LGBT
09/08/2019 16:42 -03 | Atualizado 09/08/2019 20:17 -03

Google conserta algoritmo para que 'lésbica' deixe de ser associado a pornô em busca

Empresa reconheceu que buscas mostravam resultados "abaixo das expectativas". Correção está disponível desde 19 de julho.

Xuanyu Han via Getty Images
Antes, o mecanismo de busca mais famoso do mundo trazia em seus primeiros resultados conteúdos ligados a sites pornô.

O termo “lésbica” não será mais associado a páginas de conteúdo pornográfico e sexual quando for digitado na busca do Google. A empresa anunciou nesta sexta-feira (9) que consertou seu algoritmo com a intenção de fornecer resultados mais precisos e de alta qualidade para este tipo de consulta.

Desde o dia 19 de julho é que esta correção está ativa. Antes, o mecanismo de busca mais famoso do mundo trazia em seus primeiros resultados conteúdos ligados a sites pornô, mesmo se a pesquisa fosse por um conteúdo de cunho educacional ou informativo, o que contribuía para a sexualização de mulheres.

Foi este tipo de efeito negativo que motivou um grupo feminista francês a criar o movimento “SEOLesbienne” nas redes sociais e a pressionar o Google por uma mudança efetiva, apontando problemas e possíveis soluções.

“Do nosso lado, tentamos repetidamente entender como sites pornográficos confiam em consultas e por que o Google não fez nada para alterar os resultados ‘naturais’ sobre esses tópicos, como pode fazer para os outros”, disse uma das porta-vozes do grupo ao site francês Numerama.

Buscas relacionadas a outros termos ligados à comunidade LGBT, como homossexual ou trans não levavam a conteúdos pornô e, sim, a páginas como Wikipedia ou reportagens de grande engajamento sobre esses temas.

O Google respondeu às reclamações. “Acho que esses resultados são terríveis, não há dúvida sobre isso”, disse também ao Numerama a vice-presidente de qualidade de motores de busca do Google, Pandu Nayak.

“Estamos cientes de que existem problemas como este em muitas línguas e desenvolvemos algoritmos para melhorar essa pesquisa, um após outro.”

O movimento #SEOlesbienne comemorou a correção e, em sua página no Twitter, publicou em várias linguas seu posicionamento:

A partir de agora, na pesquisa pelo termo “lésbicas” no Google, você encontrará a página da Wikipédia e outros conteúdos informativos. No Brasil, logo na primeira página é possível chegar à Wikipédia.

Reprodução
Páginas de cunho informativo e explicativo agora aparecem na primeira página quando usuário busca pelo termo "lésbica" no Google.

As mudanças fazem parte de uma série de melhorias que o Google se dedica a fazer em todo o mundo para melhorar os resultados de busca.

“Trabalhamos muito para evitar que conteúdo potencialmente ofensivo apareça nos resultados da busca quando os usuários não estiverem pesquisando explicitamente por esse conteúdo”, diz posicionamento oficial do Google enviado ao HuffPost Brasil.

Os reflexos, segundo a empresa, também serão sentidos em outros termos e suas palavras correlatas ― que reconheceu que as buscas por esse termo “lésbica” estava “abaixo das expectativas” e que isso terá um reflexo e que ficará alerta em como o algoritmo impacta em outras pesquisas.

“Reconhecemos que os resultados para a consulta ‘lesbienne’ em francês estão abaixo das nossas expectativas e, como parte de nosso trabalho contínuo para melhorar a busca, desenvolvemos uma solução algorítmica para que possamos fornecer resultados de alta qualidade não apenas para essa consulta, mas para vários outros tipos”, finaliza a nota.