OPINIÃO
26/03/2020 01:00 -03 | Atualizado 26/03/2020 01:00 -03

Série da Netflix que previu pandemia mostra que ser humano segue sem aprender

Episódio de "Explicando" alertava para o perigo de uma nova pandemia que varreria o mundo em novembro de 2019.

“Há apenas três coisas inevitáveis neste mundo: morte, taxas e pandemia de gripe.” Essa frase alarmante é dita pela Dra. Allison McGeer, diretora de controle de infecções do Hospital Monte Sinai, em Toronto (Canadá), na série documental Explicando, da Netflix.

No catálogo de serviço de streaming desde 7 de novembro do ano passado, o episódio da 2ª temporada intitulado A Próxima Pandemia previu, com rara precisão e timing assustador, o verdadeiro pandemônio que o novo coronavírus está causando no mundo todo.

Além de explicar de forma muito didática, direta e simples como pandemias de gripe nascem e se tornaram cada vez mais constantes no planeta nos últimos anos, a série relata o quadro de uma catástrofe iminente. 

Uma simulação de 2018, feita pelo Institute for Disease Modeling, por exemplo, estimava que uma nova pandemia poderia matar 33 milhões de pessoas ao redor do globo em apenas 6 meses.

Divulgação
"O custo para a humanidade será inacreditável e nenhum país estará imune", diz Bill Gates no episódio.

Mas é aí que alguns números e noções de combate a essa ameaça divergem entre a produção da Netflix e o que estamos vivendo agora. E isso tem um lado bom e um ruim. A boa notícia (se é que isso pode ser considerada uma vitória) é que estamos vendo agora que os números da covid-19 não são tão assustadores quanto os demonstrados na simulação.

Passados 3 meses desde que a doença foi identificada pela primeira vez em Wuhan, na província de Hubei, na China, mais de 18 mil pessoas morreram no planeta. É claro que esse número de vítimas ainda está em crescimento, mas está longe de bater a casa dos milhões daqui a 3 meses.

A notícia ruim é que, ao contrário da visão um pouco mais otimista em relação ao futuro do combate ao que se imaginava de uma pandemia futura, muitos países se mostraram totalmente despreparados para um quadro como o que estamos enfrentando neste exato momento. Países mais desenvolvidos como Itália e Espanha — e o Brasil também, infelizmente. E muito desse fardo recai sobre a desinformação.

Mesmo que tenha sido produzido pouco antes da explosão da covid-19, A Próxima Pandemia é uma ótima ferramenta para se entender mais sobre essa pandemia. Ter conhecimento sobre a origem de um vírus desse tipo e de como ele se espalha é uma ferramenta essencial para evitar fake news ou perguntas estúpidas de por que fechar escolas.  

Informação em um momento crítico como o atual é a mais poderosa das armas que temos para combater essa pandemia e confrontar autoridades que insistem em classificá-la como “gripezinha”.