MULHERES
02/03/2019 16:03 -03

Elaine Caparroz mostra recuperação no Instagram: 'Decidi ser forte'

Paisagista se reuniu com Luiza Brunet e quer se dedicar à conscientização de mulheres sobre violência doméstica.

A paisagista Elaine Caparroz está se recuperando das feridas, externas e internas, deixadas pela tentativa de feminicídio que sofreu no mês passado. Nesta sexta-feira (1º), ela postou no Instagram imagens da sua recuperação desde que foi espancada por 4 horas pelo lutador de jiu-jitsu Vinicius Batista Serra em sua casa.

“Hoje estou com coragem de mostrar o que estou vivendo”, escreveu. “As feridas são muito maiores do que as fotos mostram.”

Ela enumerou os diversos problemas de saúde que teve por causa das agressões, como insuficiência renal, fratura em músculo da cabeça e no nariz, rompimento de dente, deslocamento de rotina, além dos hematomas.

Em sequência, as 3 imagens postadas por Caparroz mostram a paisagista poucos minutos antes da chegada de Vinicius Batista à sua casa, logo após as agressões, e neste momento de recuperação:

“Apesar de tudo, decidi escolher ser forte”, ressaltou Caparroz, que está interessada em se engajar na luta contra a violência doméstica e psicológica.

Neste sábado (2), ela esteve com a atriz Luiza Brunet no Rio de Janeiro. Brunet foi vítima de violência violência enquanto esteve casada com o empresário Lírio Parisotto. Em junho de 2017, a Justiça paulista condenou Parisotto a 1 ano de prisão por ter agredido a então esposa.

“Se ouvir um pedido de socorro, por favor, atendam imediatamente. Ajudem as vítimas, denunciem. Nem uma a menos”, destacou Caparroz no Instagram.

Além da violência, um dos pontos que chamaram atenção dos familiares de Elaine Caparroz foi que os vizinhos demoraram a reagir mesmo após os gritos da vítima por acharem que seria “uma briga de casal”. 

O socorro só foi prestado depois que um funcionário do condomínio, alertado sobre os berros, passou próximo ao apartamento de Caparroz e encontrou a porta entreaberta.

Vinicius Batista Serra foi preso em flagrante por tentativa de feminicídio. Exames concluíram que ele não tem problemas psiquiátricos. O agressor havia alegado ter tido um surto psicótico durante o encontro. Réu pelo crime, ele está preso em um presídio do Rio de Janeiro, que não foi divulgado por questões de segurança.

Feminicídio

A cada 6 horas uma mulher é vítima de feminicídio no mundo, segundo relatório da ONU (Organização das Nações Unidas).

A pesquisa aponta que, em 2017, 87 mil mulheres foram vítimas de feminicídio e mais da metade delas (58%), cerca de 50 mil, foram mortas por conhecidos, companheiros, ex-maridos ou familiares. A conclusão é de que o lar é o ambiente mais violento para as mulheres.

O relatório “Assassinato de gênero de mulheres e meninas” destaca que os assassinatos de mulheres por parte dos seus companheiros faz com que o lar seja o “lugar mais perigoso” e que, sendo assim, ”é frequentemente a culminação de uma violência de longa duração que precisa ser combatida”.