COMPORTAMENTO
29/07/2019 00:00 -03

Por que cães têm duas vezes mais neurônios do que gatos

Estudo recente compara níveis de neurônios entre diversas espécies para tentar determinar qual seria a mais inteligente.

chendongshan via Getty Images
O debate sobre a personalidade dos caninos e dos felinos está longe de acabar.

Você é uma pessoa que prefere gatos ou cachorros? E qual dos dois você acha que é mais esperto?

O debate sobre a personalidade dos caninos e dos felinos está longe de acabar. Mas uma nova informação pode trazer uma outra camada para essa discussão: existe uma diferença entre os seus cérebros, mais especificamente, entre o número de neurônios existentes no córtex cerebral de cada um.

Um grupo de pesquisadores decidiu investigar as “pequenas células cinzentas” associadas ao pensamento, planejamento e comportamento complexo - consideradas características da inteligência - de um grupo de animais carnívoros, entre eles gatos cachorros. 

Na análise, eles descobriram que cães possuem quantidades significativamente maiores de neurônios do que os gatos.

O artigo, intitulado “Os cães têm mais neurônios, embora não o maior cérebro: o equilíbrio entre massa corporal e número de neurônios no córtex cerebral de grandes espécies de carnívoros”, foi publicado em 2017 revista acadêmica Fronteiras em Neuroanatomia.

“Neste estudo, estávamos interessados em comparar diferentes espécies de carnívoros para descobrir como o número de neurônios em seus cérebros se relaciona com o tamanho de seus cérebros”, explicou a professora de Psicologia e Ciências Biológicas da Vanderbuilt University, a brasileira Suzana Herculano-Houzel, uma das responsáveis pela pesquisa. 

O estudo analisou os cérebros das espécies de furão, mangusto, guaxinim, gato, cachorro, hiena, leão e urso pardo.

Segundo a professora, eles esperavam que suas análises confirmassem a hipótese intuitiva de que os cérebros dos carnívoros deveriam ter mais neurônios corticais do que os herbívoros.

Isso porque a atividade de caça é mais exigente, em termos cognitivos e em comparação com a estratégia do herbívoro de alimentação e sobrevivência.

“Acredito que o número absoluto de neurônios que um animal tem, especialmente no córtex cerebral, determina a riqueza de seu estado mental interno e sua capacidade de prever o que está acontecendo em seu ambiente com base na experiência passada”, disse a neurocientista.

No entanto, para um animal ser considerado “inteligente” não basta comparar a sua matéria cerebral, mas também é importante levar em consideração o tamanho do seu corpo e do seu cérebro.  

De acordo com o estudo, a proporção de neurônios em relação ao tamanho do cérebro em animais carnívoros de pequeno e médio porte era a mesma dos herbívoros de mesmo tamanho.

O estudo revelou então, que os cães, na verdade, têm duas vezes mais neurônios no córtex cerebral, cerca de 530 milhões, do que os gatos, que têm cerca de 250 milhões. Para fins de comparação, o cérebro humano tem cerca de 1,6 bilhão. 

Quem tem o maior cérebro entre carnívoros

A pesquisa também mostrou que para entre os carnívoros maiores, a proporção da quantidade de neurônios em relação ao tamanho do cérebro era menor.

Por exemplo, o cérebro de um golden retriever tem mais neurônios do que o de uma hiena, um leão ou um urso pardo. No entanto, os últimos têm cérebros até 3 vezes maiores.

O caso urso é outro exemplo. Seu cérebro é 10 vezes maior do que o de um gato, mas tem aproximadamente o mesmo número de neurônios.

Os resultados do estudo também desafiam o senso comum de que os animais domesticados têm cérebros menores que seus parentes selvagens.

As proporções entre o tamanho do cérebro e o peso corporal das espécies de furão, gato e cachorro  não foram diferentes das do mangusto, guaxinim, hiena, leão e urso pardo.

De acordo com a neurocientista, estudar os cérebros de diferentes espécies traz um aprendizado importante.

“A diversidade que nós temos é enorme. Sim, existem padrões reconhecíveis, mas existem várias maneiras que a natureza encontrou de aproximar ou distanciar cérebros - e estamos tentando descobrir que diferença isso faz”, explica Houzel.

Quanto ao questionamento de qual animal seria mais esperto, gatos ou cachorros, bem, isso ainda está na zona cinzenta.

O que importa, no fim das contas, é a relação de amor e carinho que cada um deles desenvolve com os seus tutores - e como eles passam a expressar a sua personalidade a partir dela.