COMPORTAMENTO
11/08/2019 09:19 -03 | Atualizado 11/08/2019 10:50 -03

Positividade Tóxica: Como as redes sociais nos obrigam a ser feliz o tempo inteiro

Recentemente, entrei em contato com um termo no próprio Instagram que conseguiu agregar tudo aquilo que eu sentia: a tal da positividade tóxica.

Reprodução/Instagram
Você já tinha ouvido falar deste termo?

Basta uma passeada no Instagram para a gente ser nocauteado com aquela sensação de que todo mundo está bem o tempo inteiro. Com os melhores drinks. Os melhores sorrisos. As melhores roupas. Nas melhores viagens.

Mas basta refletir um pouquinho, só um pouquinho, que a gente compreende que, na realidade, tudo o que a gente posta passa por um processo de edição.

Na maioria dos posts, todos os detalhes são milimetricamente pensados para passar exatamente aquela sensação que te serviu como gatilho ou inspiração.

Ok, talvez tenhamos aprendido a lidar com a ilusão dos corpos inatingíveis e dos recebidos que não cabem nos nossos orçamentos.

Mas e quando a gente está falando sobre a nossa capacidade de ser feliz?

Recentemente, entrei em contato com um termo no próprio Instagram que conseguiu agregar tudo aquilo que eu sentia: a tal da positividade  tóxica.

Sabe aquela ideia de que existe uma espécie de tirania da positividade em que só é permitido expressar, falar, postar os sentimentos “bons”?

Já aqueles que consideramos “ruins”, porque são difíceis, a gente coloca para debaixo do tapete...

Conversei com a Erika Marakaba, a psicóloga responsável pelo post que me despertou para essa discussão.

De acordo com ela, quanto mais a gente ignora os nossos sentimentos, mais perdemos a nossa habilidade de lidar com eles. E isso é tão perigoso quanto uma bomba-relógio.

View this post on Instagram

Uma coisa é não querermos ficar aprisionadxs em sentimentos ruins, outra é essa tirania da positividade atual. TODOS os sentimentos tem uma função, não ficar preso a um deles é fundamental, mas ignorar o que se sente, se permitir sentir e expressar apenas os "bons", jogar para debaixo do tapete qualquer incômodo, bloquear e rejeitar os "ruins" tem sido um movimento comum e são vários tiros nos dois pés. Quanto mais ignoramos sentimentos, mais perdemos habilidade de lidar com eles, que hora ou outra explodem com mais força, já que não morrem só por serem rejeitados/ignorados. Pelo contrário, se potencializam da pior maneira possível: sem percebermos. Ser feliz é uma questão de escolha? Ok, nada contra frases motivacionais, mas não há felicidade genuína e sustentável se não se vive de maneira inteira. Fingir estar feliz o tempo todo pode te atrapalhar a ser feliz. Entregue, confie, aceite, agradeça - mas tudo bem ficar com raiva ou sentir frustração as vezes. Felicidade compulsória é forte combustível para a infelicidade. E espiritualidade egóica é uma prisão. (E não vou nem entrar na parte dos julgamentos em relação às dores alheias e no ato de isolar pessoas em sofrimento psíquico como se fossem "tóxicas". Se a sua felicidade está tão por um fio que não pode dar suporte a alguém em sofrimento...Tá grave, viu?) There is no #goodvibesonly✌, there is lots of vibes. Deal with it. Edit: se quiser ouvir mais sobre o assunto clica no link na bio 😉 #felicidade #felicidadesempre #gratiluz #goodvibes #sejafeliz #euescolhoserfeliz #reflexao #psicologiaclinica #psicologia #bemestar #equilibrio #saudemental #positividadetoxica #positividadetóxica #descolonizandoemoções

A post shared by Descolonizando Emoções (@erika.maracaba) on

É impossível estarmos bem o tempo inteiro. A única maneira de isso acontecer seria se nós nos privássemos de todo e qualquer contato com as experiências da vida real.

Mas por que, então, confiamos que basta a gente emanar boas energias que todos os problemas vão se resolver?

Para Erika, esse discurso do #GoodVibesOnly casou perfeitamente com a necessidade que nós temos de acreditar que há uma solução imediata para tudo.

“É um discurso que oferece uma esperança imediatista, como a nossa cultura é. Eu não tenho que sofrer ou me abalar pelas coisas; se eu tiver crenças positivas e mantiver um pensamento positivo, tudo vai fluir bem. Mas esqueceram de avisar que isso não existe na realidade”, me explicou a psicóloga.

Nada contra as frases motivacionais. Longe disso. Eu, sinceramente, acredito que a gente atrai o que transmite. Mas existe um limite em relação a isso a que nós precisamos nos atentar.

Embora a gente esteja bastante ciente de que a realidade não é perfeita o tempo inteiro, as redes sociais, inconscientemente, se tornam uma espécie de “fiscal” para que estejamos felizes todos os dias.

Cria-se uma espécie de pressão, de cobrança por estar bem o tempo inteiro. E não é que as pessoas estão fingindo, elas estão se esforçando para estarem felizes o tempo inteiro. E você acaba acreditando que isso é possível mesmo.Erika Maracaba

E é exatamente esse esforço que me preocupa.

É óbvio que ninguém gosta de ficar na fossa. A tristeza dói fisicamente. Mas sentimentos como a angústia e a frustração demandam um tempo de digestão, de ajuste de rotas, que a gente tende a não se permitir.

Tem uma frase que se tornou bastante popular em alguns posts nas redes sociais que é o #FakeUntilYouMakeIt - em português literal, seria algo como “finja até se tornar real”.

A gente tende a achar que o nosso cérebro funciona por marteladas. Costumamos acreditar que se a gente repetir certos comandos, certas afirmações positivas, as coisas vão se resolver sem que a gente precise dedicar tempo a elas.

Mas quer um spoiler? Nenhum processo de autoconhecimento é imediato.

Na conversa com Erika, ela me lembrou de um livro que li recentemente e que super recomendo.

No ensaio Sociedade do Cansaço, o filósofo alemão-coreano Byung-Chul Han fala sobre como, muitas vezes, a nossa autoexploração é compreendida como uma espécie de realização e de sucesso.

“A lamúria do indivíduo depressivo de que nada é possível só se torna possível numa sociedade que crê que nada é impossível”, diz o autor.

Percebem a complexidade disso?

Para Erika, dentro daquilo que entendemos como a tal da positividade tóxica, a pessoa que não aceita uma existência para além da alegria uma hora simplesmente se esgota e chega à exaustão.

Não à toa vivemos na era do burnout e da ansiedade. Mas esses são papos para outras conversas. Por ora, fica aqui o aprendizado que tive com a psicóloga e que compartilho com vocês.

Parece inofensivo, mas a positividade tóxica bloqueia as nossas emoções que consideramos negativas. O problema é que se eu me impossibilito de viver um sentimento, talvez ele nunca passe.

O que precisamos aprender é: está tudo bem se não estiver tudo bem.