OPINIÃO
15/03/2020 03:00 -03 | Atualizado 15/03/2020 03:00 -03

9 anos de Guerra da Síria: fatos e respostas

Em 2011, o mundo testemunhou o início do que se tornou uma das maiores crises humanitárias e de deslocamento da história recente.

Antwan Chnkdji
Hoje, mais de 12 milhões de sírios estão em situação de deslocamento. Cerca de 6,7 milhões encontraram refúgio em 127 países ao redor do mundo.

“Todas as vezes em que fomos embora antes, eu sabia que voltaríamos. Ficaríamos no Iraque até que a situação melhorasse e depois retornaríamos”, afirma Mustafa, 36 anos, enquanto abraça carinhosamente o filho. Eles ainda estão se acostumando com a barraca recém-montada no campo de Bardarash, no Iraque, onde agora vivem. “Mas acho que desta vez não será tão fácil. Nossa situação está piorando a cada ano e, dessa vez, perdemos tudo.”

Mustafa é sírio e, para ele, a vida como refugiado não é nova. Nos últimos nove anos, ele e sua família foram forçados a fugir pelo menos cinco vezes. Infelizmente, eles não são os únicos.

Em 2011, o mundo testemunhou o início do que se tornou uma das maiores crises humanitárias e de deslocamento da história recente. Na época, o rápido aumento da violência na Síria fez com que, em apenas algumas semanas, milhares de famílias fugissem dos combates e da destruição e chegassem aos países vizinhos em busca de segurança. Nos meses e anos que se seguiram, milhões de sírios foram forçados a deixar suas casas enquanto o conflito continuava.

Para milhões deles, a vida como refugiado se tornou o novo normal. Muitos acreditavam se tratar de um episódio passageiro, mas a situação logo transformou-se em algo cotidiano. E, à medida que a crise ultrapassa a marca de nove anos, vidas continuam sendo levadas e milhares de pessoas são forçadas a fugir todos os meses.

Hoje, mais de 12 milhões de sírios estão em situação de deslocamento. Cerca de 6,7 milhões encontraram refúgio em 127 países ao redor do mundo. A grande maioria vive na região, em comunidades no Líbano, Jordânia, Iraque e Turquia. Outros 6,1 milhões de sírios tiveram que deixar suas casas, pertences, empregos e entes queridos para salvar suas vidas, mas permaneceram em seu país natal.

Ao longo de nove anos de crise, as necessidades humanitárias dos refugiados sírios aumentaram e atingiram uma escala de gravidade e complexidade surpreendentes. A situação permanece volátil e, somente no último ano, quase 1 milhão de sírios foram deslocados à força.

A vulnerabilidade dos refugiados sírios continua aumentando à medida que a crise persiste. A situação é turbulenta, perigosa e imprevisível. Todos os anos, combates nas áreas disputadas afastam pessoas de suas casas e aumentam as necessidades e os riscos que as famílias refugiadas e deslocadas internamente enfrentam.

Após 9 anos de tragédia, resiliência e solidariedade, o mundo não deve esquecer da Síria.

Há nove anos, o ACNUR, Agência da ONU para Refugiados, trabalha diariamente para responder às necessidades dos refugiados sírios, adaptando-se a cada novo desdobramento para continuar a proteger e dar esperança a quem é forçado a fugir. Desde o recebimento dos primeiros 5.000 refugiados sírios que chegaram ao Líbano em 2011, até o fornecimento de assistência que salva vidas a milhares de famílias que rapidamente fizeram as malas e fugiram dos últimos combates no norte da Síria no final de 2019, o ACNUR esteve lá para receber, proteger e ajudar refugiados sírios.

Este artigo é de autoria de articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Assine nossa newsletter e acompanhe por e-mail os melhores conteúdos de nosso site.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost