NOTÍCIAS
18/06/2020 10:23 -03

'Mais uma peça movimentada para atacar Bolsonaro', diz Flávio sobre prisão de Queiroz

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, peça-chave em suposto esquema de 'rachadinha', foi preso em imóvel do advogado de Flávio e do presidente Jair Bolsonaro.

Reprodução/Instagram
Queiroz é peça-chave na investigação sobre um suposto esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual no Rio.

O senador Flávio Bolsonaro disse, na manhã desta quinta-feira (18), que a prisão do seu ex-assessorFabrício Queiroz hora antes foi “mais uma peça movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro”.

Queiroz é peça-chave na investigação sobre um suposto esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual no Rio. Ele foi preso em Atibaia, no interior do estado, num imóvel de Fred Wassef, advogado do presidente Jair Bolsonaro e de Flávio. Wassef defende Flávio neste caso e Jair no caso da ataque a faca que sofreu em 2018. A ação também envolveu busca e apreensão na casa em que ele estava.

O ex-assessor foi transferido ainda nesta manhã para o Rio de Janeiro, onde corre a investigação.

Ainda no Twitter, Flávio disse encarar “com tranquilidade os acontecimentos de hoje” e afirmou que a “verdade prevalecerá”.

“Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”, escreveu.

Queiroz é amigo antigo dos Bolsonaro e frequenta o círculo íntimo de Jair desde a década de 1980. Ele está na mira do Ministério Público do Rio de Janeiro desde que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) detectou uma movimentação milionária nas suas contas no período de um ano — incompatível com sua renda.

O então assessor fazia saques em dinheiro vivo sempre em dias próximos ao pagamento dos servidores da Assembleia Legislativa do Rio. Ele justificou que recebia parte de salário dos colegas de gabinete para remunerar assessores informais de Flávio Bolsonaro.

Um relatório do Coaf revelado pelo Jornal Nacional em 2019 identificou também depósitos na conta de Flávio Bolsonaro. Foram 48 depósitos no valor de R$ 2 mil entre junho e julho de 2017 na conta do parlamentar, no total de R$ 96 mil. O fato de terem sido feitos de forma fracionada desperta a suspeita de ocultação da origem do dinheiro, segundo o Coaf. O Conselho não identificou quem fez os depósitos.