ENTRETENIMENTO
18/08/2019 22:44 -03 | Atualizado 19/08/2019 09:14 -03

'A Festa de Babette': Conheça o filme que decidiu os finalistas do Masterchef 2019

Última prova de eliminação contou com prato icônico do filme: codorna recheada em sarcófago de massa folhada.

Divulgação
Stéphane Audran como a cozinheira francesa Babette no filme A Festa de Babette.

Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1988, A Festas de Bebette, do dinamarquês Gabriel Axel, foi a inspiração para a prova que decidiu, na noite deste domingo (18), quem faria a final do Masterchef contra a piauiense Lorena. 

Um dos grandes cults da década de 1980, A história de A Festa de Babette se passa em um remoto vilarejo dinamarquês no século 19. Lá, as irmãs Filippa (Bodil Kjer) e Martine (Birgitte Federspiel) levam uma vida rígida centrada em torno de seu pai, o pastor luterano da igreja local.

Ambas tiveram oportunidade de deixar a aldeia. Uma poderia ter se casado com um jovem oficial do exército e a outra, com um cantor de ópera francês. Mas o pai delas não permitiu.

Muitos anos depois, já com seu pai morto, as irmãs recebem Babette Hersant (Stéphane Audran), uma refugiada francesa que já havia sido cozinheira do lendário restaurante parisiense Café Anglaise. Elas aceitam a forasteira para trabalhar em sua casa.

Ao saber que ganhou um prêmio na loteria, Babette decide voltar à França, mas antes resolve agradecer Filippa e Martine com um jantar inesquecível.

Todos os vilarejo são convidados, mas a recepção local não é boa, já que a rigidez religiosa dos moradores da vila não permite os prazeres mundanos, como o da gastronomia. Porém, o banquete é tão maravilhoso que conquista o coração deles.

“Quando eu disse que queria ser cozinheira, mas não tinha condições para aprender mais sobre isso, minha mãe alugou o filme para eu ver”, disse Paola Carosella logo após o final da prova. Com lágrimas nos olhos, ela acrescentou: “Babette acabou não podendo voltar à França porque gastou todo o dinheiro dela no banquete. Mas mesmo assim ela estava feliz e disse para as irmãs: ‘Um artista nunca é pobre’. Nós cozinheiros somos artistas. E vocês também. Nós nunca seremos pobres.”

Rodrigo, que não chora nunca, não se conteve com a história de Paola. “Quem diria que ao ouvir a história de um filme eu ia chorar”, disse o paulista.

A classificação de Lorena e a prova final

A primeira parte do Masterchef contou com uma prova dividida em três partes. Cada uma delas com uma caixa misteriosa de um dos jurados: Érick Jacquin, Paola Carosella e Henrique Fogaça.

O trio daria um ponto para cada prato que achassem bom. Se algum dos participantes somasse três pontos, iria direto para a finalíssima do reality gastronômico.

E foi o que aconteceu com Lorena, que conseguiu agradar os chefs com três pratos: um lagostim com purê de batatas, uma bruschetta com molho de tomate e frango, e um polvo com vinagrete e batatas e tomates confitados.

Para a prova que decidiria quem iria para a final com Lorena, os jurados escolheram um prato icônico (e bem complicado) de A Festa de Babette: codorna recheada em sarcófago de massa folhada.

A prova foi extremamente difícil e Eduardo ficou muito nervoso com o complexo processo de desossar a codorna, que é uma ave muito pequena e frágil. No entanto, com o passar do tempo ele foi se acalmando e se recuperou do início complicado.

Rodrigo, por sua vez, estava mais tranquilo, mas seu prato, assim como o de Eduardo, continha alguns erros ressaltados pelos jurados.

Mas a decisão final do trio de jurados foi por mandar Rodrigo para a final contra Lorena. “Isso vai ser um divisor de águas na minhas vida”, disse o paulista ao saber do resultado.

“Passei por muitas coisas aqui dentro. Lutei muito e cheguei bem longe. Aprendi que tenho que aumentar minha autoestima. Nem eu acreditava que iria tão longe. Mas me sinto um vencedor”, disse o curitibano Eduardo ao se despedir da competição.