ENTRETENIMENTO
23/02/2019 06:00 -03 | Atualizado 23/02/2019 15:31 -03

Apuração do Carnaval: Como os jurados dos desfiles de escolas de samba são escolhidos

Historiadores, artistas plásticos e bailarinos são os profissionais mais frequentes na análise das categorias.

Pilar Olivares / Reuters
No Carnaval do Rio, em 2018, Flavia Lyra foi rainha de bateria da Imperatriz Leopoldinense.

Os desfiles de escola de samba do Grupo Especial no Carnaval de São Paulo e, principalmente, do Rio de Janeiro, chamam a atenção pelo luxo, beleza e ritmo contagiante que invadem as madrugadas de sexta a segunda-feira.

Aos olhos de pessoas comuns é praticamente impossível definir qual ou quais escolas se saíram melhor nos desfiles e, portanto, merecem o título de campeã do Carnaval. Também é complicado definir quem foi mal e, portanto, deve ser rebaixado para uma divisão inferior no ano seguinte.

Essa missão, divertida e “ingrata” ao mesmo tempo, cabe somente aos jurados. Mas você sabe como é escolhido um jurado de desfile de escolas de samba?

Ao todo são 54 jurados selecionados para participar da apuração — 36 titulares e 18 reservas. Até 2016 não existiam os jurados suplentes e a missão pertencia aos 36 titulares (4 para cada um dos 9 quesitos), mas a inclusão de outros julgadores foi realizada de forma preventiva (para o caso de algum titular passar mal ou até dormir durante os desfiles).

Cada cidade adota um critério diferente para apontar quem serão os felizardos com o papel de avaliar as escolas, mas são comuns os nomes de pessoas com notável conhecimento acadêmico, como historiadores, artistas plásticos e bailarinos ou profissionais envolvidos com o mundo da música.

Vicente Dattoli, assessor da Liga Independente das Escolas de Samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro (Liesa), informou que, na Cidade Maravilhosa, os jurados são escolhidos a dedo pelo presidente da Liesa, mas que o currículo de cada um depende da categoria que será julgada.

A Liga elaborou um curso de formação para jurados, que é obrigatório, contendo métodos de avaliação e a necessidade de justificativa em todas as notas aplicadas aos quesitos pelos julgadores.

Segundo a entidade, após o Carnaval de cada ano, as escolas de samba se reúnem para decidir se vetam a presença de um ou mais jurados para o processo seletivo do próximo Carnaval. Alguns deles, como Ilclemar Nunes, responsável por dar notas a mestre-salas e porta-bandeiras, está há quase 30 anos exercendo a função.

Em São Paulo, reservas só para emergências

O procedimento no Carnaval de São Paulo é bastante similar. A União das Escolas de Samba Paulistanas (Uesp) também oferece aos interessados o curso de Formação de Avaliadores de Desfiles de Escolas de Samba e Blocos Carnavalescos.

As aulas, teóricas e práticas, são divididas em 3 módulos: musical (englobando os quesitos bateria, harmonia e samba-enredo); dança (comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira e evolução); e visual (enredo, alegoria e fantasia).

O número de jurados, no entanto, não é o mesmo do Rio de Janeiro. Em contato com a reportagem do HuffPost Brasil, a assessoria de imprensa da Liga SP confirmou que são 36 os profissionais destacados para trabalhar no julgamento dos quesitos, e que os suplentes existem, mas só são acionados em casos emergenciais.

Jurado ‘surpresa’ é a novidade no Rio para 2019

Ao contrário do que acontece em todos os anos, o desfile das escolas do Grupo Especial no Rio de Janeiro contará com uma grande novidade, batizada informalmente de “jurado surpresa”.

A Liesa informou que, a partir deste ano, os titulares da apuração serão conhecidos somente na Quarta-feira de Cinzas, dia do evento, e não mais no domingo, pouco antes do início do desfile do Grupo Especial.

A medida foi tomada como precaução, já que o temor de possíveis “subornos” aos escolhidos pairava entre os presidentes das escolas de samba participantes do Desfile do Grupo Especial.

Jorge Castanheira, presidente da liga, informou que a novidade dará um “tempero especial” ao Carnaval carioca e que foi bem aceito por todos os envolvidos na elaboração do regulamento deste ano.

Quanto ganha um jurado de Desfile de Escolas de Samba?

Quem trabalha como jurado de Escola de Samba recebe por isso e, portanto, não estará apenas prestando um favor a quem espera ansiosamente pelas notas 10 no dia da apuração.

Em 2017 e em 2018 cada um dos jurados no Rio de Janeiro recebeu R$ 4 mil pelos serviços. Os valores acertados para o Carnaval de 2019, no entanto, ainda não foram divulgados pela Liesa ou pela Uesp.