NOTÍCIAS
22/01/2020 18:39 -03

Irmão de Bolsonaro tem mediado liberação de verbas da União para prefeituras, diz jornal

Folha diz que ao menos R$ 100 milhões foram repassados com ajuda de Renato. Planalto não comenta.

Reprodução Facebook @renato.bolsonaro
Irmão do presidente Jair Bolsonaro teria intermediado liberação de verbas para cidades do estado de São Paulo

Um dos irmãos do presidente Jair Bolsonaro, o comerciante Renato, tem mediado informalmente demandas de prefeitos do estado de São Paulo na liberação de verbas para obras e investimentos. A informação foi publicada nesta quarta-feira (22) no site da Folha de S.Paulo

O jornal afirmou ter identificado a atuação de Renato em casos de ao menos quatro municípios do litoral e do Vale do Ribeira, região da família de Bolsonaro.

De acordo com a matéria, mais de R$ 110 milhões foram repassados “para construção de pontes, recapeamento asfáltico e investimento em centros e cultura e esporte” nos municípios de São Vicente, Itaoca, Pariquera-Açu e Eldorado”, cidade onde moram familiares do presidente. 

Renato não respondeu se tem suas viagens custeadas por alguém. “Sem cargo público, Renato participa de solenidades de anúncio de obras, assina como testemunha contratos de liberação de verbas, discursa e recebe agradecimentos públicos de prefeitos pela ajuda no contato com a gestão federal comandada pelo irmão”, diz a reportagem. 

Ele reside em Miracatu, por onde, desde a posse de Bolsonaro, em 1º de janeiro de 2019, já passaram várias autoridades do governo - e foram recebidas pelo irmão do presidente. Mas a matéria destaca ainda que Renato “procurou diretamente as autoridades para essa intermediação por recursos federais”. 

A Folha mencionou, em detalhes, a intermediação feita por Renato, um dos cinco irmãos do mandatário. E destacou uma entrevista concedida por ele ao jornal A Tribuna, de Santos, quando afirmou ajudar quem quer acesso facilitado ao irmão.  

“Estou doando meu tempo, porque, naturalmente, sou muito preocupado pela questão de relacionamento familiar. Não tenho poder de decisão. A única coisa que faço é fazer chegar mais rápido ao presidente aquilo que acho viável, mas é ele que tem poder de análise e decisão. Eu faço a ajuda, encurto a distância”.  

À Folha, as prefeituras disseram que nunca pagaram nada à Renato, nem custearam suas viagens. 

O HuffPost procurou a Presidência da República que afirmou não comentar o caso. 

De acordo com a Folha, “Renato Bolsonaro não atendeu às ligações da reportagem, nem respondeu recados deixados na caixa postal e no aplicativo de mensagens”. 

O Ministério do Desenvolvimento Regional, com o qual os contratos com as prefeituras foram selados, “disse, em nota, que os convênios ‘são celebrados diretamente com governos estaduais e prefeituras’. ‘Vale ressaltar que o MDR não tem controle sobre as divulgações acerca dos empreendimentos realizadas por terceiros’.”