OPINIÃO
14/03/2019 14:26 -03 | Atualizado 14/03/2019 14:31 -03

'Eleições', o documentário que retrata disputa política em escola da rede estadual de SP

Filme de Alice Riff estreia em circuito nacional nesta quinta (14)

HuffPost Brasil
O que os jovens pensam sobre política e como colocam isso em prática no ambiente escolar?

“Respeito não é uma proposta. É uma base para começar essa proposta, falou?”, diz um dos alunos da Escola Estadual Doutor Alarico da Silveira, ao defender sua chapa na eleição do grêmio estudantil. Escola e política, que têm dividido manchetes de jornais nos últimos dias, são os dois principais elementos do filme Eleições, que chega aos cinemas de todo o País neta quinta-feira (14).

O que os jovens pensam sobre política e como colocam isso em prática no ambiente escolar?

Ao acompanhar o processo de constituição de chapas para uma eleição de um grêmio, estudantes pensam e praticam política, criam e participam de processos decisórios, no microcosmo da escola. É o que acredita a diretora Alice Riff, que vivenciou ao longo de três meses o dia a dia de jovens de uma escola pública no centro de São Paulo.

“A ideia de filmar uma eleição de grêmio veio, inicialmente, de estarmos vivendo um momento de crise democrática no País, onde é possível ver uma grande desconexão dos jovens com esse processo de votação, escolha de candidatos, relação com partidos políticos. São jovens que nasceram depois dos anos 2000, em um Brasil já democrático”, explica Alice.

Equipe, estudantes e professores transformaram as gravações de Eleições em um processo pedagógico que extrapolou o que é registrado no documentário. A diretora conta que o apoio total da coordenação da escola ao projeto foi decisivo para a seleção da E.E. Doutor Alarico da Silveira.

“O projeto entrou no currículo pedagógico da escola e o processo fílmico foi também um processo pedagógico. Fizemos uma série de oficinas, rodas de conversa e algumas disciplinas se articularam com o ensino audiovisual. Inserimos os alunos na dinâmica de construção do filme”, conta.

Além de estar localizada no centro da cidade, a escola conta com uma diversidade grande de alunos, que vêm de Higienópolis à Favela do Moinho. Para Alice, foi importante também o fato de os alunos não terem ligação alguma com movimentos estudantis organizados.

“Eu queria que o processo de eleição estivesse mais ligado às questões da escola mesmo, que as pessoas não tivessem muita ligação com política. É também um grande desafio fazer um filme com um multiprotagonismo assim”, revela. “Como conseguir uma certa complexidade sem estereotipar os personagens? Foi uma pesquisa muito aprofundada e uma relação de bastante respeito, dedicação e responsabilidade de toda a equipe no momento da filmagem”, completa.

Embora conte apenas com imagens feitas no âmbito escolar, grande parte das gravações também aconteceu fora da escola, dentro das casas dos estudantes, no período da tarde. “Essa aproximação também foi importante para a gente ir construindo essa relação com eles. Foram três meses intensos, mas no fim não é muito tempo para a gente se aproximar de tantas pessoas.”

A educação foi um dos temas centrais do último processo eleitoral no Brasil, recebendo destaque no noticiário em assuntos polêmicos e ruidosos como Escola sem Partido, EaD para o Ensino Fundamental e Médio e até uma possível doutrinação ideológica por parte de Paulo Freire, pedagogo e filósofo brasileiro que morreu há mais de 20 anos. Para Alice, a educação sempre esteve em disputa no calendário político. O filme, em sua visão, é também uma resposta a “essa maluquice de Escola sem Partido”.

Eleições mostra que não existe doutrina ideológica nenhuma em um espaço de liberdade e de diálogo. As chapas na escola poderiam se formar do jeito que quisessem. Tem a chapa da turma do fundão, a chapa com tendências cristãs, há uma chapa feminista. E todo mundo ali convivendo, discutindo e entrando em consenso. Isso que é a democracia”, afirma.

Além do circuito nacional, o documentário estará disponível na plataforma Videocamp para sessões públicas e gratuitas em cidades que não possuem salas de cinema. “Acho que tem uma série de recados que esses jovens estão mandando e que suscitam boas discussões. É um filme que abre conversas”, finaliza Alice. 

Assista ao trailer de Eleições:

 

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.