ENTRETENIMENTO
26/05/2020 05:00 -03

'Eu Nunca...': Maitreyi Ramakrishnan é a estrela ascendente da série de Mindy Kaling na Netflix

A novata superou 15 mil concorrentes para conseguir o papel principal de “Eu Nunca...”.

Maitreyi Ramakrishnan nunca tinha atuado para as telas.

Bem, isso era verdade até a canadense de 18 anos ser escolhida entre 15 mil concorrentes na audição que escolheu a protagonista de Eu Nunca..., primeira série de Mindy Kaling para a Netflix. Eu Nunca..., que se baseia vagamente na adolescência da comediante, estreou mês passado no serviço de streaming e, para Ramakrishnan, é o papel de destaque que ela nunca esperava conseguir.

A série, criada por Kaling e Lang Fisher (que trabalhou em Mindy Project), acompanha Devi Vishwakumar, uma estudante do segundo ano do Ensino Médio que só quer se enturmar depois de um ano terrível: ela não conseguiu progredir depois da trágica morte do pai. Eu Nunca... tica várias categorias das séries românticas de adolescentes ― tem amor não correspondido, um atleta de bom coração e um grupo de melhores amigos peculiares. Mas também é uma história silenciosamente revolucionária, que finalmente coloca em primeiro plano uma adolescente indiano-americana de primeira geração.

Ramakrishnan sempre se sentiu próxima de Kaling – um exemplo raro de estrela da mídia mainstream no qual ela se reconhecia ―, mas nunca esperava superar os atores que buscam uma oportunidade única numa audição aberta.

“Simplesmente não achava que isso iria acontecer. É o meu primeiro emprego. Nem mesmo meu primeiro emprego como atriz, mas meu primeiro emprego, ponto. E Mindy Kaling é minha chefe”, disse Ramakrishnan ao HuffPost em entrevista por telefone.

No que é claramente a exceção à regra de nunca-conhecer-seus-heróis, ela diz que que Kaling “realmente virou minha mentora. Sou abençoada por poder dizer isso”. 

LARA SOLANKI/NETFLIX
Maitreyi Ramakrishnan, Richa Shukla e Poorna Jagannathan em “Eu Nunca...”

A personagem de Ramakrishnan não é apenas uma garota. Ela é generosa, ousada, cheia de contradições, propensa a errar e, talvez acima de tudo, não uma única dessas coisas.

“Trouxe minhas próprias experiências. Isso me ajudou a criar uma personagem realmente autêntica e moderna”, afirma. “Não cresci vendo alguém que se parecesse comigo e que não fosse motivo de piada ou então simplesmente um mero número dois. Como muita gente de comunidades subrepresentadas, comecei a me enxergar nas personagens retratadas, que geralmente são brancas e heterossexuais.”

“Isso pode ser perigoso, porque você não se vê na tela e começa a viver sua própria vida na sombra.”

Kaling, entretanto, sempre foi uma bússola para Ramakrishnan. A jovem sempre foi fã de The Office e lembra dos episódios que exploraram a vida e a identidade de Kelly Kapoor (a personagem de Kaling) fora do trabalho.

“Foi um primeiro passo tão bom”, diz Ramakrishnan sobre o clássico episódio Diwali. “Podemos criticá-lo porque não é uma representação perfeita e profunda da cultura, mas na época foi marcante. Foi muito legal o que Mindy fez com o espaço que ela conquistou. Ela está sempre crescendo e avançando.”

Quando Ramakrishnan foi para Los Angeles para fazer o teste para o papel principal, ela fez várias referências a The Office na presença de Kaling.

“Fiquei tipo: ‘O que tenho a perder?’”, afirma a jovem atriz. “Vou falar isso agora, porque nunca mais vou encontrá-la. Pois é, quem diria?”

Apesar de não ter treinamento formal, ela impressionou a todos.

“Às vezes a gente dizia que estávamos procurando uma versão adolescente indiana de Jonah Hill”, disse Lang Fisher ao HuffPost. “Podemos ensinar a atuar, mas não tem como ensinar alguém a ser engraçado.”

“Maitreyi realmente se destacou porque ela é naturalmente muito engraçada”, continuou Fisher, lembrando como a novata tende a improvisar depois da maioria das cenas. “A gente sabia que estava correndo um risco ao escalar uma menina de 17 anos que só tinha feito teatro na escola, mas ela é especial.”

LARA SOLANKI/NETFLIX
Ramakrishnan with Lee Rodriguez (center) and Ramona Young in "Never Have I Ever."

Se tudo isso parece um sonho, saiba que mergulhar de cabeça em Hollywood não significa que não haja desafios. Ramakrishnan teve que lidar com dúvidas a respeito de si mesmas. 

“No começo, eu com certeza me perguntava: ‘Por que eu?’ Tipo: ‘Em algum momento vai dar tudo errado’”, afirma ela.

“Mas aí, durante as gravações, eu entendi. Mindy poderia ter escolhido tantas outras pessoas, mas não. Ela me escolheu. Acabei de comprar o bilhete e ganhei na loteria... Dei duro para isso. Entender essa diferença realmente me ajudou a ter autoconfiança.” 

“Outras pessoas teriam sucumbido à pressão, mas ela estava à altura”, afirma Fisher, lembrando como Ramakrishnan trabalhava nos finais de semana com um professor de atuação. “Estou muito orgulhosa dela. No fim do processo ela realmente tinha virado uma atriz profissional.”

Além de uma segunda temporada, Ramakrishnan espera que Eu Nunca... ajude a criar uma sensação de pertencimento para adolescentes que acham que são “os outros”. Afinal de contas, ainda existem outros 14 999 outros jovens atrizes de origem asiática que competiram pelo papel, e isso em si é uma vitória.

“Ainda temos muito a fazer”, afirma ela. “Não chegamos ao limite da representação dos asiáticos do sul. A pressão para que a representação seja realista é enorme, claro. Então por que não ser marcante da melhor maneira possível, sempre tentando ir além. Por que não eu?”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.