COMPORTAMENTO
15/11/2019 02:00 -03

A partir de quando é considerado febre?

Gripes e resfriados não são os únicos culpados quando se trata de temperaturas mais altas que o normal.

Sentindo um pouco de calor? Normalmente, não há por que se preocupar ― especialmente se você estiver doente. Mas outros problemas podem causar o aumento da temperatura do corpo.

A temperatura corporal normal gira em torno de 37 graus, mas ela varia um pouco de pessoa para pessoa – e também pode sofrer alterações dependendo da hora do dia.

“A temperatura do corpo pode ser mais baixa pela manhã e mais alta no fim da tarde e à noite”, explica o médico Michael Hall. Mas, quando sua temperatura passa de 38 graus por mais de algumas horas, você entra em território febril ― algo que pode ter várias explicações.

“A maioria dos meus pacientes acredita que a febre é um sintoma comum de resfriado ou gripe”, afirma Christopher Dietz, diretor médico do MedExpress Urgent Care. “Mas o que algumas pessoas podem não entender é que a febre nem sempre é apenas um sinal de que você está ficando gripado.”

Eis o que pode estar acontecendo com seu organismo, de acordo com especialistas:

PhotoAlto/Frederic Cirou via Getty Images

Infecções

Se você está procurando o motivo da sua temperatura elevada, comece por aqui. Os especialistas afirmam que infecções são comumente associadas à febre.

“Quando o sistema imunológico detecta uma ameaça, como bactérias ou vírus, uma substância conhecida como pirógeno é liberada na corrente sanguínea para chegar ao hipotálamo, que regula a temperatura do corpo”, diz Diana Gall, clínica geral da Doctor4U. “Quando o hipotálamo detecta os pirógenos, aumenta a temperatura corporal e provoca a febre na tentativa de matar bactérias e vírus.”

Gall observa que a febre alta é uma reação do corpo na tentativa de combater a infecção – “mas uma temperatura corporal muito alta também pode ser perigosa”.

“Se a febre persistir e não diminuir com remédios caseiros, consulte um médico, principalmente se ela estiver acompanhada de dor de cabeça forte, dificuldade para respirar, sangue na urina ou nas fezes, vermelhidão na pele, erupções cutânea, vômitos etc. A infecção pode ser grave, e a temperatura do seu corpo pode não diminuir sem tratamento médico”, afirma ela.

Esforço excessivo ao ar livre

Dias muito quentes e “geração interna de calor a partir de exercícios e movimentos mecânicos podem aquecer o corpo”, diz Phil Mitchell, diretor médico nacional da DispatchHealth.

Em circunstâncias normais, o organismo consegue se resfriar por meio da transpiração e da dilatação dos vasos sanguíneos. Mas, se esses sistemas básicos ficarem sobrecarregados, a temperatura do corpo continuará aumentando.

A atividade física normalmente não é suficiente para causar esse aumento de temperatura, mas esforço excessivo em um ambiente quente pode resultar em febre, afirma Mitchell. Ele observa que você deve se abrigar imediatamente do calor e tentar outros métodos para resfriar o corpo, se for o caso.

Se a exaustão pelo calor não for tratada imediatamente, pode ocorrer insolação. “Você precisa de atenção médica imediata caso se sinta confuso, perca a consciência ou se tiver uma temperatura elevada nessas circunstâncias”, diz Steven Reisman, cardiologista e diretor do New York Cardiac Diagnostic Center.

Vacinas

As vacinas preparam seu corpo para entrar em contato com infecções futuras, diz Erik A. Larsen, diretor assistente de serviços de urgência do Hospital White Plains, no estado de Nova York.

“Quando você toma a vacina, há um estímulo do sistema imune, que diz: ‘Opa, o que é isso?’. Aí, ele causa a febre”, afirma Larsen. 

Larsen acrescenta que, quando você toma vacina, seu organismo não está sendo invadido por uma infecção ativa, mas sim recebendo um alerta de que isso pode vir a acontecer no futuro.

tommaso79 via Getty Images

Abstinência do álcool

“Febres baixas podem ocorrer durante os primeiros dias de abstinência de álcool, pois o sistema nervoso central, que fica suprimido pelo álcool, está se reajustando”, diz Holly Phillips, especialista médica do RxSaver.

A abstinência de álcool também causa tremores, o que pode se manifestar em temperaturas corporais mais elevadas, afirma Larsen.

“O corpo está reagindo à ausência do álcool, o que gera contrações musculares. Isso faz o corpo tremer e eleva a temperatura do corpo”, diz ele. 

Inflamações

Certas doenças que causam inflamações, como artrite reumatoide e lúpus, podem causar febre, diz Lisa Alex, do Medical Offices of Manhattan. Isso também ocorre porque o organismo está produzindo pirógenos, o que aumenta a temperatura corporal. Portanto, se você tiver alguma doença crônica e sofrer alguma crise repentina, o resultado pode ser febre.

Certos remédios

“Vários remédios, como antibióticos e antimaláricos, também podem causar febre induzida por medicamentos. Remédios anticonvulsivos e alguns medicamentos à base de plantas também podem ter esse efeito”, explica o médico Soma Mandal.

Você deve monitorar a reação do seu corpo sempre que começar a tomar um novo medicamento.

“Preste atenção em febres que começam uma semana após o início do novo medicamento e desaparecem assim que você para de tomá-lo”, diz J. David Gatz, diretor médico assistente do departamento de emergências do Centro Médico da Universidade de Maryland.

Coágulos sanguíneos

Coágulos sanguíneos são uma fonte de febre pouco discutida, de acordo com o especialista Nate Favini.

“Se você estiver com febre, dores, inchaço e vermelhidão na perna ou falta de ar, pode ser um sinal de coágulo sanguíneo”, afirma Favini. 

Endometriose

“Embora seja raro, várias das minhas pacientes apresentam febre e sintomas semelhantes aos da gripe nos primeiros dias da menstruação, provavelmente devido à inflamação pélvica causada por sangramento crônico no estômago causado por endometriose generalizada”, diz Kenneth Ward, diretor do Predictive Laboratories.

Se você passar por isso, Ward sugere marcar uma consulta com seu médico. Sintomas adicionais da endometriose podem incluir cãibras debilitantes durante o período menstrual ou dor durante as relações sexuais, a micção ou a evacuação.

Cirurgia recente

Se você foi operado recentemente, especialmente no peito ou no abdome, pode sentir uma elevação da temperatura nos dias seguintes à cirurgia, conhecida como febre pós-operatória.

“O corpo produz proteínas inflamatórias em resposta à cirurgia ... A febre é uma reação dos primeiros dias do pós-operatório”, afirma Laurence Gerlis, CEO e clínico-chefe do SameDayDoctor.

Estudos apontam que esse é um efeito colateral comum das cirurgias ― até 90% dos pacientes relatam temperaturas elevadas após operações. Na maioria dos casos, isso se resolve por conta própria.

A febre também pode ser um efeito colateral da anestesia, embora isso seja mais raro, diz Erin Nance, cirurgiã ortopédica e especialista em mãos e membros superiores. Isso é chamado de hipertermia maligna.

Quando isso acontece, afirma Nance, seu organismo está reagindo a agentes anestésicos usados durante a cirurgia. Isso pode se manifestar como febre alta, rigidez muscular e ritmo cardíaco acelerado. O problema é sério e é tratado com um medicamento chamado Dantrolene e compressas de gelo.

“Se você tem um histórico familiar de hipertermia maligna, é fundamental informar o seu anestesista antes de seguir em frente com a cirurgia”, diz ela.

Doenças sexualmente transmissíveis

Rina Allawh, dermatologista da Montgomery Dermatology, afirma que certas doenças sexualmente transmissíveis podem causar uma temperatura acima do normal.

“Inicialmente, a sífilis se apresenta com um cancro não-sensível (isto é, uma úlcera). Mas, se não for tratada, ela pode resultar em febre alta, dores nas articulações, inchaço nos nódulos linfáticos e fadiga”, afirma ele.

A gonorreia, se não tratada, pode resultar em febre alta associada a erupções cutâneas, diz Allawh. Para evitar riscos mais sérios, é essencial buscar tratamento imediato. Além disso, “praticar o sexo de maneira segura e fazer testes para identificar doenças sexualmente transmissíveis” é igualmente importante.

Viajar para outro país

Dependendo do seu destino, um aumento na temperatura corporal pode ser atribuído a bactérias tropicais e protozoários que não são comuns em países desenvolvidos, diz Amna Husain, fundadora da Pure Direct Pediatric.

“Por esse motivo, recomendo que os viajantes consultem seus médicos e também as diretrizes dos Centros de Controle de Doenças sobre recomendações seguras de alimentos e água”, afirma Husain.

laflor via Getty Images

Distúrbios ou alterações hormonais

“O hipertireoidismo em si não causa febre, mas pode ocorrer um transtorno perigoso e potencialmente fatal associado a um grande influxo de hormônios da tireoide no organismo, chamado ‘tempestade da tireoide’, aos quais são associados febre, coração acelerado, flutuações na pressão sanguínea e tremores”, diz Husain.

Ela afirma que a “tempestade da tireoide” pode ocorrer devido a um estresse agudo, como trauma, ataque cardíaco, parto ou devido a uma infecção em pessoas com hipertireoidismo não-controlado. 

“Em casos raros, ela pode ser causada pelo tratamento do hipertireoidismo com terapia com iodo radioativo nas pessoas que sofrem da doença de Graves”, disse ela. 

Alterações hormonais que ocorrem durante a menopausa também podem fazer com que você se sinta mais quente do que o normal, que normalmente é conhecido como ondas de calor.

Câncer

Lembre-se de que a febre não é necessariamente o primeiro nem o principal sinal do câncer. Mas ela pode ser um dos muitos sintomas.

“Vários tipos de câncer são associados à febre, mais comumente leucemias e linfomas, embora outros tipos de câncer também possam causar aumento da temperatura do corpo”, diz Timothy S. Pardee, oncologista e diretor da Leukemia Translational Research da Wake Forest Baptist Health.

Pardee disse que isso ocorre porque, em alguns casos, as células cancerígenas criam uma resposta inflamatória, que faz com que o corpo responda com febre.

Em outros casos, as próprias células cancerígenas liberam citocinas ― ou substâncias no corpo ― que podem causar febre. E, segundo Pardee, um câncer como a leucemia podem afetar a capacidade do corpo de combater infecções, resultando em doenças e febres prolongadas.

“Sintomas adicionais a serem observados são perda de peso não-intencional e suor noturno excessivo (quando acorda encharcado a ponto de precisar trocar de camisa ou lençóis). Se apresentar esses sintomas, procure seu médico para uma avaliação mais aprofundada”, acrescenta ele.

Quando você deve se preocupar com febre

“A febre pode não ser motivo de alarme, a menos que haja algumas situações específicas”, diz David Cutler, médico especializado em medicina familiar do Providence Saint John’s Health Center.

Ele acrescenta que “remédios reduzir a febre quando há uma infecção como um resfriado, gripe ou pneumonia podem ajudar a minimizar sintomas incômodos como dor de cabeça, dores no corpo e desidratação causada pela transpiração excessiva”.

Mas, se a febre é causada por efeitos hormonais, como ondas de calor na menopausa ou exercícios extenuantes, esses medicamentos não serão eficazes. Nesses casos, Cutler sugere usar ventiladores para diminuir a temperatura do corpo.

De acordo com Amesh A. Adalja, pesquisador sênior do Johns Hopkins Center for Health Security, de Maryland, “uma pessoa deve estar preocupada com febre acima de 38,3 graus quando ela é incessante ou quando está associada a outros sintomas, como desidratação, fadiga extrema, falta de ar e erupções cutâneas.”

Além disso, quem tem o sistema imunológico comprometido deve sempre procurar um médico. O mesmo vale para grávidas, quem sofre de doenças cardíacas ou pulmonares ou é muito jovem, disse ele.

Dito isto, se você estiver preocupado com febre, sempre vale a pena ligar para o seu médico. Eles estão lá para isso, afinal de contas.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.