MULHERES
07/07/2019 13:56 -03 | Atualizado 07/07/2019 16:17 -03

Seleção dos Estados Unidos bate a Holanda e é campeã do mundo pela 4ª vez

As americanas venceram o jogo por 2 x 0; Rapinoe abriu o placar em cobrança de pênalti.

PHILIPPE DESMAZES via Getty Images
Aos 16 minutos do segundo tempo, Rapinoe abriu o placar em cobrança de pênalti.

A seleção dos Estados Unidos venceu por 2 a 0 a seleção da Holanda e é campeã da Copa do Mundo de Futebol Feminino deste ano. É a 4ª vez que as americanas levam o título do mundial para casa dos 8 campeonatos já disputados. Em todas as edições, ficaram entre as 3 melhores.

Aos 16 minutos do segundo tempo, Rapinoe abriu o placar em cobrança de pênalti. Aos 23 minutos, Lavelle fez o segundo.

Diferentemente dos Estados Unidos que esbanjam tradição, a Holanda fez sua segunda participação no campeonato. A estreia da seleção foi em 2015, na qual foi derrotada nas oitavas de final. A ascensão das holandesas, no entanto, foi rápida. Em 2017, venceram a Eurocopa, jogando em casa.

O destaque da final este ano ficou por conta das treinadoras. As duas seleções finalistas são comandadas por mulheres Jill Ellis, dos EUA, e Sarina Wiegman, da seleção holandesa.

Megan Rapinoe também brilhou, com 6 gols nas 6 partidas que disputou. Fora do campo, ela também foi destaque pelas críticas à Fifa e ao presidente Donald Trump. Em uma de suas entrevistas, a ativista LGBT disse que não iria à “merda da Casa Branca” se a seleção fosse campeã. Ela chegou a reiterar a afirmação, mas retirou o palavrão e argumentou que o governo Trump “não luta pelo mesmo que nós”. 

A Copa da visibilidade

A Copa da França se destacou por ter sido a primeira em que a TV aberta transmitiu os jogos. De acordo com Ignacio Toro, diretor de marketing do World Football Summit, este mundial estabeleceu recordes históricos em diferentes áreas.

“Mais de 1 milhão de ingressos foram comprados por fãs de futebol de todo o mundo, com muitos jogos esgotados. No público de TV, na Inglaterra, o recorde foi batido 4 vezes: 6,1 milhões [de espectadores] contra a Escócia, 6,9 milhões contra Camarões, 7,6 milhões contra a Noruega e 11,7 milhões contra os EUA (50% do público disponível no Reino Unido), tornando-se o evento mais visto no Reino Unido durante 2019. Nos EUA, vimos picos de 9 milhões de espectadores; Itália um recorde de 7,3 milhões de espectadores; e Alemanha quase 8 milhões.”

O Brasil também registrou recordes de audiência com mais de 30 milhões de espectadores na partida contra a França, rompendo barreiras e mostrando que as pessoas estão sim interessadas em acompanhar o evento.