NOTÍCIAS
25/03/2020 16:53 -03 | Atualizado 25/03/2020 17:33 -03

Bolsonaro cita Japão para minimizar pandemia. Governadora de Tóquio reforça quarentena

Yuriko Koike disse que situação da capital japonesa é grave. Presidente brasileiro insinuou que Japão não tem isolamento.

STR via Getty Images
Governadora de Tóquio, Yuriko Koike, segura placa que traz em japonês a expressão "crise de infecção explosiva" em coletiva nesta quarta-feira (25).

Tóquio está vivendo uma “crise de infecção explosiva” do coronavírus. É o que aponta a governadora da capital japonesa, Yuriko Koike, que segurou placa com os dizeres em japonês em entrevista coletiva nesta quarta-feira (25). A situação é grave, disse Koike, depois que 41 novos diagnósticos de covid-19 foram confirmados apenas em um dia.

No Japão, o coronavírus já infectou 1.271 pessoas e matou 44, de acordo com a emissora japonesa NHK. Tóquio se tornou o epicentro da epidemia no país, superando a ilha Hokkaido, que havia sido atingida com mais força nas semanas anteriores. As Olimpíadas de Tóquio foram adiadas para 2021, anunciou o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na terça (24).

Devido a essa escalada da doença, Koike apelou aos moradores de Tóquio que fiquem em casa e saiam apenas em caso de necessidade. “Nós talvez não tenhamos outra opção além de reforçar medidas mais duras de isolamento — o chamado bloqueio — para prevenir a disseminação do vírus”, disse a governadora

Apesar do “comedimento” pedido por Koike à população, o presidente Jair Bolsonaro deu a entender em suas redes sociais que o Japão não tem isolamento e está enfrentando a crise do coronavírus com serviços e estabelecimentos em funcionamento normal.

Nesta quarta, ele repostou em sua conta oficial o vídeo de um brasileiro visitando Tóquio:

O turista ironiza “a cara de pânico” da população. “Aqui corre tudo normal. Comércio está funcionando, shopping, fábrica funcionando, meios de transporte, só as escolas estão paradas”, diz.

O visitante de São Paulo ratifica a convicção de Bolsonaro de que a covid-19 deveria ser tratada como “uma gripe normal”. “O governo [do Japão] se recusou a decretar estado de emergência, e a população está tranquila curtindo um belo dia de primavera e o aparecimento das flores de cerejeira”, festeja. Apoiadores do presidente estão compartilhando esse vídeo em grupos de WhatsApp.

A informação compartilhada pelo presidente não procede, uma vez que o governo de Tóquio está em alerta com a escalada do coronavírus. 

Na noite desta terça-feira (24), Jair Bolsonaro retornou à cadeia nacional de rádio e televisão para dizer que “devemos voltar à normalidade”, criticando medidas de isolamento que vêm sendo adotadas praticamente em todo o País e no mundo, como fechamento de comércio e confinamento domiciliar.

“Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada: a proibição de transporte, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima dos 60 anos. Então, por que fechar escolas? Raros são os casos fatais de pessoas sãs com menos de 40 anos de idade”, questionou.

O próprio Ministério da Saúde recomenda o isolamento de todos os idosos e de toda a população que pode trabalhar de casa para evitar o contágio em massa — o que pode sobrecarregar o sistema de saúde. O ministro Luiz Henrique Mandetta chegou a falar em “colapso” dos hospitais no final de abril.

 

 

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost