LGBT
11/06/2020 10:01 -03 | Atualizado 11/06/2020 11:22 -03

Emma Watson se junta a estrelas de Harry Potter e também critica JK Rowling por comentários transfóbicos

“Quero que meus seguidores trans saibam que eu amo vocês por quem vocês são”, disse a atriz que interpretou Hermione.

Emma Watson se tornou a mais recente estrela de Harry Potter a se manifestar em apoio às pessoas trans depois que a autora JK Rowling, criadora da saga, postou uma série de tuítes considerados homofóbicos.

A Atriz - mais conhecido por interpretar Hermione Granger na série Harry Potter no cinema - juntou-se a seu colega Daniel Radcliffe, o próprio Harry Potter, e ao protagonista de Animais Fantásticos - spin-off de Harry Potter - Eddie Redmayne ao discordar publicamente dos comentários de Rowling.

No sábado, a autora provocou uma reação negativa de boa parte de seus fãs ao comentar um artigo intitulado “Criando um mundo pós-covid-19 mais igualitário para as pessoas que menstruam”, enfatizando que o título se referia apenas a mulheres.

David M. Benett via Getty Images
JK Rowling and Emma Watson

Ela acrescentou: “Se o sexo não é real, não há atração pelo mesmo sexo. Se o sexo não é real, a realidade vivida das mulheres em todo o mundo é apagada. Conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo remove a capacidade de muitos de discutir suas vidas de maneira significativa. Não é ódio falar a verdade.”

Muitos acusaram Rowling de invalidar pessoas trans, e lembraram a ela que pessoas trans, não binárias e não conformes com o gênero também podem menstruar.

Emma já abordou o assunto em uma série de postagens no Twitter, escrevendo: “As pessoas trans são quem dizem ser e merecem viver suas vidas sem serem constantemente questionadas ou informadas de que não são quem dizem ser.

“Quero que meus seguidores trans saibam que eu e tantas outras pessoas ao redor do mundo te vemos, respeitamos e te amamos por quem você é.”

Ela também pediu que seus seguidores doassem para a instituição Mermaids, que ajuda crianças trans, e para o Mama Cash, um fundo voltado às mulheres.

Os tuítes de Emma vieram depois que Rowling compartilhou uma longa postagem em seu site, na qual ela revelou que estava parcialmente motivada a falar sobre questões trans por causa de sua experiência de abuso doméstico e agressão sexual.

No post, ela detalhou cinco razões, incluindo seu interesse em “educação e proteção” e “liberdade de expressão”.

Explicando sua razão final, ela escreveu: “Estou sob constante vigilância do público há mais de 20 anos e nunca falei publicamente sobre ser uma sobrevivente de abuso doméstico e agressão sexual.”

“Não é porque tenho vergonha que essas coisas tenham acontecido comigo, mas porque são traumáticas para revisitar e lembrar. Também sinto proteção da minha filha desde o meu primeiro casamento. Eu não queria reivindicar a propriedade exclusiva de uma história que pertence a ela também.”

“No entanto, há pouco tempo, perguntei a ela como ela se sentiria se eu fosse publicamente honesta sobre essa parte da minha vida e ela me incentivou a seguir em frente. Estou mencionando essas coisas agora, não em uma tentativa de obter simpatia, mas por solidariedade com o grande número de mulheres que têm histórias como a minha, que foram criticadas por serem fanáticas por se preocuparem com espaços de sexo único”.

Na postagem do blog, Rowling também disse que estava motivada a lidar com questões de transgêneros por meio de sua conta no Twitter por causa do que vê como uma sociedade cada vez mais misógina.

“Estamos vivendo o período mais misógino que já vi”, continuou ela.

“Nos anos 80, imaginei que minhas futuras filhas, se eu tivesse alguma, teriam um mundo melhor do que nunca, mas entre a reação contra o feminismo e uma cultura on-line saturada de pornografia, acredito que as coisas pioraram significativamente para meninas. Nunca vi mulheres sendo tão humilhadas e desumanizadas na medida em que são agora. Em todo lugar, as mulheres estão sendo instruídas a calar a boca e se sentar.”

Daniel Radcliffe compartilhou seus pensamentos sobre a controvérsia no início desta semana, dizendo que se sentiu “compelido” a falar em apoio à comunidade de transgêneros, enquanto Eddie Redmayne disse que queria deixar “absolutamente claro” que não concordava com os comentários da autora.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.