econômicas: o Sisters Nightclub, de Filadélfia, por exemplo, fechou em 2013, e dois anos mais tarde a mesma coisa se deu com o Lexington Club, de San Francisco ― ambos eram famosos na comunidade LGBT local.

Mas Clements não estava interessada em criar um documentário em tom de queixa ou lamúria. Sua intenção com o filme, em vez disso, foi examinar por que os espaços que permanecem não apenas sobreviveram, mas estão prosperando, não obstante os desafios mais amplos que enfrentam.

A resposta é complicada, como não poderia deixar de ser. Em sua última análise, Clements deseja que depois de assistirem a All We’ve Got, as pessoas valorizem mais as comunidades das quais participam. No caso de mulheres que não sentem que fazem parte de uma comunidade no momento, ela espera que o filme as inspire a procurar uma na qual possam se integrar.

“Cada um dos espaços e eventos destacados no filme foi fundado por pessoas que buscaram satisfazer uma necessidade e/ou um desejo”, ela comentou. “Não é preciso muito para começar. E vale a pena.”

Assista ao trailer completo abaixo: 

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.