NOTÍCIAS
21/10/2020 20:13 -03

Indicado por Bolsonaro, Kassio Nunes Marques é aprovado pelo Senado para o STF

Após sabatina “suave”, desembargador recebeu aval do Senado para assumir a vaga que era de Celso de Mello.

Adriano Machado / Reuters
Kassio Nunes Marques foi aprovado por 57 votos a 10. 

Como esperado, o Senado Federal aprovou a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques ao STF (Supremo Tribunal Federal). O nome escolhido pelo pelo presidente Jair Bolsonaro foi aprovado por 57 votos a 10. Pouco mais cedo, após sabatina, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa aprovou sua indicação por 22 votos a 5.

Na sabatina, que durou mais de 9 horas, Kassio se mostrou alinhado com Bolsonaro, mas recebeu apoio inclusive de petistas. Os mais críticos foram os senadores considerados lavajatistas.

A única saia justa do futuro ministro foi não saber responder o que a sua esposa, Maria do Socorro Marques, faz no trabalho. Ela funcionária do gabinete de um senador do Piauí, mesmo estado de Kassio, o Elmano Férrer (Progressistas), onde recebe um salário de R$ 11,4 mil. Antes, ela trabalhou em gabinetes de outros senadores do Piauí.

“Agora, o trabalho que ela desempenha, eu sabia, não sei lhe dizer... É alteração de gabinete toda hora... Mas o que eu sabia que fazia é exatamente… Essas respostas... Porque é vindo de lideranças, de questionamentos ao gabinete. Eu não sei se é o que ela desempenha, absolutamente”, disse.

Em seguida, ele afirmou que acredita que o senador buscava alguém com vínculo com o Piauí. “É muito difícil para um parlamentar importar toda força de trabalho do seu Estado. O custo de vida em Brasília é muito alto. No Piauí, com uma remuneração de R$ 10 mil é possível que se viva com muita dignidade sem faltar nada para filhos, em escolas particulares. Em Brasília, pagando aluguel e colocando dois filhos na escola, não sobra absolutamente nada”, disse. 

No Piauí, com uma remuneração de R$ 10 mil é possível que se viva com muita dignidade sem faltar nada para filhos, em escolas particulares. Em Brasília, pagando aluguel e colocando dois filhos na escola, não sobra absolutamente nada.

Assim como Bolsonaro, Kassio se diz a favor da vida. Na sabatina, questionado sobre a legalização do aborto, ele disse que só devem ser admitidas mudanças caso haja um fato de grande comoção, como houve com a microcefalia.

Ele evitou polemizar em relação aos direitos da comunidade LGBT. Disse acreditar que “há uma certa pacificação social” sobre os direitos já conquistados. Para ele, no entanto, há determinado limite, o que já foi atingido. Com isso, ele sinalizou que não se posicionará por avanços.

O desembargador assumirá a vaga que era de Celso de Mello, que se aposentou no último dia 13.