NOTÍCIAS
09/03/2019 02:12 -03

6 coisas que você precisa saber sobre o Imposto de Renda 2019

O prazo para a entrega do documento vai até o dia 30 de abril.

Uelder-ferreira via Getty Images
Até 30 de abril, 30 milhões de contribuintes deverão entregar a declaração do IR.

O prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda 2019 começou nesta semana. Os contribuintes deverão entregar o documento referente ao ano de 2018 até o fim do prazo, em 30 de abril.

De acordo com a Receita Federal, cerca de 30,5 milhões de declarações devem ser entregues neste período. Quem for obrigado e não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo deverá pagar uma multa de, no mínimo, R$ 165,74. A multa máxima pode corresponder a 20% do valor do imposto devido. 

As restituições devem ser pagam entre junho e dezembro para quem não caiu na malha fina. 

Aqui, listamos um guia para quem precisa declarar o Imposto de Renda.

 

Quem precisa declarar o IR?

  • Quem recebeu rendimentos tributáveis (como salário, aposentadoria, aluguel) acima de R$ 28.559,70 no ano anterior;
  • Se recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados na fonte acima de R$ 40 mil;
  • Quem possuir bens superiores a R$ 300 mil;
  • Se teve receita superior a R$ 142,798,50 com atividade rural;
  • Quem realizou operações na Bolsa de Valores.

Quais as vantagens de entregar o IR com antecedência?

  • Os contribuintes que possuem Imposto a Restituir e estão necessitando de recursos financeiros vão receber o valor logo nos primeiros lotes;
  • Você vai se livrar do compromisso e não corre o risco de perder o prazo;
  • Você vai ter mais tempo para fazer ajustes da declaração e para buscar documentos perdidos ou extraviados;
  • Você vai ter mais tempo para conferir a declaração para entregar os documentos sem omissões ou erros.

Quais são as vantagens de entregar o IR nos últimos dias, perto do prazo final?

  • Se você é um contribuinte que possui Imposto a Restituir mas não está precisando de recursos financeiros imediatos, você pode restituir nos últimos lotes e isso vai gerar uma correção monetária muito maior que a maioria das aplicações financeiras pagariam (Juros Selic). E detalhe: sem incidência de Imposto de Renda sobre o rendimento obtido;
  • Quem tem que pagar novos valores de impostos terá como melhor planejar o caixa para esse pagamento, pois postergará o prazo.

Quais são os documentos necessários para fazer a declaração?

  • A declaração de seus rendimentos do ano anterior, no caso o ano base 2018;
  • Despesas médicas e odontológicas, suas e de seus dependentes legais;
  • Despesas escolares, suas e de seus dependentes legais;
  • Doações a instituições com a possibilidade de deduções legais;
  • Comprovantes de aluguéis, se esse for o seu caso;  
  • Comprovantes de contribuições de Previdência Privada somente na modalidade PGBL – Programa Gerador de Benefício Livre;
  • Os “CPFs” de todos os dependentes, independentemente de idade, deverão ser informados na declaração.

Como fazer o IR?

Primeiro, você precisa fazer o download do programa gerador do Imposto de Renda que foi disponibilizado pela Secretaria da Fazenda. 

Depois, você precisa decidir se vai fazer a declaração simples ou o modelo completo. O primeiro oferece um desconto fixo ao contribuinte. No modelo completo, é possível fazer algumas deduções de despesas específicas, como os gastos com saúde, educação, dependentes, pensão alimentícia e Previdência.

Uma novidade no programa é que o contribuinte vai poder fazer a importação dos dados de 2018 para facilitar o preenchimento do formulário. A Receita recomenda que se faça a importação logo no início do preenchimento para que os dados de 2018 não sejam sobrepostos aos de 2019.

Outra atualização do programa permite que o contribuinte confira no dia seguinte da entrega do documento se os dados possuem alguma divergência - antes, esse aviso só acontecia após 15 dias.

Como fugir da malha fina?

A primeira recomendação é que se tenha bastante atenção na hora do preenchimento do formulário. Outra dica é conferir no dia seguinte se a análise do extrato da Receita possui algum erro. Caso encontre informações inverídicas, o contribuinte poderá pedir uma correção ainda dentro do prazo.

Ficam na malha fina aqueles contribuintes que informaram rendimentos e deduções diferentes dos que foram encontrados pelo cruzamento dos dados das fontes pagadoras ou recebedoras.