NOTÍCIAS
12/08/2019 16:34 -03

Alemanha diz que postura de Bolsonaro mostra que país fez a coisa certa ao cortar investimento

No domingo, o presidente disse que o Brasil “não precisa” de dinheiro da Alemanha para preservação da Floresta Amazônica.

Adriano Machado / Reuters

A ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, afirmou que a postura do presidente Jair Bolsonaro confirma que o país europeu está fazendo “exatamente a coisa certa” ao suspender investimentos em projetos de preservação da floresta Amazônica.

No domingo (11), ao ser questionado sobre o corte na verba, o presidente afirmou que o Brasil “não precisa disso”.

“Apoiamos a região amazônica para que haja muito menos desmatamento. Se o presidente não quer isso no momento, então precisamos conversar. Eu não posso simplesmente ficar dando dinheiro enquanto continuam desmatando”, disse a ministra à Deutsche Welle.

Ela afirmou ainda que pretende manter o diálogo aberto com o Brasil. Para Bolsonaro, a Alemanha estava tentando comprar a Amazônia.

“Investir? Ela não vai comprar a Amazônia. Vai deixar de comprar a prestação a Amazônia. Pode fazer bom uso dessa grana. O Brasil não precisa disso.”

Ele também questionou a intenção de outros países em relação ao Brasil. “Você acha que grande países estão interessados com a imagem do Brasil ou em se apoderar do Brasil?”

Ao jornal “Tagesspiegel”, Schulze argumentou que o aumento no desmatamento foi o motivo para a tomada da decisão. Na avaliação dela, o País não parece interessado em preservar a floresta.

“A política do governo brasileiro na região amazônica deixa dúvidas se ainda se persegue uma redução consequente das taxas de desmatamento”, disse.

Inicialmente, segundo a reportagem, a ministra disse que serão suspensos projetos de 35 milhões de euros, o equivalente a R$ 155 milhões.

O desmatamento na Amazônia vem crescendo nos últimos meses. Em junho houve um crescimento de 88% em comparação ao mesmo período do ano passado e em julho, foi de 278% — também em comparação ao mesmo período do ano anterior.