COMPORTAMENTO
07/07/2019 08:15 -03

Como um professor transformou sucatas em um projeto de educação musical na Brasilândia

O grupo Embatucadores, formado por 4 jovens e coordenado por Rafael Rip, vai lançar o seu primeiro disco em julho.

Divulgação
Grupo Embatucadores se apresenta no Sesc, em São Paulo.

Garrafas, baldes, cabos de vassouras, pedaços de plástico e latas de alumínio.

Materiais que teriam como destino principal o lixo são transformados em instrumentos musicais nas mãos de quatro jovens moradores de Brasilândia, distrito que concentra morros e comunidades na zona norte de São Paulo.

Sob o comando do professor de música Rafael Rip, os meninos Danilo Dantas, Edivaldo Guedes, Kaique Silva e Matheus Souza compõem o grupo Embatucadores. 

Eles constroem melodias com qualquer coisa, inclusive com o próprio corpo.

“Tudo, absolutamente tudo pode virar música. A gente já tocou com uma caneta, com uma latinha e às vezes compomos só com o nosso corpo”, explica Rip, que dá aulas de artes na escola estadual Flamínio Fávero, na capital.

Desde 2003, o professor acolhe voluntariamente turmas de 20 crianças para ensinar educação musical. 

O professor defende que a iniciação musical seja direito de todas as crianças e, para isso, começou a pensar em como as sucatas poderiam auxiliar nesse processo.

“É muito importante para o desenvolvimento melódico que os jovens também escutem as notas afiadas. O trabalho de construção rítmica que a gente faz por meio das sucatas não é um trabalho convencional, é somente uma parte da música. E isso só é possível se a gente tiver acesso ao conhecimento das melodias e das notas musicais tradicionais.”

As aulas acontecem no turno oposto das atividades escolares e já chegaram a reunir 80 jovens com muita vontade de criar e batucar.

Os ensaio acontecem em uma sala cedida pela diretoria da escola que está equipada com objetos de doações.

Divulgação
Apresentação do grupo Embatucadores em Paraty, no Rio de Janeiro.

Dez anos após a sua primeira aula na Brasilândia, Rip fundou o projeto musical Embatucadores, que tem como principal inspiração o grupo britânico STOMP.

“O grupo que me acompanha hoje são de jovens que tinham 11 anos quando começaram a frequentar as aulas. Há seis anos, a gente decidiu montar um show para que eles se apresentassem em locais públicos da cidade”, explica.

Minhocão, Avenida Paulista, Sesc e o Theatro Municipal já serviram de palco para que os garotos produzissem a sua música.

Neste ano, o grupo passar por uma profissionalização. Em junho, tiveram uma temporada de apresentações em Portugal e vão lançar neste mês o seu primeiro disco com singles gravados.

“Quando fomos para a rua, tivemos um retorno muito positivo do público, inclusive com mais convites de apresentação e de pessoas interessadas em monetizar o nosso show. Foi com o volume de shows aumentando que nós viramos realmente um grupo. Eu deixei de ser o professor de alguns meninos para fazer parte de um grupo de músicos”, avalia Rip.

Quando alunos se tornam multiplicadores

Apesar do crescimento das apresentações, o projeto em sala de aula ainda se mantém vivo, sobretudo por conta da dedicação dos alunos mais velhos.

“Eles se tornam multiplicadores de música. E o grupo passou a ser visto com um modelo, um incentivo para quem está na sala de aula. Isso é importante, principalmente, em uma região com tantos problemas financeiros, familiares e com pouca opção de lazer ou acesso a cultura”, diz Rip.

Coordenação motora, independência do corpo, ritmo e performance. As possibilidades do trabalho com o instrumento não convencional são infinitas. Mas muito além da música, os Embatucadores avaliam que fazer parte do grupo transformou a visão que eles tinham sobre disciplina e cooperação.

“A imagem que a gente quer passar em cada show é que cada pessoa, com um pouquinho de força de vontade e um pouco de criatividade, pode fazer tudo o que quiser”, resume Matheus Souza, 19, um dos percussionistas.