Comportamento

Como os terapeutas lidam com suas próprias famílias nas festas de fim de ano

A temporada de festas se aproxima, o que significa reencontrar alguns dos parentes que você andou evitando.

A temporada de festas de final de ano está se aproximando, o que significa que você pode reencontrar aqueles parentes que você não vê há alguns meses.

Se isso te traz qualquer tipo de preocupação, você não está sozinho. Isso pode ser um gatilhos de ansiedade para muitos, inclusive os próprios terapeutas que nos ensinam como lidar com esses problemas.

“Os terapeutas também são pessoas reais e, como todo mundo, precisam lidar com dinâmicas familiares complexas durante as festas”, disse Anthony Freire, diretor clínico e fundador do Centro Soho de Aconselhamento em Saúde Mental, em Nova York. “E a dinâmica em jogo às vezes pode se intensificar durante o final de ano, especialmente quando envolve passar longos períodos juntos com os parentes”.

Mas isso não deve impedir você de aproveitar a temporada. O HuffPost conversou com os terapeutas para saber como eles lidam com seus próprios problemas familiares. Aqui estão os conselhos deles:

Se possível, tente abandonar as percepções anteriores dos membros da família

Olecia Christie disse que tenta se lembrar de que os membros de sua família estão em constante estado de transformação. Você não é a mesma pessoa que era no ano passado ou até na semana passada; talvez as outras pessoas também não sejam.

“Minha família está em constante evolução. As pessoas não são os mesmos priminhos com quem brinquei ou a irmã mais nova com quem conversamos por horas. Agora somos mães e pais”, disse ela. “Vimos tragédia, sobrevivemos a perdas incríveis e crescemos em circunstâncias desafiadoras”.

Christie sugeriu abordar sua família com a mente aberta nesta temporada de férias. “Essa abordagem é incrivelmente libertadora, pois nos configura para aceitar nossa família, não importa como eles apareçam durante as férias”, acrescentou.

Seja aberto, mas proteja sua saúde mental

Embora Christie acredite em permanecer com a mente aberta, ela também enfatizou a importância de manter-se ciente de quaisquer emoções negativas que possam surgir e da influência que elas podem ter sobre você.

“Eu permaneço aberta, mas também protejo meu espaço sendo fiel a quem eu sou. Escuto as opiniões, mas, em última análise, determino onde cada um desses comentários vão na minha vida”, disse ela.

Controle como você gasta seu tempo e com quem

Ibinye Osibodu-Onyali, terapeuta, disse que divide alguns parentes em dois grupos. Ela disse que há alguns membros da família com quem passará o tempo em pequenas doses; depois, há outras que ela prefere evitar totalmente.

“Alguns parentes conseguem deixar o drama de lado apenas nas festas de fim de ano. Esses parentes receberão uma visita minha, mas apenas por um curto período de tempo. Eu não vou ter tardes de pijamas ou viagens longas com eles. Durante a visita, seremos civilizados, sorriremos, falaremos sobre como somos gratos por sermos saudáveis ​​durante as férias e ficarei vigilante”, disse ela. “A vigilância é importante para que, quando eles começarem a ser desrespeitosos, farei um esforço consciente para arrumar minhas malas e deixar a função social”.

“Existem certos parentes que simplesmente se recusam a ser educados comigo, e, portanto, minha resposta é evitar qualquer tipo de briga ou negatividade, mantendo-nos afastados de tais parentes”, continuou ela. “As festas de fim de ano são um momento de amor, gratidão e alegria. Qualquer membro da família que se recusa a fornecer o amor, gratidão e alegria que desejo, não tem a honra de passar as férias comigo.”

Estabeleça limites e não tenha medo de cumpri-los

“Não há problema em informar antecipadamente quais são seus limites e o que pode acontecer se eles forem violados. Ninguém é obrigado a tolerar abusos ou humilhações”, disse Elise Hall, assistente social. Isso inclui comentários preconceituosos ou degradantes feitos a você ou a outro membro da família, que foi o que Hall viveu uma vez.

Se você se encontrar em uma situação em que seus limites estão sendo ultrapassados ou completamente ignorados, não tenha medo de se afastar da situação e encontrar outras atividades nas quais participar.

“Talvez eu possa fazer amizades com meus amigos que não estão viajando durante as férias, talvez eu possa ser voluntário em uma atividade social, ou eu possa aproveitar a cidade mais vazia e me sentir mais em paz”, acrescentou Avinashi Shivon Ramadhin, também assistente social.

Não participe de discussões que você sabe que serão prejudiciais

Quando se trata de celebrações de fim de ano, Freire acredita que é melhor evitar tópicos potencialmente explosivos. No entanto, se você se envolver em uma discussão acalorada, reserve um momento para se perguntar se vale a pena discutir.

“Se você não se envolver, a outra parte inevitavelmente vai parar de discutir. Tente discutir com uma pedra; não vai durar muito ”, disse Freire.

Isso não quer dizer que você deve deixar de lado suas emoções ou crenças sobre algo pelo qual você tem os seus argumento ou é apaixonado. Se um assunto como a política surgir - vamos encarar, geralmente ocorre - existem maneiras de participar conscientemente da conversa sem sacrificar seus valores ou sua saúde mental.

Especialistas dizem que você não deve ter medo de afirmar abertamente que não deseja discutir algo. Você também pode dizer algo como: “Nós provavelmente não concordamos com esse tópico com base em nossas crenças diferentes, mas eu adoraria conversar sobre outra coisa”. Preste atenção em como seu corpo está respondendo fisicamente a uma conversa. Se você está se sentindo estressado, sempre pode se desculpar e finalizar o assunto.

Abaixe o volume

Outra dica para impedir que discussões acaloradas se transformem em brigas é simplesmente manter a voz firme.

“Manter a voz baixa geralmente diminui os argumentos porque as pessoas tendem a corresponder ao volume e à agressividade da voz do oponente. Quanto mais alto e agressivo você for, mais o seu oponente tentará igualar ou até superar você”, afirmou Freire.

Encontre um aliado

Se você conseguir trazer um amigo ou parceiro para a reunião de sua família, eles poderão ajudá-lo a gerenciar melhor os momentos difíceis. Hall sugeriu “que eles saibam quais são as suas preocupações, quais os seus resultados esperados e se apoiem neles para obter apoio”.

Ramadhin concordou, acrescentando que um parceiro, irmão, primo ou amigo pode ser útil em momentos de angústia e, muitas vezes, pode ajudá-lo a navegar melhor em situações familiares tensas.

Fique presente

Christie disse que o melhor para ela durante as férias em família é permanecer presente e realmente apreciar as coisas positivas que estão sendo oferecidas por cada membro da família.

“Mais importante, eu abordo as férias com uma mentalidade de carpe diem”, disse ela. “Limito a energia que dou a qualquer coisa além de viver o momento. O tempo é um bem raro, e quando o tenho com minha família, apesar de nossas diferenças, escolho me concentrar em nossas semelhanças - somos uma família.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.