NOTÍCIAS
10/01/2020 17:04 -03 | Atualizado 13/01/2020 14:06 -03

Novas sanções dos EUA contra o Irã miram 8 altos funcionários do regime

'Estamos atacando o coração do aparelho de segurança interna da República Islâmica', disse o secretário de Estado, Mike Pompeo.

Os Estados Unidos impuseram mais sanções ao Irã nesta sexta-feira (10) em retaliação por seu ataque com mísseis contra as forças norte-americanas no Iraque nesta semana e prometeram apertar ainda mais a economia iraniana se o governo daquele país continuar engajado no que Washignton descreve como atos terroristas.

Os alvos das sanções incluem os setores manufatureiro, de mineração e têxtil do Irã, além de autoridades iranianas que, segundo Washington, estavam envolvidas no ataque de 8 de janeiro.

As sanções foram anunciadas pelo secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, ao lado do secretário de Estado, Mike Pompeo, na Casa Branca.

Temores de que os Estados Unidos e o Irã estivessem se dirigindo para a guerra se instalaram na última semana, após um ataque com drone americano matar o comandante iraniano Qasem Soleimani, o que foi retaliado com o bombardeio de Teerã às instalações no Iraque que abrigavam forças americanas.

Henry Nicholls / Reuters
Novas sanções dos EUA contra o Irã miram 8 altos funcionários do regime.

 

Ninguém ficou ferido nos ataques de mísseis balísticos iranianos e os dois lados parecem ter se afastado da iminência de um conflito total. O presidente Donald Trump prometeu na quarta-feira impor as sanções adicionais, a resposta mais concreta dos EUA até agora aos ataques.

As medidas visam oito altos funcionários iranianos que, segundo o secretário de Estado americano Mike Pompeo, são responsáveis tanto pela violência do regime no exterior quanto pela repressão aos manifestantes dentro do Irã.

“Estamos atacando o coração do aparelho de segurança interna da República Islâmica. Esses alvos de sanções incluem o secretário do Conselho Nacional Supremo e o comandante das forças de Basij”, disse Pompeo.

As tensões entre Washington e Teerã aumentaram desde que o presidente Donald Trump retirou unilateralmente os EUA do acordo nuclear do Irã em 2018 e começou a reimpor sanções que foram relaxadas sob o pacto.

Petróleo iraniano

Essas sanções dos Estados Unidos fizeram cair as vendas de petróleo bruto iraniano, a principal fonte de receita da República Islâmica, mas até agora não trouxeram o Irã de volta à mesa de negociações para discutir um novo pacto nuclear, como Trump pretendia.

Os Estados Unidos também sancionaram a compra de dólares norte-americanos pelo Irã, seu comércio de ouro e metais preciosos e suas negociações com metais, carvão e software industrial relacionado.

Richard Nephew, ex-conselheiro da Casa Branca e do Departamento de Estado em sanções ao Irã durante o governo Obama, minimizou as últimas medidas, dizendo que grande parte da indústria metalúrgica já estava sob sanção, assim como a maioria dos indivíduos citados.

As sanções de sexta-feira congelam todas as propriedades ou interesses em propriedades que os visados pelas medidas têm sob a jurisdição dos EUA. Pessoas ou instituições financeiras estrangeiras envolvidas em certas transações com os designados também poderiam ser expostas às próprias sanções.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, falando ao lado de Pompeo em uma conferência de imprensa da Casa Branca, disse que Washington imporia mais sanções, se necessário.

“Continuaremos aplicando sanções econômicas até que o Irã cesse suas atividades terroristas e se comprometa a nunca ter armas nucleares”, disse Mnuchin.