Feedback, a melhor forma de aprimorar as soft skills

'Como um profissional saberá que precisa se comunicar melhor se não receber essa avaliação de seus chefes ou colegas de trabalho?'

Cada vez mais falamos sobre a importância das soft skills, aquelas características comportamentais que muitas vezes não aparecem no currículo, mas que são fundamentais para o desenvolvimento profissional, como capacidade de comunicação, empatia e resiliência. Essas conversas me fizeram refletir sobre o quanto o processo de feedback é fundamental para desenvolver essas habilidades.

Como um profissional saberá que precisa se comunicar melhor se não receber essa avaliação de seus chefes ou colegas de trabalho? Por isso o feedback é a forma mais eficaz de estimular o crescimento na carreira.

Apesar de importantíssimo, dar e receber uma avaliação nem sempre é fácil. No meu dia a dia como headhunter já vi muitos casos de gestores que têm essa dificuldade, o que acaba impactando o desempenho do trabalho em equipe e, às vezes, a própria empresa.

Como dar o feedback

Na correria do dia a dia, muitas vezes não é possível dar aquele retorno imediato sobre um trabalho. Então, o ideal é que o líder tenha uma rotina de conversas periódicas. Vale marcar o melhor horário e local, de preferência em um clima de pouca tensão. E claro, sempre reservadamente, nunca com outras pessoas por perto.

O primeiro passo é elaborar um plano. Se preparar para a conversa, ter em mente exemplos de situações nas quais aquele comportamento foi identificado e o impacto que ele teve para o ambiente de trabalho. Vale também orientar sobre o que deveria ter sido feito. Os dois juntos – líder e liderado – podem refletir sobre os caminhos para evoluir.

O ideal é que o líder tenha uma rotina de conversas periódicas. Vale marcar o melhor horário e local, de preferência em um clima de pouca tensão.
O ideal é que o líder tenha uma rotina de conversas periódicas. Vale marcar o melhor horário e local, de preferência em um clima de pouca tensão.

O papel do líder nesse momento, é expressar sua visão dos fatos, sem perder a cabeça ou exagerar, isso garante que o feedback seja útil e relevante para quem recebe. É importante lembrar que esse papo não é uma crítica à personalidade da pessoa. É sempre focado em ações ou falhas específicas que podem ser analisadas e gradativamente aprimoradas. Pode ser a inação em algum momento crucial ou um comportamento reativo ao receber uma missão...

É importante dar espaço para o colaborador expressar seus pontos de vista no feedback, mas é comum que ele tenha receio de fazer isso. O recomendado é que o líder o encoraje, fazendo as perguntas certas que o estimulem a dizer o que pensa. Nessa hora, abuse da habilidade de escutar.

Outro ponto de atenção: esse tipo de conversa precisa ser equilibrado entre o retorno corretivo e o positivo. Mesmo que todas as críticas construtivas sejam para ajudar na evolução do colaborador no ambiente de trabalho, algumas vezes ele pode se sentir desmotivado após a conversa. O jeito de reverter isso é destacando também seus pontos fortes e momentos em que teve uma boa atuação.

Quem recebe o feedback também precisa estar aberto para ouvir, absorver as críticas construtivas e usá-las a seu favor para se desenvolver. É possível adquirir uma hard skill fazendo um curso, por exemplo. Já o desenvolvimento de soft skill exige uma boa dose de autoconhecimento. É preciso saber suas fragilidades e encontrar formas de fortalecê-las. Quer momento mais adequado para fazer essa descoberta do que um feedback?

Este texto é de autoria de articulista do HuffPost e não representa ideias ou opiniões do veículo. Assine nossa newsletter e acompanhe por e-mail os melhores conteúdos de nosso site.