ENTRETENIMENTO
15/04/2019 12:32 -03 | Atualizado 15/04/2019 13:48 -03

'Game of Thrones': Especialistas tentam determinar se Tyrion e Sansa ainda estão casados

Historiadores medievais procuram explicar as complexidades do relacionamento de Tyrion e Sansa.

HBO

Amor e casamento são temas espinhosos no mundo de Westeros. Irmãos transam com irmãs em torres, tias e sobrinhos têm encontros no Mar Estreito, homens que juraram se manter virgens fogem com mulheres selvagens.

Mas há um mistério conjugal que os fãs de Game of Thrones ainda não conseguiram elucidar, e ele envolve o casal formalmente casado Tyrion Lannister (Peter Dinklage) e Sansa Stark (Sophie Turner), que certamente vão se rever na 8ª temporada quando Tyrion chegar a Winterfell com Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) e Jon Snow (Kit Harington).

A pergunta paira no ar: Tyrion e Sansa continuam tecnicamente casados? E, se sim, o que isso significa para o resultado final da luta pelo Trono de Ferro? 

Para começar, uma recapitulação rápida. Tyrion e Sansa se casaram oficialmente na 3ª temporada, por exigência de Tywin Lannister (Charles Dance), e foi humilhante para ambos. Porém, apesar de ter sido obrigada a se casar com o anão da Casa de Lannister, Sansa, filha do “traidor” Ned Stark, começa a encontrar algo em comum com ele por causa do status que os dois compartilham no Porto Real.

“A filha que caiu em desgraça e o macaco demoníaco”, diz Tyrion – que naquele momento vivia uma relação compromissada com Shae (Sibel Kekilli) – a Sansa. “Somos perfeitos um para o outro.”

 

Porém, justamente quando eles estão com tudo para se tornarem um casal poderoso em Westeros, Tyrion é informado que sua família conspirou com os Frey e os Bolton para assassinar brutalmente o irmão de Sansa, Robb (Richard Madden) e sua mãe, Catelyn (Michelle Fairley), no chamado Casamento Vermelho. Quando ela fica sabendo o que aconteceu, Sansa deixa de confiar em qualquer pessoa na capital, muito menos seu marido Lannister que “jurou protegê-la”.

Quando tudo descamba em caos depois de o rei Joffrey (Jack Gleeson) morrer envenenado no início da 4ª temporada, Tyrion e Sansa se separam. Sansa foge do Porto Real com a ajuda de Mindinho, e Tyrion acaba indo a Meereen para se aproximar de Dany após sua fuga vitoriosa da prisão.

Mindinho então, estupidamente, arranja um casamento entre Sansa e o filho bastardo e cruel de Roose Bolton, Ramsay (Iwan Rheon), o governante do momento em Winterfell. Em sua noite de núpcias ela é estuprada, espancada e torturada – uma história que muitos desaprovam – até finalmente conseguir escapar das garras de Ramsay e encontrar o caminho de volta até Jon. Com a ajuda dos Cavaleiros do Vale, ela reconquista o controle do Norte na Batalha dos Bastardos e entrega Ramsay para ser devorado por seus próprios cães famintos. Sansa agora é a Senhora de Winterfell, preparada para, juntamente com seus irmãos Stark, proteger seu povo do exército dos mortos.

Tudo isso nos traz de volta à nossa pergunta sobre o status do matrimônio de Tyrion e Sansa.

A maioria dos casamentos em Westeros começa com uma cerimônia religiosa que envolve a troca de votos na presença de uma testemunha sagrada, dependendo da religião do casal. Um septão celebra o casamento dos que seguem a Religião dos Sete; um sacerdote ou sacerdotisa o faz para os crentes no Deus Afogado ou R’hllor, e os seguidores dos Deuses Antigos usam uma Árvore-Coração. Depois da cerimônia há um banquete com os noivos, antes de os dois irem para o leito onde o casamento é consumado.

A questão é que Tyrion e Sansa nunca chegaram a consumar seu casamento, já que Tyrion não achou apropriado deitar-se com uma mulher que não estava preparada para ficar com ele.

É claro que Westeros é um mundo de fantasia idealizado por George R.R. Martin, o criador das Crônicas de Gelo e Fogo. Mas é fato que ele guarda semelhanças com a Europa medieval. George Martin já disse que a Religião dos Sete foi inspirada na Igreja Católica. Logo, não seria inverossímil presumir que as leis do casamento medieval se aplicam a Westeros, até certo ponto.

Foi por isso que procuramos alguns especialistas em história para ouvir sua opinião sobre o status do relacionamento de Tyrion e Sansa.

Nancy F. Cott, professora pesquisadora de História Americana na Universidade Harvard e especialista na história do matrimônio, acha que é tudo bastante simples.

“Na lei eclesiástica, a Igreja diria que eles são casados para sempre, desde que tenham se prometido um ao outro e consumado o casamento com uma relação sexual”, disse Cott ao HuffPost.

Mas uma especialista em história medieval propôs uma resposta totalmente diferente.

“A consumação não era necessária para um casamento ser válido”, disse ao HuffPost Ruth Mazo Karras, professora de História no Trinity College Dublin. “Desde que as duas partes fossem maiores de idade, não tivessem parentesco estreito e desde que existissem todas as outras condições para um casamento válido, a partir do momento que eles tivessem dito seus votos eles estariam casados e continuariam assim. Mesmo que se separassem, não poderiam se casar com outras pessoas.”

Karras acredita que, segundo essa lei do final do século 12, o casamento de Sansa e Ramsay foi adúltero. Eles nunca chegaram a ser plenamente casados, apesar de Mindinho ter dito a Roose Bolton que a união de Sansa e Tyrion não era válida por nunca ter sido consumada.

“Westeros pode ter leis diferentes, mas para que um casamento fosse anulado teria sido preciso provar que não era válido para começar. Dizer que não foi consumado não era o bastante para uma anulação”, disse Karras. “Falando em termos práticos, o papa – vamos lembrar que estamos falando da Europa medieval – talvez estivesse muito disposto a anular com base em outros argumentos um casamento que não tivesse sido consumado. Mas o fato de não ter sido consumado não seria uma justificativa para sua anulação.”

HBO

Um outro casamento de habitantes de Westeros foi anulado na série para que o casamento de Rhaegar Targaryen e Lyanna Stark fosse válido. Descobrimos que, antes de sua cerimônia de casamento, o noivo primeiro obteve autorização do Sumo Septão para anular seu casamento com Elia Martell. Segundo as leis medievais, o fato de o primeiro casamento de Sansa não ter tido sua anulação aprovada antes de ela se casar com Ramsay teria invalidado esse segundo casamento.

Mas há um porém. Sansa se casou com Tyrion perante os Sete Deuses e com Ramsay diante dos Deuses Antigos, de modo que o segundo casamento talvez fosse válido para a segunda religião. Tudo depende de o que garante ou quem aprova uma anulação legítima.

Na opinião de Lysa Arryn, por exemplo, a morte liberta um cônjuge para se casar com outra pessoa, como ela fala à sua sobrinha Sansa na 4ª temporada: “Dentro em breve você será viúva. Vão executar o anão por assassinar o rei e você ficará livre para se casar com Robin [seu primo].”

Stephanie Coontz, professora de história e de estudos da família no The Evergreen State College, em Olympia, Washington, disse ao HuffPost que no antigo Império Romano, especialmente após o século 8, a Igreja controlava o acesso ao casamento, divórcio e segundo casamento. Mas havia instâncias em que a decisão não cabia ao papa.

“Quando a Igreja não era poderosa ou não estava presente, o casamento era controlado por famílias particulares, que mais ou menos escreviam suas próprias regras”, disse Coontz. “Não era incomum um homem se casar com uma segunda esposa ou ter uma concubina se sua primeira esposa não lhe tivesse dado um herdeiro, ou que repudiasse uma esposa em favor de outra que fosse mais fértil ou tivesse relações de parentesco mais proveitosos para ele. Pais e outros parentes arranjavam os casamentos de aristocratas e muitas vezes também de plebeus. Indivíduos poderosos podiam arranjar seus próprios casamentos; para isso, às vezes assassinavam um rival e se casavam com a viúva dele para tomar suas terras ou um reino.”

Assim, pela lógica de Coontz, Sansa e Tyrion ainda podem estar casados, desde que as pessoas que testemunharam sua união continuem a apostar nela. É até possível que ocorra uma segunda cerimônia para validar o casamento.

“Eles provavelmente teriam inventado uma ocasião para outra cerimônia muito pública, com troca de presentes entre as famílias, a presença de outros nobres convidados, banquetes, etc.”, disse Coontz.

Karras discordou. “Sob a lei canônica medieval, eles ainda estariam casados e não haveria necessidade de nenhum tipo de cerimônia”, ela explicou.

“Porém, se pensarmos em um momento anterior do século 12, há divergências consideráveis entre advogados canônicos quanto à necessidade ou não da consumação para que um casamento fosse completo”, ela prosseguiu. “Uma opinião é que se há um casamento que não foi consumado e um casamento subsequente que foi consumado, aquele que foi consumado tem precedência. Portanto, tudo depende de qual conjunto de leis é aplicado.”

Deixando de lado as normas medievais, tudo depende de o que os criadores de “Game of Thrones”, Dan Weiss e David Benioff, decidirem que são as leis dos Sete Reinos. “GoT não é um drama histórico”, disse Karras, “de modo que eles podem tomar as liberdades que quiserem com as leis canônicas.”

É muito possível que os roteiristas revelem que o casamento de Tyrion e Sansa ainda é válido. Ou então eles podem considerar que, após a morte de Ramsay, Sansa é uma mulher solteira.

Como destacou Cott, “é fantasia! Para quê procurar detalhes ‘reais’?”